Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 24 Abril |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

São Pedro foi realmente crucificado de cabeça para baixo?

Ukrzyżowanie świętego Piotra Apostoła na obrazie Caravaggia

Wikimedia Commons | domena publiczna

#image_title

Krzysztof Jędrasik - publicado em 14/04/23

As pinturas que retratam a crucificação de São Pedro são bem conhecidas. Tais obras foram criadas por Michelangelo e Caravaggio, entre outros. Eles mostram o apóstolo pendurado na cruz com a cabeça baixa. Aparentemente, este foi seu último desejo. Mas será que foi assim?

Como sabemos pelos Evangelhos, Simão Pedro foi escolhido pelo próprio Jesus para liderar a primeira comunidade de cristãos. Ele se tornou o principal apóstolo entre os Doze e pode ser chamado o primeiro papa. Ele ouviu do Mestre as palavras que marcam sua missão única: “Tu és Pedro [isto é, a Rocha], e sobre esta Rocha edificarei a Minha Igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela” (Mt 16,18). Foi a ele que Cristo delegou a mais alta autoridade na Igreja, isto é, a função de “ligar e desligar” (Mt 16,19).

São Pedro participou dos momentos mais importantes da atividade de Jesus. Entre outras coisas, ele viu Sua Transfiguração no Monte Tabor, esteve entre os três escolhidos durante algumas das curas e durante a oração de Jesus no Getsêmani. Depois de Sua Ressurreição e Pentecostes, foi ele quem fez o primeiro discurso público em Jerusalém. Dos Atos dos Apóstolos, conhecemos os milagres de Pedro, que ele realizou em nome de Jesus. Duas de suas cartas também são preservadas. No entanto, os livros canônicos do Novo Testamento não descrevem como terminou a vida terrena do apóstolo.

A tradição cristã transmite que, como quase todos os Doze, ele sofreu a morte de um mártir. Entretanto, a forma de seu martírio parece ter sido bastante singular.

A perseguição de Nero

De acordo com a tradição, a data da morte de São Pedro e São Paulo é tomada como 29 de junho do ano 67 d.C.. Neste dia, a Igreja Católica celebra a memória litúrgica dos dois grandes Apóstolos. Esta data foi proposta pela primeira vez por São Jerônimo no século V. Foi posteriormente confirmada pelos Papas Pio IX e Paulo VI. No entanto, alguns historiadores não concordam plenamente, apontando antes para o ano 64 ou mesmo 68.

No ano 64, a primeira perseguição organizada aos cristãos começou em Roma. Isto foi durante o reinado do Imperador Nero. Após um incêndio que consumiu Roma em 64, Nero foi acusado de incendiá-la. Segundo o historiador romano da época, Tácito, Nero, querendo se livrar da acusação, acusou os cristãos de incendiar a cidade. O massacre dos seguidores de Jesus começou então. Eles foram cruelmente torturados, inclusive sendo atirados aos cães, crucificados e até jogados no fogo. Alguns historiadores especulam que foi então que São Pedro e São Paulo, como líderes dos cristãos, foram presos em primeiro lugar.

São Pedro estava fugindo de Roma, mas…

Conjecturamos sobre como o primeiro papa morreu devido aos Atos de Pedro. Esta é uma obra apócrifa (e portanto não canônica) descrevendo o destino do principal apóstolo. Provavelmente foi escrita no segundo século. Somente fragmentos sobreviveram até os nossos dias. É dos Atos de Pedro que se origina o extraordinário diálogo que o apóstolo deveria ter com o próprio Jesus.

Após o surto de cruel perseguição sob Nero, o apóstolo decidiu deixar Roma. Naquela época, enquanto já fora da cidade, ele encontrou Jesus em uma estrada chamada Via Appia. Ele estava caminhando na direção oposta. Foi então que Pedro pronunciou as famosas palavras: “Quo Vadis Domine?”, que significa “para onde você vai Senhor?”. Em resposta, disse Cristo: “Quando você deixar meu povo, irei a Roma para ser crucificado novamente”. Esta resposta comoveu profundamente Pedro e ele decidiu voltar para a cidade. Ele estava agora pronto para aceitar o martírio que o aguardava lá.

Entretanto, sabemos pelo Evangelho de São João que o próprio Jesus, já após a Ressurreição, anunciou a Pedro seu martírio. No capítulo 21, há estas palavras: “Quando você estiver velho, estenda suas mãos, e outro o cingirá e o levará aonde você não quer ir”. Isto ele disse para indicar com que tipo de morte ele glorificaria a Deus. E tendo dito isto, Ele disse a ele: “Segue-me!””. (Jo 21,18-19).

Ele não queria morrer como Jesus queria….

Embora os Atos de Pedro tenham sido repetidamente condenados como heréticos por, entre outros, Santo Agostinho, fragmentos deles têm permeado a tradição cristã. É a partir deste trabalho que vem a informação sobre a crucificação de São Pedro de uma maneira específica.

Esta notícia foi frequentemente citada pelos primeiros escritores cristãos e penetrou em nossa consciência. Portanto, a tradição bem conhecida é que São Pedro foi crucificado. Entretanto, ao contrário de Jesus, ele foi pregado na cruz com os pés para cima e a cabeça voltada para baixo.

Por que isto foi feito de uma maneira tão estranha? Afinal, uma crucificação “normal” é cruel, humilhante e chocante o suficiente.

De acordo com a mensagem apócrifa, foi o próprio Pedro que, pouco antes de sua execução, pediu a seus carrascos que o crucificassem justamente nesta forma. Ele sentiu que não era digno de morrer da mesma forma que seu Mestre, o Filho de Deus – Jesus Cristo.

Alguns historiadores dizem que se Pedro de fato morreu desta maneira, ele certamente sofreu muito, mas morreu muito rapidamente, ou pelo menos perdeu a consciência de antemão. Os crucificados sofriam muito mais tempo. A morte dolorosa deles poderia durar muitas horas ou até vários dias. Sabemos pelos Evangelhos que Jesus sofreu na cruz por cerca de três horas antes de morrer (das 12 às 15h – por isso as 15h são reconhecidas como a hora da Misericórdia).

Os artistas imortalizaram a crucificação de São Pedro

Entre as representações mais famosas dos últimos momentos de Pedro está o trabalho de Michelângelo. O artista italiano pintou um afresco retratando este evento encomendado pelo Papa Paulo III no século XVI. Ele está localizado na Capela Paulina, no Palácio Apostólico do Vaticano.

A figura central do quadro é, naturalmente, São Pedro na cruz, de cabeça para baixo. Ao seu redor está um grupo de soldados e espectadores romanos. Um fato interessante foi descoberto em 2009. Descobriu-se que entre as pessoas que assistem à crucificação de Pedro no quadro está um auto-retrato de Michelângelo. Ele pode ser encontrado à esquerda vestindo um turbante azul.

Outro quadro bem conhecido que retrata a cena da crucificação de São Pedro é uma obra do famoso Caravaggio. É uma pintura a óleo de 1601 e pode ser vista na Basílica de Santa Maria del Popolo, em Roma. Este pintor realizou todo o conceito em seu próprio estilo. Ele prescindiu de mostrar o fundo dos eventos e se concentrou apenas nas figuras principais. Sua obra retrata São Pedro na cruz com a cabeça para baixo e três de seus algozes.

Tags:
ArteBíbliaCulturaHistória da IgrejaSantos
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia