Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 13 Abril |
Aleteia logo
Cultura & Viagem
separateurCreated with Sketch.

Igreja e ciência: o padre que impulsionou o tratamento com água termal na Nova Zelândia

Piscina termal na Nova Zelândia

Yevgen Belich | Shutterstock

Piscina termal na Nova Zelândia

V. M. Traverso - publicado em 18/04/23

Graças à jornada de cura do padre Mahoney em 1878, inúmeras outras pessoas se beneficiaram de um tratamento natural para o reumatismo

A humanidade conhece e desfruta das propriedades terapêuticas das águas termais há centenas de anos. Hoje, lugares como Budapeste, na Hungria, ou Wiesbaden, na Alemanha, são mundialmente famosos por atraírem milhares de visitantes em busca de cura para suas doenças mediante essas propriedades terapêuticas. Pouca gente sabe, no entanto, que uma das reservas termais mais reconhecidas do mundo se popularizou graças à jornada de cura de um padre católico.

Em 1878, o pe. Mahoney, irlandês estabelecido em Tauranga, na Nova Zelândia, ouviu dos nativos maori que existia uma piscina natural em Rotorua, com “águas especiais” capazes de curar o reumatismo – um mal de que ele próprio sofria intensamente. O sacerdote resolveu partir, a pé, e encontrar aquelas águas.

Mahoney percorria o Vale Whakarewarewa de Te Puia quando foi afetado por uma dor artrítica quase incapacitante. Durante dias, continuou tentando abrir caminho em trilhas estreitas e cobertas por densas copas de árvores manuka. Ele carregava uma sacola pesada com provisões, uma tenda e seu altar portátil. Quando estava quase perdendo as esperanças, avistou ao longe as águas azuis do Lago Rotorua.

Montou às suas margens a barraca e descansou um pouco. Foi recebido por maoris locais de um vilarejo próximo e, com a sua ajuda, conseguiu caminhar até um conjunto de piscinas termais chamadas Te Paupunitanga, aquecidas naturalmente por um complexo sistema de gêiseres. Seu efeito terapêutico se deve à água ácida de sulfato do gêiser.

Piscina termal na Nova Zelândia
Piscina termal na Nova Zelândia

Os nativos instruíram Mahoney sobre como tomar banho evitando as águas escaldantes e escolhendo as áreas com as melhores propriedades curativas. O padre teria passado vários dias apenas sentado na piscina termal natural. Depois de alguns dias de banho, estava curado de quase todo o seu reumatismo.

O pe. Mahoney agradeceu aos habitantes locais por aquela cura quase milagrosa e voltou para Tauranga, levando a notícia das maravilhosas propriedades curativas naturais que havia conhecido. Até hoje, a piscina usada por Mahoney é chamada de “piscina do padre”. Ela é considerada um remédio terapêutico eficaz contra cansaço muscular e dores reumáticas.

Graças ao pe. Mahoney, Rotorua entrou no mapa dos lugares de cura. Começaram a surgir casas de banho na região, com a primeira sendo inaugurada em 1882 no mesmo local da “piscina do padre”. Hoje, Rotorua é considerada uma das reservas termais mais importantes do mundo – e o Polynesia Spa, complexo que abriga a “piscina do padre”, foi eleito uma das 10 melhores experiências termais do planeta.

Uma placa ainda marca a piscina original onde Mahoney se curou do reumatismo há mais de 140 anos. Graças à sua jornada aventureira e ao seu apreço pela ciência, inúmeras outras pessoas se beneficiam dessa mesma água terapêutica desde pelo menos 1878.

Piscina termal na Nova Zelândia
Piscina termal na Nova Zelândia

Tags:
CiênciaDoençaPadres
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia