Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 25 Abril |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

JMJ 2016 em Cracóvia marcada pelo choque do assassinato do padre Hamel

Father Jacques Hamel

AM113 | Shutterstock

Anna Kurian - publicado em 27/07/23

Há exatamente sete anos, a garganta do padre Jacques Hamel foi cortada enquanto ele celebrava a missa em Saint-Étienne-du-Rouvray, perto de Rouen. Ao mesmo tempo, cerca de 30.000 jovens franceses estavam participando da JMJ em Cracóvia

Os jovens franceses que participaram da Jornada Mundial da Juventude em Cracóvia (Polônia) em julho de 2016 se lembrarão dela, em parte, como uma Jornada Mundial da Juventude de luto. Na véspera do lançamento do grande evento, dois terroristas islâmicos cortaram a garganta do padre Jacques Hamel, de 86 anos, em sua igreja em Saint-Étienne-du-Rouvray, perto de Rouen. Consternado, o Papa Francisco se referiu a essa tragédia em várias ocasiões e permitiu que a causa de beatificação do padre mártir fosse aberta antes do previsto.

O padre idoso estava celebrando a missa na manhã de 26 de julho, quando dois terroristas fizeram reféns na igreja e cortaram sua garganta, causando um choque na França e em outros países. A notícia ofuscou a alegria dos jovens cristãos reunidos em Cracóvia para esperar o Papa.

De fato, o arcebispo Dominique Lebrun, de Rouen, que também estava na capital polonesa, deixou o país com urgência para apoiar a comunidade católica em Saint-Étienne-du-Rouvray. “Clamo a Deus, junto com todas as pessoas de boa vontade”, escreveu o prelado em um comunicado à imprensa.

Ataque

O ataque, que ocorreu doze dias após o atentado em Nice e afetou diretamente a Igreja Católica, teve um impacto muito além da França. Poucas horas após o assassinato, o Papa Francisco enviou suas condolências à diocese, dizendo que estava “particularmente chocado com esse ato de violência que ocorreu em uma igreja durante uma missa, uma ação litúrgica que implora a paz de Deus para o mundo”.

Em sua mensagem, o Papa Francisco assegurou a Dom Dominique Lebrun “sua proximidade espiritual” e se associou “por meio da oração ao sofrimento das famílias, bem como à dor da paróquia e da diocese de Rouen”. Durante esse dia sombrio, o chefe da Igreja Católica também recebeu uma ligação do presidente da República Francesa, François Hollande.

“O presidente francês quis entrar em contato comigo por telefone, como um irmão, agradeço a ele”, disse o pontífice no avião de Roma para Cracóvia, em 27 de julho de 2016.

Falando aos jornalistas, o Papa prestou homenagem ao falecido, dizendo: “Esse padre santo morreu em um momento em que estava oferecendo suas orações por toda a Igreja”. E lamentou: “Não tenhamos medo de dizer esta verdade: o mundo está em guerra porque perdeu a paz”. O pontífice argentino deixou claro, no entanto, que não estava falando de “uma guerra de religiões”, porque “todas as religiões querem a paz”.

Algumas semanas depois, em 2 de outubro de 2016, o arcebispo Lebrun anunciou que o Papa Francisco havia decidido dispensar o período de cinco anos normalmente exigido para a beatificação do padre Jacques Hamel. O arquivo para seu processo de beatificação foi entregue ao Dicastério para as Causas dos Santos em 10 de abril de 2019 pelo arcebispo de Rouen.

Tags:
JMJPadresTerrorismo
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia