Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 16 Abril |
Aleteia logo
Cultura & Viagem
separateurCreated with Sketch.

A rara oliveira branca usada para fazer óleos sacramentais na Itália há 300 anos

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
White olive Tree seeds

Public Domain

Sementes de oliveira branca

V. M. Traverso - publicado em 22/05/23

Ameaçada de extinção, a “oliveira de Madonna” agora é preservada nos Jardins do Vaticano

As oliveiras há muito tempo desempenham um papel importante no simbolismo cristão. Foi um ramo de oliveira que marcou o fim do dilúvio no episódio bíblico da arca de Noé. O fruto da oliveira também é um símbolo das bênçãos de Deus na vida dos que creem.

Mas, talvez, muitos de nós não saibam que, há séculos, uma rara oliveira branca, também conhecida como “oliveira de Madonna”, tem sido usada para fazer óleo sacramental no sul da Itália.

O subproduto de uma rara mutação genética, a oliveira Leucolea, como é cientificamente conhecida, atualmente só é encontrada em alguns locais no sul da Itália, na Grécia e em Malta. É quase impossível cultivar essa árvore comercialmente, o que quase a levou à extinção.

Na Itália, a maioria das oliveiras brancas é encontrada na região sul da Calábria, onde provavelmente chegaram há séculos, vindas da Grécia. Ali, os pesquisadores reuniram histórias orais sobre essas árvores antigas e descobriram que, durante séculos, o óleo proveniente das azeitonas brancas foi usado para produzir óleos sacramentais para batismos, bênçãos e crismas.

Por esse motivo, as oliveiras brancas eram frequentemente plantadas do lado de fora das igrejas e mosteiros da região. As árvores se destacavam pela cor branca de suas azeitonas e passaram a simbolizar a natureza milagrosa das intervenções de Nossa Senhora.

White Olive Tree
A oliveira branca está escapando da extinção graças à ajuda de agricultores e pesquisadores.

Raridade

Nas últimas décadas, com o abandono dos mosteiros em toda a Itália, as árvores se tornaram cada vez mais raras. Hoje, na região da Calábria, onde se encontra a maioria dessas árvores raras, os pesquisadores contaram apenas cerca de 50 oliveiras brancas. Algumas delas têm 300 anos de idade.

Mas o recente interesse por essas árvores está levando a um renascimento cultural. Em 2011, uma delegação de agricultores e pesquisadores da Calábria presenteou uma oliveira branca ao diretor dos Jardins do Vaticano para manter uma memória viva desse pilar da cultura católica.

Em 2021, uma oliveira branca foi plantada em frente à prefeitura da cidade de Reggio Calabria para convidar os cidadãos a promover a paz e a fraternidade.

Mais recentemente, em 2022, a arqueóloga Anna Maria Rotella ouviu falar da “oliveira da Madonna” enquanto realizava uma escavação na Calábria e começou a pesquisar essas plantas antigas. Ela agora se juntou a mosteiros e igrejas de toda a região para plantar oliveiras brancas em frente a 80 locais de culto, aumentando seu número total para 200.

Graças a esses esforços, as oliveiras brancas estão escapando lentamente da extinção. A esperança é que esse antigo pilar da cultura católica continue existindo no futuro.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos

Tags:
IgrejaSacramentosVaticano
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia