Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 21 Abril |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

“Busco sempre Cristo em meu marido e em meus filhos”, diz brasileira que percorre o mundo evangelizando

Famille-Chateauvieux-Misericordia

© PABLO SANHUEZA

Anna Ashkova - publicado em 26/04/23

Ela fundou uma obra de caridade e evangelização com o marido. Juntos, eles viajaram para mais de 16 países a bordo de uma van antiga. Em entrevista à Aleteia, Rena fala sobre sua vida como missionária e mãe de família numerosa

Depois de viajar vários anos pela América Latina a bordo de uma Kombi como parte da Missão Tepeyac, Romain e Rena de Chateauvieux se estabeleceram no Chile. Ali, o casal de quarenta anos, fundou a Misericórdia, uma obra de caridade e evangelização a serviço dos mais pobres, que atua nos bairros da periferia das grandes cidades: Santiago, Buenos Aires, Nova York, Paris. O casal descreve sua aventura no livro Misericórdia, publicado em janeiro de 2023. 

Casados ​​desde julho de 2006, Romain e Rena vivem com seus seis filhos em Santiago. Ela é brasileira e ele é francês. Vindos de origens diferentes, ambos fizeram, no entanto, a experiência de uma conversão a Cristo antes de se conhecerem. 

Para eles, a missão é uma vocação de tempo integral – mesmo sendo casados e pais. Esposa, mãe, missionária… Rena de Chateauvieux falou sobre seus desafios à Aleteia durante uma passagem pela França.

Famille-de-Chateauvieux-Misericordia
Família missionária.

Aleteia: Como você se vira como chefe de uma família grande? Não deve ser fácil, devido ao seu estilo de vida atípico

Rena de Chateauvieux: Em primeiro lugar, gostaria de dizer que estou muito feliz por ter uma família grande. Sinto que me completo com meu marido e nos ajudamos muito. Quando nos casamos, tínhamos esse sonho de ter muitos filhos e sermos missionários ao mesmo tempo. Eu poderia dizer que o Senhor cumpriu esse desejo além de nossas expectativas. 

Os filhos vieram à medida que nossa vida missionária de casal progredia. Théophane, 15, nasceu nos Estados Unidos, assim como Silouane, 14. Juan Diego, 12 anos, nasceu no México. Esteban, 10, nasceu no norte do Chile, enquanto seu irmão Pier Giorgio, 6, nasceu na capital do país, Santiago. Karol, foi para o Céu bem pequena, tive um aborto espontâneo. E a pequena Teresa nasceu há dois anos em Santiago. 

Sempre conhecemos esse modo de vida, assim como nossos filhos. Sempre nos surpreendemos com a Providência de Deus em relação às crianças que nasceram durante nossas viagens. 

Antes de pegar o ônibus para ir à América Latina e a lugares desconhecidos, algumas pessoas tinham medo de nós, e isso, às vezes, nos fazia questionar: como vamos lidar com as crianças? E todas as vezes, o Senhor nos apoiou. Para cada entrega, tínhamos tudo o que precisávamos e ainda mais. 

E então, foi uma escolha nossa viver com simplicidade e não ter muito. E sempre tivemos o que precisávamos para viver. Sempre ficamos maravilhados com a generosidade das pessoas que conhecemos. A Providência de Deus é concreta e real nas pequenas e nas grandes coisas. 

Você é mãe de seis filhos. O que você mais ama na sua maternidade?

Toda vez que estou grávida, é muito emocionante para mim. Tenho a impressão de que ter um filho me faz participar, como todas as mulheres, da Criação de Deus. E toda vez me sinto indigna deste grande dom que o Senhor me dá como mulher. Sempre me surpreendo com essa aventura de carregar e dar vida a outro ser humano. 

O que também é extraordinário nessa aventura de ser mãe é ter cada vez mais essa certeza de que a minha vocação de mãe é fazer com que os meus filhos sejam felizes na terra e que se desenvolvam como pessoas, mas sobretudo para ajudá-los a se tornarem santos e conduzi-los ao Céu. É algo que me deixa super feliz e me fascina no meu papel de mãe. 

Com todas as suas responsabilidades, como você passa o tempo com sua família? E com seu marido?

O equilíbrio familiar é algo a ser buscado ao longo da vida. Não é algo dado ou naturalmente adquirido antecipadamente. Como qualquer outra família, temos também este desafio: encontrar o equilíbrio entre a missão, o casal, os nossos filhos, a vida familiar. Passamos por etapas. Há momentos em que tudo está indo muito bem e, de repente, estamos envolvidos na missão e temos muito o que fazer. Nesse ponto, sentamos e colocamos as coisas de volta nos trilhos. O segredo é, portanto, ter um olhar vigilante e atento às necessidades de todos, dos filhos e do casal, sabendo parar, voltar a falar e organizar o tempo. 

Como é o começo de um dia ideal para você?

Começo o dia com um rosário e uma missa. De manhã, rezamos todos juntos o rosário e na escola também temos missa, bem cedo. É um motor muito bom para começar o dia porque começamos com o essencial: Cristo, que vive em nós o dia inteiro. Começar o dia assim com meus filhos e meu marido me dá uma sensação muito forte de estar em comunhão com eles. 

Um pensamento que te ajuda quando você está de mau humor

A primeira coisa que me vem à mente quando estou de mau humor ou triste é a imagem da Virgem Maria. Eu simplesmente contemplo em meu coração e imediatamente sinto uma paz interior. Sinto que não estou sozinha como mulher e mãe. Observando-a nos momentos mais difíceis, encontro o que meu coração precisa. 

Romain et Rena de Chateauvieux
“Não trabalhamos por cifras nem por dinheiro, mas pelo Reino de Deus”, diz Rena.

Quais santos ajudam você em sua vida diária como mãe e esposa?

São muitos, mas a minha santa é Santa Teresinha do Menino Jesus. Ela me ajuda no meu dia a dia como mãe e esposa. Com ela descobri muitas coisas, sobretudo o segredo de fazer as pequenas coisas com muito amor e que tudo pode mudar. Quando faço as tarefas domésticas, cozinho, troco as fraldas… estas pequenas coisas do cotidiano que fazem parte da vida de uma mãe, sinto ela ao meu lado, me dizendo que com essas pequenas coisas feitas com amor podemos mudar tudo. 

Em sua opinião, quais são os benefícios da evangelização e da missão tanto para crianças quanto para adultos?

Estou na missão há mais de 17 anos e posso dizer que a missão traz muito para crianças e adultos. Para as crianças traz uma dimensão de abertura para os outros que produz muitos frutos em seus corações. Não fique fechado em si mesmo e viva em uma bolha, ouça os outros, especialmente aqueles que são diferentes. Moramos em um bairro pobre e nossos filhos percebem que as pessoas estão sofrendo e precisam de respostas para o seu sofrimento. É algo vivido no concreto e não através da tela. 

Para os nossos filhos, a missão é também saber que Deus está muito presente na nossa vida de uma forma simples. Faz parte da nossa vida missionária. Deus não é um conceito. 

Então a missão permite também viver a fé de maneira concreta. Nossa fé é aplicada em ações e não apenas em palavras. Acho que dá muito fruto no coração das crianças. Eles estão muito felizes em ver seus pais missionários. Eles contam a seus amigos sobre isso na escola. É a fé consistente com as obras. 

Para os adultos também há muitos benefícios, mas me lembro de três coisas em particular. Para nós, pessoalmente, é um privilégio viver em intimidade única com Cristo e sua Igreja. A missão permite ter intimidade com Cristo e sua Igreja. Sentimo-nos como os primeiros apóstolos, ainda que longe disso.

Também é um privilégio testemunhar os milagres que o Senhor está realizando na vida das pessoas hoje. Às vezes contamos histórias de milagres, lemos nos livros, mas o fato de sermos missionários nos permite realmente compreendê-los, testemunhá-los. Ver as pessoas encontrarem Cristo é um privilégio. Somos testemunhas oculares dessas conversões. 

Temos a sensação de trabalhar para o Céu. Não trabalhamos por cifras nem por dinheiro, mas pelo Reino de Deus. Assim, sabemos que vivemos no essencial, pelo menos é assim para nós. 

Sua missão a ajuda em seu papel de mãe e esposa?

Sim claro. Na Misericórdia, um dos aspectos do nosso carisma é contemplar Cristo presente na Eucaristia e contemplá-lo nos pobres a quem servimos. O fato de viver isso no dia a dia me ajuda a buscar o Cristo presente no meu marido e principalmente nos meus filhos. Apesar dos seus caprichos, suas dificuldades em obedecer, suas brigas etc., procuro sempre buscar o Cristo que está presente neles, e isso muda tudo! É realmente algo que recebi da missão. 

Como você se recarrega espiritualmente?

A oração é meu combustível diário, assim como a missa e a adoração. É um apoio particular, uma rocha para a nossa família. Se não tivéssemos isso, seria impossível viver o que vivemos hoje. A vida dos santos também me alimenta muito. Também recarrego minhas baterias nos retiros. Tento fazer um retiro individual pelo menos uma vez por semestre. É importante! 

Por fim, uma citação que te inspira?

“Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé”. Gostaria de chegar ao fim da minha vida sentindo que tudo o que passei foi a boa luta. Quer dizer que minha vida foi entregue até o fim pelo amor de Deus e pelo amor dos pobres e que cheguei lá no fim da minha vida com uma fé ardente, um amor ardente e uma confiança ilimitada em Jesus e em sua Misericórdia.

Tags:
evangelizacaoFamília
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia