Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 22 Abril |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Surpresa e emoção: a importância da JMJ de Seul em 2027

JMJ de Séoul

Thomas COEX / AFP

Isabella H. de Carvalho - publicado em 06/08/23

O padre Fabiano Rebeggiani, sacerdote italiano da Arquidiocese de Seul, compartilhou com a Aleteia o impacto que ele acredita que a realização da JMJ terá na Igreja e na Coreia do Sul

Enquanto os peregrinos fazem as malas para deixar Lisboa, já podem começar a olhar para a próxima Jornada Mundial da Juventude, em 2027, em Seul, na Coreia do Sul, conforme anunciado pelo Papa Francisco em 6 de agosto.

O padre italiano Fabiano Rebeggiani está na Coreia do Sul há dez anos e foi ordenado em 2021 como sacerdote da Arquidiocese de Seul. Originário de Roma e integrante do Caminho Neocatecumenal, ele esteve em Lisboa acompanhando um grupo de 180 peregrinos de sua diocese. Cerca de 1200 coreanos vieram para a JMJ. Padre Rebeggiani compartilhou com a Aleteia o impacto que ele acha que a JMJ em Seul terá na população local e nos católicos de todo o mundo.

Por que Seul decidiu se candidatar para sediar a JMJ?

Acredito que o nosso arcebispo pediu que a JMJ fosse realizada em Seul porque ele sentiu a necessidade de renovar a Igreja. Após a pandemia, houve uma crise em termos de comparecimento às missas, especialmente por parte dos jovens. Ele acha que esse evento pode despertar a fé da Igreja na Coreia, especialmente a dos jovens. É evidente que os jovens que vieram aqui estão animados. Seul é uma cidade muito maior do que Lisboa e tem uma boa capacidade de acolhimento. Acho que é o lugar certo para fazer isso, e será uma boa experiência para aqueles que virão da Europa ou dos Estados Unidos, porque eles terão um gostinho da Ásia. Acho que é algo que ajudará tanto os fiéis que vêm do Ocidente quanto a própria Igreja coreana.

Acho que ter a JMJ em Seul será como um estouro, vai sacudir a sociedade coreana, que é muito organizada e precisa. Ver essa explosão de alegria, de entusiasmo, de fé, creio que ajudará muitos a conhecer Cristo.

Essa JMJ também poderia incorporar uma mensagem de paz e reconciliação entre os povos?

Sem dúvida. Neste momento, na Coreia, há um armistício, o conflito terminou em 1953 e não houve um tratado de paz. Para os peregrinos, ir e ver a zona desmilitarizada, a fronteira, os postos de controle, os mísseis apontados para o Norte, voltar a uma atmosfera de Guerra Fria, é uma experiência que ajudará a entender o sofrimento do povo coreano. Isso pode ajudar especialmente as pessoas a orar pela paz. A única possibilidade de alguém um dia proclamar o evangelho na Coreia do Norte não é apenas por meios políticos, mas principalmente por meio da oração constante. Assim como o Papa João Paulo II consagrou a Rússia a Nossa Senhora de Fátima, a intercessão da Virgem Maria também seria necessária na Coreia.

Qual é o papel da Igreja na Coreia do Sul?

Cerca de 10% da população coreana é católica, 20% é protestante, 20% é budista e 50% não têm religião. A Igreja Católica sempre foi muito bem vista na Coreia do Sul porque desempenhou um papel na democratização do país, pois também houve ditaduras militares. Graças também à mediação dos bispos coreanos e à ação política, a democracia chegou ao país. Portanto, a Igreja é bem vista por motivos políticos, mas também por motivos sociais. A sociedade coreana é cheia de competição. As crianças que começam na escola e depois no mundo do trabalho sofrem muito por causa disso. Elas ficam estressadas e há muitos suicídios e depressão. Muitas pessoas recorrem à Igreja Católica para encontrar um pouco de paz.

O que os sul-coreanos acham do Papa Francisco?

Quando o Papa Francisco veio à Coreia em 2014, ele era incrivelmente popular, especialmente entre os não católicos. Por exemplo, quando ele veio para a Coreia, não queria um carro de luxo, dirigiu pela cidade em um KIA, ou também dialogou com outras religiões e com as várias partes da sociedade. Ele simplesmente se mostrou humilde, como um papa que está entre as pessoas, não na hierarquia. Acho que isso tocou especialmente muitos não católicos e teve um efeito muito forte. De fato, houve muitas conversões após a visita do Papa em 2014.

JMJ imagens dos momentos finais

Tags:
JMJJovensPapa Francisco
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia