Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 14 Abril |
Aleteia logo
Espiritualidade
separateurCreated with Sketch.

3 lições sobre o amor que também acabam com a solidão

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
SACRED HEART

Renata Sedmakova | Shutterstock

Luisa Restrepo - publicado em 21/06/23

Estamos cada vez mais sozinhos porque estamos cada vez menos dispostos a aprender a amar

Estamos profundamente sozinhos e apenas aparentemente conectados uns aos outros.

Vivemos uma solidão que não é apenas uma questão de comunicação, mas sobretudo uma questão de amor. Sim, estamos cada vez mais sozinhos porque estamos cada vez menos dispostos a amar.

De fato, o amor é exigente, pede para nos preocuparmos, para sairmos de nós mesmos.

O amor nos pede para reconhecer que não estamos sozinhos, que também existem outros com necessidades e perguntas.

Não pode haver relacionamento ou amor verdadeiro quando meu interesse está sempre no centro e se torna o critério de todas as escolhas.

O amor é uma comunhão que nos expropria, porque nosso ego deve aprender a dar lugar a um outro.

Por isso, o Coração de Jesus nos interpela e nos diz como viver e amar. Veja abaixo:

1O amor é paciente

O amor foi derramado em nossos corações (Rm 5, 5), mas talvez não tenhamos notado ou preferimos silenciá-lo.

Isso acontece conosco porque o amor também tem a ver com a tribulação, com o sofrimento, com o cansaço e, precisamente, é nesse esforço que se produz a paciência (Rm 5, 3).

Sim, porque o amor não se vê nos grandes sacrifícios heroicos que a vida nem sempre nos permite fazer, mas na paciência do cotidiano, em suportar o peso do ordinário.

É essa paciência ordinária, esse amor cotidiano que nos faz crescer na virtude, nos torna santos e nos permite não perder a esperança, não perder o sentido da nossa existência.

Se formos amorosos, certamente a vida não nos parecerá inútil.

2O amor transborda

O Deus do amor não poderia ser uma pessoa isolada, não poderia ser o ato puro de Aristóteles, porque o amor só existe dentro de um relacionamento.

Deus Amor não poderia ser solidão, e Jesus, feito homem, deveria ser uma amostra desse amor vivo, que se transpassa e se expõe. Aquele amor abundante que se doa por nós.

Não poderíamos amar se esse Amor não habitasse em nós. Não o amor em geral, mas aquele que existe entre o Pai e o Filho, um amor concreto, feito de comunhão. Um amor em que não há competição, vingança ou inveja. Amor que é o Espírito que habita em nós, Amor que é o fogo do Sagrado Coração.

3O amor é bom

Podemos descobrir a bondade do Senhor quando olhamos para o seu coração exposto, que é bom, que está sempre pronto para a humildade e a misericórdia.

O amor do Coração de Jesus, como nos diz o Papa Francisco, “é um amor cuja ternura podemos experimentar e saborear” em todas as estações da vida: na alegria e na tristeza, na saúde e nas doenças e dificuldades. Uma certa promessa, feita pelo próprio Jesus, que nos diz:

“Vinde a mim todos vós que estais cansados e fatigados sob o peso dos vossos fardos, e eu vos darei descanso”.

Mt 11,28

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos

Tags:
AmorSagrado Coração de Jesussolidao
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia