Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 12 Abril |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

John Dunlap torna-se o 81º Grão-Mestre da Ordem de Malta

JOHN-DUNLAP-ORDRE-DE-MALTE.jpg

Ordre de Malte

Fra’ John T. Dunlap;

I. Media - publicado em 05/05/23

A Ordem foi fundada em 1099 durante as Cruzadas pelo primeiro Grão-Mestre, Irmão Gerard, como a Ordem de São João de Jerusalém

Fra’ John Dunlap foi eleito Grão-Mestre da Ordem de Malta, anunciou a organização em seu site em 3 de maio de 2023. O canadense de 66 anos, que foi tenente grão-mestre no ano passado, torna-se o primeiro grão-mestre não europeu da Ordem, cuja reforma da carta constitucional foi concluída em 2022.

No final do Conselho de Estado Soberano, John Dunlap se torna o 81º Grão-Mestre da Ordem, que foi fundada em 1099 durante as Cruzadas pelo primeiro Grão-Mestre, Irmão Gerard, como a Ordem de São João de Jerusalém. Agora funcionalmente soberana, mas constitucionalmente ligada à Santa Sé, a Ordem Soberana Militar e Hospitaleira de São João de Jerusalém, Rodes e Malta – seu nome completo – é uma importante instituição de caridade internacional.

O canadense, advogado por formação, é especialista em leis corporativas e de imigração e foi, por muitos anos, consultor jurídico da Santa Sé em sua missão permanente de observação nas Nações Unidas em Nova York.

Ele foi admitido na Ordem de Malta em 1996 e se tornou o primeiro membro da Ordem das Américas a emitir votos solenes em 2008. Desde 2009, ele é membro do Conselho Soberano da Ordem e ocupou o cargo de Presidente do Comitê para a Proteção de Nomes e Emblemas e Representante da Aliança das Ordens de São João.

Primeiro Grão-Mestre após a reforma da Ordem

Sua eleição põe fim a um período difícil para a governança da Ordem. Frei John Dunlap estava atuando como Grão-Mestre interino depois de ser nomeado Tenente pelo Papa em 13 de junho de 2022, após a morte repentina do Tenente anterior, Fra’ Marco Luzzago, em 7 de junho. Este último foi eleito após a morte do último Grão-Mestre, Fra’ Giacomo Dalla Torre del Tempio Sanguinetto, de câncer, em 29 de abril de 2020.

Fra’ John Dunlap é o primeiro grão-mestre desde que a reforma foi concluída e a nova constituição foi promulgada pelo Papa Francisco em 3 de setembro. A carta constitucional estabelece que, pela primeira vez em sua história, o grão-mestre não é mais eleito vitalício, mas, como outras ordens religiosas, por dez anos, renováveis uma vez. Ele também não poderá exceder o limite de idade de 85 anos.

Essa reforma foi iniciada em 2017 após uma grande crise na cúpula: o papa obteve a renúncia do grão-mestre na época, Fra’ Matthew Festing, bem como do chefe da Ordem, o cardeal americano Raymond Leo Burke, oficialmente ainda no cargo, mas destituído de toda autoridade na prática.

Para realizar sua reforma, o papa nomeou o bispo Angelo Becciu como seu representante na Ordem em fevereiro de 2017, mas seu envolvimento no caso financeiro do edifício de Londres levou o pontífice a fazê-lo renunciar ao cargo em 24 de setembro de 2020. Para substituí-lo, Francisco teve que recorrer a um experiente ex-diplomata da Santa Sé, o Cardeal Silvano Tomasi, nomeado em 1º de novembro do mesmo ano. Ele foi auxiliado por uma equipe de membros seniores da Ordem, incluindo o canadense John Dunlap.

Escolhido de uma terna

O Cardeal Tomasi abriu as reuniões no dia 2 de maio com uma missa celebrada na presença do capítulo de professos e de todo o Conselho, e depois participou dos dois dias de eleições. No mesmo dia, o capítulo dos membros professos da Ordem – os membros religiosos – se reuniu na Villa Magistrale, no Aventino, para uma votação que selecionou três nomes.

A partir dessa “terna”, o Conselho de Estado da Ordem, composto por 28 membros, selecionou o novo Grão-Mestre. De acordo com a especialista italiana em Vaticano Franca Giansoldati, do Messaggero, os três candidatos eram o canadense Fra’ John Dunlap, o inglês Fra’ Maxwell Rumney e o italiano Fra’ Sandro De Franciscis.

O papel do Grão-Mestre

De acordo com o artigo 12 da Constituição, o Grão-Mestre é o chefe da Ordem e tem direito a prerrogativas e honras soberanas, bem como ao título de “Eminente Alteza”. Residindo na Villa Magistrale, no Monte Aventino, em Roma, ele deve se dedicar inteiramente ao desenvolvimento das obras da Ordem e ser “um exemplo de verdadeira vida cristã”.

O Grão-Mestre, juntamente com o Soberano Conselho, também é responsável pela adoção de medidas legislativas não previstas na nova Carta Constitucional promulgada pelo Papa Francisco em setembro passado e adotada em janeiro pelo Soberano Conselho. O Grão-Mestre também pode promulgar atos de governo e ratificar acordos internacionais. Finalmente, ele administra os bens da Ordem por meio do Receptor do Tesouro Comum e convoca o Capítulo Professo e o Capítulo Geral.

Presente em 120 países, a Ordem ajuda pessoas necessitadas por meio de atividades médicas, sociais e humanitárias. Em seu site, a Ordem explica que é composta por mais de 13.500 cavaleiros, damas e capelães. Cerca de 80.000 voluntários permanentes trabalham ao lado deles, bem como 42.000 funcionários, em sua maioria pessoal médico.

Tags:
História da IgrejaIgreja
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia