Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 13 Abril |
Aleteia logo
Espiritualidade
separateurCreated with Sketch.

Como os anjos consolaram Jesus no Horto das Oliveiras

Jesus praying in the Garden of Gethsemane on the Mount of Olives Godong

© P Deliss / Godong

Loo Burnett - publicado em 07/04/23

Mas Jesus, sendo Deus, precisava da intercessão dos anjos naquele momento de agonia?

Durante todo o tempo que Jesus viveu sabemos que esteve ladeado pelos santos anjos; da Anunciação à morte no lenho da Cruz, sobretudo na Ressurreição, quando Madalena os encontrou no sepulcro, e na Ascensão de Cristo. 

Os anjos consolaram Cristo no Horto das Oliveiras. Jesus, sendo Deus, não precisava da intercessão dos anjos naquele momento de agonia, pois sabemos que ele está acima de todas as criaturas temporais e espirituais. Os anjos assistiram Jesus participando de sua dor que consistiria em satisfazer à justiça divina uma expiação sem precedentes. A reparação seria total: pelos pecados e as consequências destes pecados cometidos pelo mundo inteiro.

A mística e beata Anna Catharina Emmerich nos conta no livro “Vida, Paixão e Glorificação do Cordeiro de Deus” o momento em que os anjos confortaram e também revelaram a Jesus tudo o que ele passaria no mistério de sua Paixão.  Minutos antes dos anjos se manifestarem, Satanás tentou Cristo como fizera no deserto, e se Deus permitiu que seu amado Filho passasse novamente por tal tentação, da mesma forma permitiria que seus anjos o fortalecessem. 

Quando Jesus retirou-se para orar ao fundo de uma gruta no Horto das Oliveiras, todos os pecados do mundo – dos menores aos mais perversos – foram visualizados enquanto Cristo meditava. Tomou sobre si horrorosas transgressões; o peso imenso de todas elas, assumindo o sacrifício reparador no lenho da Cruz. Satanás se apresentava embravecido cada vez que o Filho de Deus se encorajava a cumprir a derradeira missão. Este, é um dos primeiros momentos em que Anna Catharina Emmerich vivencia a ação consoladora dos santos anjos: 

Satanás, porém, que se movia no meio de todos os horrores, em figura terrível e com um riso furioso, enraivecia-se cada vez mais contra jesus […] “Que? Tomarás também isto sobre ti? Sofrerás castigo também sobre este crime? Como podes satisfazer por tudo isto?” 

Veio, porém, um estreito feixe de luz, da região onde o sol está entre as dez e onze horas, descendo sobre Jesus e nela vi surgir uma fileira de anjos, que lhe transmitiam força e ânimo”. 

Os anjos mostraram a Jesus, na dolorosa agonia do Getsêmani, a gravidade dos tormentos, as angústias e todo o sofrimento que padeceria. A aflição e a dor que invadiram a alma de Cristo foi aterrorizante ao extremo, de modo que seu corpo expeliu um suor sanguinolento. 

Enquanto a humanidade de Jesus sofria e tremia, sob esta terrível multidão de sofrimentos, notei um movimento de compaixão nos Anjos; houve uma pequena pausa: parecia-me que desejavam ardentemente consolá-lo e que apresentavam as súplicas diante do trono de Deus”. 

Encontramos no Evangelho de São Lucas, o episódio que narra o suor de sangue logo após a descida de um anjo, que igualmente consola Jesus. A mística Anna Catharina complementa, e especifica detalhadamente este anjo em supracitado:

No fim das visões da Paixão, Jesus cai por terra, como um moribundo; os Anjos e as visões da Paixão desapareceram; o suor de sangue brotava mais abundante; vi-O escoar-se através da veste amarela encostado ao corpo.  A mais profunda escuridão reinava na caverna. Vi então um Anjo descendo para junto de Jesus: era maior, mais distinto e mais semelhante ao homem do que os outros que eu vira antes. Estava vestido como um sacerdote, de uma longa veste flutuante, ornada de franjas e trazia na mão, diante de si, um pequeno vaso, da forma do cálice da última Ceia”.

Jesus era tão ciente da intervenção dos anjos em seu ministério, que após ser capturado declarou diante dos perseguidores: “Você acha que eu não posso pedir a meu Pai, e ele não colocaria imediatamente à minha disposição mais de doze legiões de anjos?” Mt 26,53-54.

Do propósito da encarnação e da vitória da vida sobre a morte, os anjos são as primeiras testemunhas, pois Cristo é o centro do mundo angélico.

____

EMMERICH, Anna Catharina. Vida, Paixão e glorificação do cordeiro de Deus. São Paulo: Mir Editora, 2020, p.148.

EMMERICH, Anna Catharina. Vida, Paixão e glorificação do cordeiro de Deus. São Paulo: Mir Editora, 2020, p.153.

EMMERICH, Anna Catharina. Vida, Paixão e glorificação do cordeiro de Deus. São Paulo: Mir Editora, 2020, p.167.

Tags:
AnjosJesusPaixão
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia