Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 25 Abril |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

A semelhança entre o nosso tempo e a época de Noé: vem aí um novo “dilúvio” sobre a humanidade?

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Desastre nuclear

Zastolskiy Victor | Shutterstock

Pe. José Eduardo - publicado em 20/04/23

Nunca estivemos tão próximos de uma guerra nuclear. E isso não se deve a uma crise geopolítica, mas à completa falta de virtude dos nossos dirigentes.

Quando se lê a Bíblia com olhos de águia, percebem-se muitas coisas interessantes… A descendência de Caim é descrita como degenerada. Um dos seus descendentes, Lamec, inventou a poligamia e o infanticídio. Com a proliferação do pecado, o Gênesis conta que Deus se “arrependeu” de ter criado o homem – uma metáfora antropomórfica que nos quer apenas dizer que a degradação moral tinha atingido níveis sub-animalescos.

Quando os filhos de Deus começaram a se unir às filhas dos homens – e, na ”Cidade de Deus”, Santo Agostinho interpreta que esta foi justamente a união da descendência de Caim com a de Set –, repentinamente, veio o dilúvio. O estopim, justamente, foram os pecados contra a vida e contra a família, a completa depravação moral do homem.

Nunca estivemos tão próximos de uma guerra nuclear. E isso não se deve a uma crise geopolítica, mas à completa falta de virtude dos nossos dirigentes. Durante a guerra fria, o mundo ainda podia contar com a prudência de Kennedy, Reagan, Kruschov e Brejnev… E a desgraça, realmente, não chegou a acontecer.

Hoje, em que somos dirigidos por bandidos, cachaceiros, senis, psicopatas, ditadores sanguinários, gente sem a mínima virtude, este mundo desordenado corre o sério risco de ser vítima da mais grotesca destruição. E ela não viria, nesse caso, de nenhum eco-apocalipse, mas de uma verdadeira devastação bélico-nuclear. Quando falamos em guerra, não somos capazes de imaginar o que pode vir pela frente!… O que virá, se vier, será uma hecatombe inédita.

E, como disse Jesus, “nos dias anteriores ao dilúvio, os homens comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos” (Mt 24,38-39). Hoje, todos vivem irresponsavelmente, como se nada lhes fosse acontecer… até quando?

Quando vemos a insensatez dos nossos líderes e a sua leviandade nas palavras, temos diante de nós o sinal eloquente de que podemos, sim, estar às vésperas de um grande tormento.

“As palavras do sábio lhe trazem benefícios, mas os lábios do insensato o destroem. No início as suas palavras são mera tolice, mas no final são loucura perversa. Embora o tolo fale sem parar, ninguém sabe o que está para vir; quem poderá dizer a outrem o que lhe acontecerá depois?” (Ecl 10,12-14).

Pe. José Eduardo Oliveira, via rede social

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos

Tags:
GuerraIdeologiaPolíticaSociedade
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia