Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 29 Fevereiro |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

O Papa no Domingo de Ramos: qual foi o sofrimento mais dilacerante de Jesus?

Pope Francis presides over the celebration of the Palm Sunday 2023

ISABELLA BONOTTO/POOL / ALETEIA

#image_title

Reportagem local - publicado em 03/04/23

Na celebração, Francisco explicou os sofrimentos que Jesus padeceu e lançou um desafio importante para os fiéis

Depois de passar três dias no hospital Gemelli com uma infecção respiratória, o Papa Francisco teve alta no sábado, 1 de abril de 2023. No domingo, celebrou a Missa do Domingo de Ramos na Praça de São Pedro.

Durante a homilia, o Santo Padre explicou os sofrimentos que Jesus padeceu para nos salvar:

“Foram sofrimentos do corpo: pensemos nas bofetadas, nas pancadas, na flagelação, na coroa de espinhos, na tortura da cruz. Foram sofrimentos da alma: a traição de Judas, as negações de Pedro, as condenações religiosa e civil, a zombaria dos guardas, os insultos ao pé da cruz, a rejeição de tantos, a falência de tudo, o abandono dos discípulos. E contudo, no meio de todo este sofrimento, restava a Jesus uma certeza: a proximidade do Pai. Mas agora acontece o impensável; antes de morrer, clama: «Meu Deus, meu Deus, porque Me abandonaste?» O abandono de Jesus.”

O Pontífice também se referiu ao “sofrimento mais dilacerante” que Cristo enfrentou:

“Estamos perante o sofrimento mais dilacerante, que é o sofrimento do espírito: na hora mais trágica, Jesus experimenta o abandono por parte de Deus. Antes disto, nunca chamara o Pai pelo nome genérico de Deus. Para nos fazer sentir a intensidade daquele momento, o Evangelho apresenta a frase também em aramaico; dentre as palavras pronunciadas por Jesus na cruz, esta é a única que nos chega na língua original. O acontecimento real é o abaixamento extremo, ou seja, o abandono de seu Pai, o abandono de Deus. Aquilo que o Senhor chega a sofrer por nosso amor, até temos dificuldade de o entender. Vê o céu fechado, experimenta o viver no seu amargo limite, o naufrágio da existência, o colapso de toda a certeza: grita «o porquê dos porquês». «Tu, ó Deus, porquê?»”

Por que Jesus sofreu tanto?

Ao explicar os sofrimentos de Jesus, Francisco lançou a pergunta: “E por que foi tão longe?”

A reposta não poderia ser outra. Disse o Papa:

Por nós; não há outra resposta. Por nós. Irmãos e irmãs, isto hoje não é um espetáculo. Cada um de nós, ouvindo referir o abandono sofrido por Jesus, diga para si mesmo: por mim. Este abandono é o preço que pagou por mim. Fez-Se solidário com cada um de nós até ao ponto extremo, para estar connosco até ao fim. Experimentou o abandono para não nos deixar reféns da desolação e permanecer ao nosso lado para sempre.”

Rejeitados e excluídos

Ao final da homilia do Domingo de Ramos, o Papa Francisco explicou ainda que o “Jesus Abandonado” representa os rejeitados e excluídos:

“As pessoas rejeitadas e excluídas são ícones vivos de Cristo, recordam-nos o seu amor louco, o seu abandono que nos salva de toda a solidão e desolação. Irmãos e irmãs, peçamos hoje esta graça: saber amar Jesus abandonado e saber amar Jesus em cada abandonado, em cada abandonada. Peçamos a graça de saber ver, saber reconhecer o Senhor que continua a clamar neles. Não permitamos que a sua voz se perca no silêncio ensurdecedor da indiferença. Não fomos deixados sozinhos por Deus; cuidemos de quem é deixado só. Então, só então, faremos nossos os desejos e os sentimentos d’Aquele que por nós «Se esvaziou a Si mesmo» (Flp 2, 7).”

Clique na galeria abaixo e veja como foi a celebração do Domingo de Ramos na Praça São Pedro.

Tags:
Papa FranciscoSemana SantaSofrimento
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia