Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 21 Abril |
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

Confissão, perdão, fé… As confidências de um missionário da misericórdia

PRETRE-DOS-GODONG-FR346305C.jpg

Pascal Deloche / GODONG

#image_title

Magdalena Prokop-Duchnowska - publicado em 21/04/23

Padre Robert Wielądek, missionário da divina misericórdia na Polônia, falou com Aleteia sobre seu ministério. Para tornar-se misericordioso, explica o padre, há apenas uma pergunta a fazer: "O que Jesus faria em meu lugar"?

Existem apenas 1.000 deles no mundo. Aos Missionários da Divina Misericórdia foi dado um papel especial pelo Papa Francisco, a saber, absolver os maiores pecados, normalmente reservados à Sé Apostólica. Estes incluem a profanação das espécies consagradas (o corpo e o sangue de Cristo), a violência física contra o Papa, a violação do segredo da confissão… O padre Robert Wielądek é um missionário polonês. Ele falou à edição polonesa da Aleteia sobre este ministério e o poder do sacramento do perdão.

Aleteia: Na Bíblia lemos que Deus é misericordioso, gentil e lento para a ira. Mas às vezes também lemos que Deus é juiz e pode punir. Será que um não contradiz o outro?

Padre Robert Wielądek: Misericórdia e justiça são duas faces da mesma moeda. A misericórdia precisa de justiça e vice-versa. Estas duas realidades são inseparáveis. Não pode haver anarquia no amor. Todo relacionamento precisa de estruturas, limites e ordem.

Deus nos ama, por isso Ele exige de nós

O julgamento não é incompatível com o amor?

Lembremos que seremos julgados por Aquele que morreu por amor a nós, para nos salvar de nossos pecados. O julgamento de Deus é comparável ao amor filial e paterno: se você adverte seu filho para não desobedecer, ou não fazer isto ou aquilo, mas ele não escuta, você como pai lhe dirá que ele fez mal, e o fará sentir as consequências de seu comportamento. Isto significa que você não o ama? Pelo contrário: você o faz precisamente por causa de seu amor por ele. Além disso, castigá-lo frequentemente faz você, como pai, sofrer ao mesmo tempo. Com Deus é a mesma coisa. Ele nos ama, por isso exige de nós. E porque Ele nos libertou, somos capazes de suportar as consequências de nossas escolhas de vida. Ele não age friamente, mas com compaixão.

Como podemos nos tornar pessoas misericordiosas?

Não podemos ser misericordiosos por nós mesmos. Podemos ser benevolentes, mas não misericordiosos. Só podemos aprender isto de Deus, e especialmente através do sacramento da confissão. A confissão nos permite descobrir um amor paciente, constante e incessante. Um amor que não é deste mundo. E somente esta experiência nos permite saber como podemos traduzi-lo em nossa atitude em relação aos outros. Portanto, se alguém quer ser misericordioso, deve começar trabalhando em seu relacionamento com Deus, para que tudo seja feito através d’Ele. Misericórdia é fazer o que Jesus fez. Portanto, se eu não sei como me comportar (ou como demonstrar misericórdia), tenho que me perguntar: “O que Jesus faria em meu lugar?”.

Cristo é empático, paciente e gentil. Mas ele nunca fechou seus olhos para o mal

Então, ao contrário do que muitas vezes pensamos, misericórdia não é perdoar ou fazer vista grossa à fraqueza de alguém?

Não. Cristo é empático, paciente e gentil. Mas ele nunca fechou os olhos para o mal. Quando ele encontra a adúltera, ele não lhe bate no ombro e lhe diz que está tudo bem ou finge que isso nunca aconteceu. Ele se volta para ela, olha para ela e diz: “Vá e não peques mais”. Em outras palavras: “Você pecou, o que você fez é errado”. Mas eu te amo e você pode escolher renunciar ao mal e mudar sua vida.

Uma das maiores manifestações de misericórdia é a paciência. Jesus diz que não devemos perdoar 7 vezes, mas 77 vezes. Isto significa que devemos suportar a ofensa de alguém indefinidamente?

Não. Deus nos diz que se outra pessoa nos pede perdão na verdade, então devemos perdoar tantas vezes quantas ele ou ela nos pedir. Mas, mais uma vez, é tudo uma questão de equilíbrio. Devemos ser pacientes, mas a paciência não deve fechar os olhos para o mal: alguém pode realmente pedir perdão sem boas intenções. Deus suporta nosso pecado infinitamente, mas é certo que haverá consequências. O mesmo é verdade para nós: diante do mal infligido, não podemos fingir que nada aconteceu.

Qual é a coisa mais difícil da confissão para um padre?

Em primeiro lugar, o pecado não é nada interessante, pelo contrário, é aborrecido. As pessoas cometem o mesmo mal desde o início dos tempos, são apenas as ferramentas usadas para fazer o mal que mudam. Por outro lado, para mim é difícil ouvir os pecados dos outros, porque estou consciente da miséria que eles causam. É como um pai que tem que ouvir de seu filho como ele perdeu seu caminho na vida. Não há alegria nisso.

A experiência mais poderosa para mim tem sido pregar retiros e dar o sacramento da reconciliação na prisão

Existe uma confissão que ficou particularmente em sua memória ou em seu coração?

A experiência mais poderosa para mim foi pregar retiros e dar o sacramento da reconciliação na prisão. Descobrir como a misericórdia de Deus muda as pessoas, especialmente as mais “quebradas” da vida, é uma grande graça. Escutei a confissão de pessoas que não se confessavam há 40 ou 60 anos.

Como esses sete anos de ministério afetaram sua vida e sua fé?

Descubro todos os dias o quanto me falta misericórdia em minha vida diária. Isso me faz perceber que preciso me converter uma e outra vez, todos os dias. Às vezes, ainda afasto os outros e os rejeito. Trabalhar para ser misericordioso é exigir de si mesmo uma adesão cada vez mais forte a Jesus. Devemos procurar imitá-lo. O sacramento da reconciliação é importante para isso. Não é por acaso que João Paulo II ia se confessar uma vez por semana.

Tags:
ConfissãoMisericórdiaPadresPerdãoSacramentos
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia