Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 16 Abril |
Aleteia logo
Cultura & Viagem
separateurCreated with Sketch.

Na Idade Média, os peregrinos também eram carteiros

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Peregrinos caminham rumo a igreja

MaxMaximovPhotography | Shutterstock

Three pilgrims walking to Santa Catalina de Somoza along the French Way of St. James

Daniel R. Esparza - publicado em 19/06/23

Quando as mensagens não eram urgentes, as pessoas pediam aos peregrinos que as levassem de uma cidade para outra

Como era a comunicação entre longas distâncias na Idade Média? Um artigo de Danièle Cybulskie no portal Medievalists.net procura explicar com detalhes essa realidade.

Para começar, a maioria das pessoas na Europa medieval era semi-analfabeta. Algumas até sabiam ler, mas não escrever, e a maioria não sabia nem ler, nem escrever. Isto significava que “escrever uma carta por conta própria era quase impossível”, explica Cybulskie, acrescentando: “mesmo que conseguissem, o destinatário da carta provavelmente não conseguiria lê-la sozinho”. As mensagens, portanto, costumavam ser transmitidas oralmente, ou seja, precisavam ser memorizadas pelo mensageiro. Isso implicava confiar a terceiros o que poderia ser um assunto privado.

No entanto, quando as mensagens eram escritas, continua Cybulskie, outras complicações surgiam no horizonte: “Se o remetente fosse analfabeto, não tinha como verificar se a palavra escrita realmente dizia o que deveria dizer; da mesma forma, se o destinatário fosse analfabeto e pedisse ajuda a alguém que soubesse ler, este poderia enganá-lo. Os analfabetos ficavam à mercê dos alfabetizados quando se tratava de comunicação escrita”.

Por tudo isso, a mensagem escrita exigia a contratação de serviços especializados – o que, muitas vezes, era bastante caro.

Depois de ser escrita, a mensagem era selada com cera, “usando um selo personalizado e associado ao remetente”. Embora a maioria dos selos fosse bastante humilde, “os selos reais e papais eram grandes e elaborados”, observa Cybulskie.

O maior problema, porém, era mesmo enviar a mensagem. Se a mensagem fosse urgente e houvesse recursos disponíveis, despachava-se um cavaleiro confiável e incansável, com cavalos novos – e esperando que o tempo cooperasse.

Mas quando as mensagens não eram urgentes, as pessoas pediam aos peregrinos que as levassem de uma cidade para outra – não apenas porque os peregrinos já estariam acostumados a percorrer longas rotas, mas também porque eram de fato confiáveis, uma vez que estavam comprometidos numa jornada religiosa.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos

Tags:
CulturaCuriosidadesHistória
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia