Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 23 Fevereiro |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Atentados, suicídios: os jovens diante da violência do mundo

US-TEXAS-SCHOOL-CRIME-AFP

CHANDAN KHANNA | AFP

Francisco Borba Ribeiro Neto - publicado em 02/04/23

Diante dessa situação, existe uma tarefa que compete a todos nós: os jovens precisam ser amados, mas o amor precisa ser verdadeiro e sábio. Entenda como:

Mais um atentado em escolas brasileiras, este culminando com o assassinato de uma professora por seu aluno de 13 anos, nos obriga a pergunta: o que está acontecendo? A sociedade brasileira nunca foi tão pacífica quanto gostaríamos de supor. Assassinatos por motivos fúteis, violência doméstica, linchamentos sempre aconteceram entre nós – ainda que nem sempre noticiados. Contudo, no período recente, parece que estamos importando de países como os Estados Unidos esta nova praga dos atentados em escolas e universidades. Foram pelo menos 16 atentados nos últimos 20 anos, sendo ao menos sete no último ano.

Contudo, os atentados respondem apenas por uma parte do drama. Existe uma regra de não noticiar casos de suicídio, porque a sua divulgação tem o efeito de sugerir ideias suicidas entre outras pessoas. Contudo, a taxa de suicídios entre jovens no Brasil teve um aumento de quase 50% de 2016 a 2021. Seja tentando tirar a vida de outrem, seja tentando tirar a própria vida, estamos assistindo a um aumento vertiginoso da violência entre nossos jovens.

Entre os adultos, o escândalo e o medo gerados por essa situação são compreensíveis – mas pouco ajudam na resolução do problema. Raiva e medo são sempre maus conselheiros, as boas soluções nascem da reflexão serena, do olhar atento e da dedicação às pessoas envolvidas. Quando se trata de violência, a raiva e o medo são ainda mais deletérios, pois pessoas raivosas ou temerosas tendem a ser ainda mais agressivas, insuflando o estado de ânimo que deveriam inibir.

O que está acontecendo?

Tendemos sempre a procurar culpados por tudo de mal que acontece. Com isso, enfraquecemos nossa capacidade de análise e a visão objetiva da realidade. Cada qual tende a culpar aqueles com quem não simpatiza ou os adversários políticos, num comportamento ideológico no qual se revela uma parte do problema, mas se deixa de ver outros.

O fato é que vivemos numa sociedade onde as pessoas tendem a sentir-se cada vez mais ressentidas com a sociedade circundante. Lembrando o título de uma obra de Freud, podemos falar de um “mal-estar na civilização”. A ideia é simples e não precisa ser nenhum freudiano para constatar sua veracidade. Para nos adequarmos à vida em sociedade, temos que aceitar fadigas, pressões e desgostos. Trata-se de uma inevitabilidade com a qual convivemos todos os dias de nossa vida, desde a mais tenra idade.

Quanto mais simples, autoritária e estática é a estrutura social, mais esse “mal-estar” é naturalizado, aceito como normal e reconhecido como inevitável. Numa sociedade complexa, plural, liberal e dinâmica, como é a nossa, diminui a adesão às normas sociais, cujo lado autoritário se torna mais evidente. Por que seguir essa ou aquela norma social, se ela não nos faz mais felizes? Por que se esforçar para alcançar certas metas pessoais, se depois constatamos que elas não nos darão a satisfação prometida? Para que ser “bons cidadãos” se todos os dias vemos esses cidadãos frustrados e acabrunhados, esmagados pelo peso dos compromissos e pelo despotismo dos poderosos, insatisfeitos diante dos prazeres que lhes foram mostrados, mas não foram entregues?

Nossa sociedade vende uma realização que depois não consegue entregar. Somos todos como que forçados a nos apresentarmos como felizes e bem-sucedidos (veja-se as imagens que divulgamos de nós mesmos em nossas redes sociais), mas tão poucos alcançam realmente a felicidade e o sucesso! Tudo isso gera um contexto de ressentimento, depressão e raiva. Não é à toa que as pesquisas indicam que a taxa de pessoas diagnosticadas com depressão na sociedade brasileira subiu cerca de 34% entre 2013 e 2019.

É uma armadilha, um labirinto de difícil saída, montado para as novas gerações – que ouvem cada vez mais promessas de realização, mas são pressionadas a alcançarem um sucesso que não lhes parece factível. Nesse contexto, a explosão da violência se torna cada vez mais provável, podendo ser desencadeada por uma infinidade de “detonadores”, muitos dos quais quase imperceptíveis aos olhos dos demais.

Bullying, famílias disfuncionais e redes sociais

Três fatores são normalmente indicados entre esses “detonadores” de comportamentos agressivos, antissociais ou suicidas. Nos ambientes juvenis, se sobressai o bullying. Jovens diferentes, que não se encaixam nos padrões hegemônicos dentro do grupo social, se tornam vítimas das chacotas, do desprezo e do tão temido cancelamento por parte dos demais. Curiosamente, pessoas que poderiam ser colocadas em extremos opostos do espectro ideológico muitas vezes são vítimas do mesmo bullying. Por exemplo, o cristão que deseja viver sua castidade e o homossexual que deseja liberar sua sexualidade poderão ser igualmente cancelados por não se encaixarem num padrão de heterossexualidade permissiva… As armadilhas do poder são mais sutis do que imaginamos!

O segundo fator frequentemente apontado como desencadeador de comportamentos violentos entre jovens advém dos problemas familiares, como violência doméstica e abandono parental. Contudo, também aqui, é perigoso uma generalização esquemática. Não é que por traz de cada suicida e de cada perpetrador de atentados encontraremos uma família disfuncional. Além disso, muitas vezes os próprios pais são vítimas de más condições de trabalho ou de uma situação de pobreza material e humana que não lhes permite dar a atenção e o cuidado aos filhos que desejariam dar.

Por fim, as redes sociais se tornaram o grande vilão de nossos tempos. Elas permitem que ideologias, exemplos e até instruções sejam difundidas com uma facilidade nunca vista em nossa sociedade. Congregam solitários que nunca teriam se encontrado antes. Criam, no mundo virtual, falsas realidades que podem estimular comportamentos antissociais, ódios e agressões. Em sua abrangência e pluralidade, parecerem incontroláveis para famílias e governos.

O que fazer?

Soluções nascidas do desespero e da raiva são pouco eficientes. Aumentar o policiamento ostensivo nas escolas, impor uma disciplina mais rígida colocar detectores de metais são alternativas que podem até ser necessárias em alguns casos – mas não são respostas efetivas para o problema. Quem impedirá o agressor de atacar seus colegas e professores na rua? E os jovens que se suicidam em casa? Eles também são filhos de Deus e vítimas dessa situação generalizada.

O controle das redes sociais é uma necessidade de nossos tempos. A liberdade não é a mesma coisa que o direito de propagar o mal entre os influenciáveis. Contudo, o fato é que há muitas tentativas e poucos resultados realmente eficiente. A complexidade da questão pode ser vista nas discussões sobre a censura do Estado e a responsabilização das chamadas big techs, proprietárias das redes. Acompanhar o que os jovens estão vendo é, sem dúvida, uma das muitas responsabilidades dos pais, mas temos que ser realistas: como pais que trabalham por 8 a 10 horas diárias poderão fazer esse controle? E nem todos, na verdade muito poucos, tem a alternativa de deixar de trabalhar ou ter um emprego de só meio período para poder estar mais perto dos jovens.

Um passo fundamental – e talvez não tão difícil – é garantir assistência psicológica para professores, estudantes e até policiais. O corpo docente deve estar capacitado para perceber quando jovens estão em situações frágeis e/ou perigosas e ter para onde encaminhá-los. A polícia tem que saber o que fazer quando recebe uma denúncia ou constata uma situação violenta numa escola (no caso do assassinato da professora, o menor já havia sido inclusive denunciado para a polícia). 

Saber amar

Diante dessa situação, existe uma tarefa que compete a todos nós: aprendermos a amar mais os jovens. Evidentemente isso vale em primeiro lugar para os pais, mas também a professores, sacerdotes, influenciadores e até chefes e empregadores. Os jovens precisam ser amados, mas o amor precisa ser verdadeiro e sábio. Amores possessivos, que sufocam os jovens com expectativas traçadas por outros, ou permissivos, que pecam pela falta de orientação, não ajudam. O exemplo dos adultos é fundamental – mas o primeiro exemplo é o de que somos felizes amando (e, muitas vezes, temos um longo caminho pessoal, pois não somos felizes, nem sabemos amar).

O primeiro passo do amor é a acolhida. Nossos jovens vivem numa sociedade que não sabe acolher, por mais que diga o contrário. Corrigi-los é sempre importante, mas só quem acolhe é reconhecido como tendo o direito de corrigir. A correção sem a acolhida não é aceita e tem o efeito contrário. As ideologias são perigosas, mas denunciá-las sem mostrar o amor só serve para gerar mais raiva e ressentimento.

Saber amar é uma capacidade inerente a todo ser humano, não depende dessa ou daquela confissão religiosa. Porém, Cristo – que se entregou à morte por amor a cada um de nós – é o maior mestre de amor que podemos encontrar. Oremos por nossos jovens, pelos que mais sofrem, pelas vítimas da violência, por nós mesmos, que o manto da misericórdia a tudo cubra, consolando-nos na dor, ensinando-nos a viver.

Tags:
EducaçãoFamíliaJovensViolência
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia