Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 23 Abril |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

O Dia dos Pobres não é para se livrar do “supérfluo”, adverte Papa

Pope-Audience-June-07-2023

Antoine Mekary | ALETEIA

#image_title

I. Media - publicado em 14/06/23

Para o Dia Mundial dos Pobres deste ano, o Papa Francisco dá uma sugestão concreta

O Papa Francisco está exortando as pessoas a não darem esmolas “apressadas”, mas a “entrarem em um relacionamento pessoal” com os mais marginalizados, em sua mensagem para o sétimo Dia Mundial dos Pobres, a ser celebrado no domingo, 19 de novembro de 2023. Nesse texto, publicado em 13 de junho para marcar a festa de Santo Antônio de Pádua, padroeiro dos pobres, o Papa expressa sua preocupação com os trabalhadores submetidos a condições indignas e com os jovens levados ao suicídio.

Sugestão concreta

Para o Dia Mundial dos Pobres, o pontífice sugere convidar os pobres “para compartilhar o almoço de domingo“. A ideia não é ser “super-homens”, mas “vizinhos”, que “escutam e falam”, explica, pedindo que não caiamos na “retórica” e não “deleguemos” dando dinheiro para que outros cuidem deles. “A partilha deve corresponder às necessidades concretas dos outros, e não a livrar-se do meu supérfluo”, insiste também o Papa.

Inspirado pelo tema do dia, “Não desvie o rosto de nenhum pobre” (Tb 4,7), Francisco meditou sobre o personagem de Tobias na Bíblia, que ficou cego após realizar um ato de caridade. Para o Papa, isso não é uma “ironia do destino”. Se Deus “não poupa de provações aqueles que trabalham para o bem”, não é “para nos humilhar”, argumenta o Bispo de Roma, mas para nos ensinar a reconhecer a pobreza ao nosso redor.

“Rio de pobreza

“Um rio de pobreza está correndo por nossas cidades, crescendo cada vez mais até transbordar”, diz o 266º Papa, que lamenta que “o volume do chamado ao bem-estar esteja aumentando o tempo todo, enquanto as vozes daqueles que vivem na pobreza estão sendo silenciadas”. “Deixamos de lado o que é desagradável e causa sofrimento, enquanto exaltamos as qualidades físicas como se fossem o principal objetivo a ser alcançado”, continua.

Nas redes sociais, continua o Papa, “os pobres se tornam imagens que podem nos comover por alguns momentos, mas quando os encontramos em carne e osso na rua, o constrangimento e a marginalização tomam conta”.

Ou comida ou remédio

O Papa Francisco pede “um compromisso político e legislativo sério e eficaz” para desenvolver a solidariedade. Ao mesmo tempo, ele adverte que as pessoas que vivem na pobreza não devem “permanecer passivas, esperando receber tudo de cima”, mas devem assumir responsabilidades.

Ao longo da mensagem, o Papa lista novas formas de pobreza, como as crianças em zonas de guerra, “privadas de um presente pacífico e de um futuro digno”, e a “especulação” que leva ao aumento dos custos. E ele está preocupado com o fato de as famílias carentes serem forçadas a “escolher entre comida […] e remédios”.

Desordem ética

O chefe da Igreja Católica também denunciou a “desordem ética” no mundo do trabalho, o “tratamento desumano de muitos trabalhadores” que não recebem um salário justo ou são vítimas de incidentes “por causa de uma mentalidade que prefere o lucro imediato à segurança”.

Por fim, ele expressou sua preocupação com “uma forma de mal-estar que está se tornando mais evidente a cada dia” entre os jovens. Ele lamenta uma cultura que os leva ao suicídio, fazendo com que se sintam “fracassados”. “Vamos ajudá-los a reagir a essas instigações prejudiciais, para que todos possam encontrar o caminho a seguir para adquirir uma identidade forte e generosa”, insiste o Papa.

O Dia Mundial dos Pobres foi introduzido no final do Jubileu da Misericórdia celebrado em 2016.

Tags:
CaridadeEconomiaPobrezaPolítica
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia