Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 19 Abril |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Deixar ou não o emprego para cuidar dos filhos?

mom, baby

Miramiska | Shutterstock

Theresa Civantos Barber - publicado em 11/04/23

A decisão é muito pessoal e depende da realidade de cada família. Mas, diante da dúvida, algumas questões devem ser levadas em conta

Mesmo antes de terem filhos, muitas mulheres decidem abandonar o emprego para ficar em casa cuidando deles.

Outras planejam trabalhar em tempo integral depois de darem à luz, mas algo muda depois que o bebê nasce. 

É difícil decidir o que fazer. Qual a melhor escolha para você e sua família?

Deixar ou não o trabalho e ficar em casa com os filhos é uma decisão muito pessoal e depende da realidade de cada família. Mas ao decidir, aqui estão algumas coisas a considerar.

Pensando diferente sobre o sucesso 

Superficialmente, deixar o emprego remunerado para fazer o trabalho não remunerado de criar os filhos não faz sentido financeiro. 

Nossa sociedade pensa sobre o sucesso de uma forma muito distorcida. A realização financeira é, realmente, a melhor medida de sucesso? E quanto à satisfação e ao contentamento com a sua vida? E a felicidade, sem falar na santidade, de contribuir para a próxima geração? Como essas coisas não podem ser medidas, são, muitas vezes, esquecidas.

Produtividade, produção e dinheiro costumam ser a medida de valor. Mas as crianças não ganham dinheiro e os pais não ganham dinheiro para criar seus próprios filhos. Portanto, essas coisas não são valorizadas (embora as crianças e seus cuidados devam ser uma das coisas mais importantes para todos nós). 

Uma métrica diferente

Há um movimento pequeno, mas interessante, de pagar aos pais para ficarem em casa com os filhos, mas duvido que decole, por vários motivos. Portanto, em vez das medidas do sucesso pelo salário, sonho com um mundo onde medimos nosso sucesso por métricas como:

  • Essa decisão faz eu e minha família felizes?
  • Essa escolha é a melhor para mim e para aqueles que amo?
  • Estou vivendo a vocação para a qual Deus me chamou da melhor maneira possível?
  • Vou olhar para trás quando for idosa e me sentir satisfeita com as escolhas que fiz?
  • Quando eu chegar ao céu, posso ficar diante de Deus e dizer honestamente: “Fiz o melhor que pude com o que o senhor me deu”?

Meu próprio discernimento dessas questões me levou a largar meu emprego e ficar em casa com meus filhos. Seu próprio discernimento pode levá-la a continuar perseguindo sua carreira. De qualquer forma, há mais nessa escolha do que apenas analisar os números: há questões logísticas a considerar. Aqui estão algumas delas:

1A realidade financeira

Analisar os números não é tudo, mas ainda faz parte da decisão. Você e sua família conseguem sobreviver sem a sua renda? Analisando cuidadosamente suas despesas, há algo que você possa cortar ? Você poderá obter benefícios de saúde por meio do empregador de seu cônjuge? 

E, às vezes, os números não batem, mas você encontra uma maneira de fazer funcionar. Quando larguei meu emprego, ganhava metade da renda de nossa família; foi um grande salto de fé me afastar disso. Mas consegui encontrar um emprego remoto de meio período e cortar várias despesas importantes para aumentar um pouco a renda.

2Você deseja retomar a sua carreira no futuro?

Você precisa se manter atualizada com a formação profissional? Você pode “desacelerar” para trabalhar meio período ou remotamente por enquanto? Você acredita ser possível voltar ao mercado no futuro?

3Qual é a sua intuição?

O que você ouve na oração? Em última análise, o mais importante não é algo racional: “O coração tem suas razões das quais a razão desconhece”. 

No começo, eu me sentia fisicamente doente só de pensar em deixar meu recém-nascido por horas todos os dias. O trabalho que eu tinha na época parecia sem sentido e sem sentido em comparação com cuidar do meu bebê.

Mas talvez você se sinta diferente. Você pode sentir muita paz por continuar em sua profissão ou pode sentir que trabalhar fora de casa a torna uma mãe melhor. Tudo se resume a um pressentimento do que você quer fazer e o que será mais gratificante para você, bem como o melhor para sua família.

E, afinal, os sonhos podem mudar. Talvez seus sonhos de carreira tenham se transformado em sonhos de bebês, cuidar da casa e curtir seus filhos nesta fase da vida. Talvez um sonho de ficar em casa com seus filhos mude para um sonho profissional quando seus filhos forem um pouco mais velhos. 

Agora, nesta temporada, tudo bem se bebês e tarefas domésticas forem o seu sonho. E também está tudo bem se não forem. O que importa é descobrir qual opção lhe traz paz e, em seguida, dar o seu melhor.

Tags:
FilhosMaternidadeTrabalho
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia