Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 19 Abril |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

[Retrospectiva] A liturgia penitencial com jovens presos na JMJ do Panamá

KOLACJA PAPIEŻA FRANCISZKA Z MŁODYMI

Panama 2019/Flickr

Anna Kurian - publicado em 28/07/23

Para aqueles que pensar em desistir, o pontífice aconselhou: "Abra a janela e você encontrará [o horizonte], abra a janela do seu coração, abra a janela para o amor que é Jesus e você o encontrará"

A Jornada Mundial da Juventude no Panamá, que aconteceu de 22 a 27 de janeiro de 2019 na capital desse país da América Central, foi marcada por um momento especial: a liturgia penitencial, que tradicionalmente acontece na manhã de sexta-feira, foi realizada em uma prisão juvenil.

No dia 25 de janeiro, o pontífice argentino, que participava de sua terceira JMJ desde sua eleição em 2013, foi ao centro de detenção para menores Las Garzas, em Pacora, para passar este momento de confissão “com jovens privados de sua liberdade”, como indicado no programa do evento.

“Somos todos pecadores”, disse o sucessor de Pedro a dezenas de jovens prisioneiros reunidos em uma capela de paredes brancas. Mas, acrescentou o Papa, “todos nós temos um horizonte”. Para aqueles que pensar em desistir, o pontífice aconselhou: “Abra a janela e você encontrará [o horizonte], abra a janela do seu coração, abra a janela para o amor que é Jesus e você o encontrará”.

Rótulos

Em sua homilia, o Papa Francisco criticou uma sociedade que rotula as pessoas com “rótulos que congelam e estigmatizam não apenas o passado, mas também o presente e o futuro”. Os rótulos “apenas dividem” as pessoas em “boas” e “más”, advertiu ele.

Falando contra “uma atitude de marginalização e exclusão” e uma cultura que gosta de “qualificar as pessoas com um adjetivo”, o Papa assegurou aos jovens atrás das grades que “Deus não rejeita ninguém”. “Deus está dizendo a vocês: ‘Venham’. Deus está esperando por vocês”, insistiu.

“Procurem e ouçam as vozes que os encorajam a olhar para o futuro, não aquelas que os arrastam para baixo”, exortou o Papa, antes de concluir: “Cada um de nós é muito mais do que os rótulos que nos são colocados, […] muito mais do que a condenação que nos foi imposta”. Depois de sua homilia, o homem de branco confessou cinco jovens em uma tenda montada no terreno da prisão.

Desde sua ascensão ao trono de Pedro, o pontífice argentino sempre demonstrou uma preocupação especial com os prisioneiros. Ele celebrou a missa da Quinta-feira Santa – a Última Ceia – na prisão em várias ocasiões. E, defendendo a causa dos prisioneiros, ele pediu a revogação das sentenças de prisão perpétua, que, em sua opinião, não deixam espaço para a esperança.

Tags:
JMJJovensPapa FranciscoSociedade
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia