Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 21 Abril |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

JMJ: uma experiência consoladora para jovens católicos por vezes isolados

Pilgrims pray during the World Youth Days vigil with young people in Tejo Park, Lisbon

© João Lopes Cardoso | JMJ Lisboa 2023

Cyprien Viet - Isabella H. de Carvalho - publicado em 06/08/23

O último fim de semana da Jornada Mundial da Juventude foi o auge desse evento, que atraiu milhares de jovens de todo o mundo para Lisboa. Muitos deles compartilham o conforto que sentiram durante a JMJ e que reacendeu seu compromisso com a fé católica

“Reunir-se com jovens cristãos de todo o mundo é uma experiência realmente reconfortante, que nos dá uma esperança renovada. Você pode ver que a humanidade tem muitas melodias e cores diferentes, e isso é lindo demais!” O entusiasmo de Joséphine, 24 anos, da França, reflete o estado de espírito de muitos peregrinos no final de uma semana marcada por lágrimas, risos, alegria e vários encontros com outros jovens católicos, que às vezes se sentem solitários.

Toinon, 24 anos, de um vilarejo no norte da França, foi reenergizado por essa aventura. “Às vezes nos sentimos sozinhas em nosso interior, mas aqui percebemos que há muitas pessoas como nós, e isso é reconfortante! Estamos lá, oramos ao mesmo tempo, cantamos e, em meio a tudo isso, está Jesus!”, ela se maravilha.

Peregrinas JMJ Toinon Josephine
Toinon e Josephine

Federico, 32 anos, veio de Brescia, na Itália, com 400 jovens do movimento salesiano com idades entre 16 e 26 anos. Ele ficou particularmente emocionado com a Via Sacra de sexta-feira. “Foi muito bem organizada, o que nos permitiu vivenciá-la de uma forma muito profunda. Havia muitos jovens ao meu lado com lágrimas nos olhos. Foi realmente comovente e bonito”, explicou ele. Embora tenha reconhecido as inevitáveis tensões envolvidas na organização dos movimentos do grupo, ele também enfatizou a alegria de “ver os jovens voltarem para casa felizes e cantando todas as noites”.

De Hong Kong, Bosco, 18 anos, ficou particularmente emocionado com a missa de abertura. “Estávamos todos juntos celebrando uma missa, o que é realmente emocionante para mim, porque é difícil fazer isso em Hong Kong ou em outros países como o Reino Unido, pois não há muitos católicos”, explicou.

Peregrino a JMJ desde Hong Kong
Bosco, Hong Kong

Ingrid, da Guatemala, está participando de sua primeira JMJ. “Estou muito emocionada por estar aqui, porque não pude vir à JMJ no Panamá, que era mais perto do meu país. O que mais me tocou foi o fato de o Papa ter celebrado o sacramento da confissão com uma jovem do meu país: é uma bênção para toda a Guatemala!”

Um encontro “incrível” entre voluntários e idosos

Victoire, 22 anos, uma voluntária de Marselha, também ficou particularmente emocionada com a cerimônia de abertura: “Ver as 180 bandeiras me emocionou muito. Fiquei impressionada com a dimensão internacional”, ela compartilhou. Ela ficou feliz por ter compartilhado um quarto com meninas da América Latina, o que lhe permitiu ter “intercâmbios bonitos e concretos”.

Durante a semana de preparação dos voluntários, Victoire apreciou muito o dia missionário em que visitaram uma casa de repouso. “Foi incrível, nós nos divertimos muito! Os idosos ficaram felizes em ver os jovens. A comunicação foi difícil por causa da barreira do idioma, mas com toda a cantoria e os sorrisos, eles se divertiram muito!”, disse ela. Ela explicou que cada voluntário recebeu uma pulseira com o nome de um idoso pelo qual eles deveriam rezar durante a JMJ.

voluntaria JMJ Victorie
Victorie, Marsella

Com sentimentos mais contraditórios, Vianney, 18 anos, veio de Versalhes com os Escoteiros Europeus. Ele lamenta não ter se envolvido suficientemente no serviço ativo, devido a uma série de problemas organizacionais que às vezes levam ao excesso de voluntários em determinados eventos. Apesar disso, ele “gostou de conhecer estrangeiros, espanhóis, portugueses, panamenhos… foi ótimo!”.

“Deus nos ama com nossos defeitos”

Wayne, um canadense de 37 anos de origem haitiana, e Sarah, 25, de Quebec, vieram com cerca de 40 pessoas da Catedral de Montreal. “Eu já tinha ido a Colônia em 2005, quando tinha 18 anos!”, riu Wayne. “Aqui em Lisboa, eu estava mais bem preparado mentalmente, e fiz um círculo completo!” Ele ficou particularmente impressionado com “a Via Sacra, que era muito bonita visualmente, com os acrobatas” e, de modo geral, com “a fraternidade com jovens de outros países”.

Peregrinos Sarah y Wayne en la JMJ
Sarah e Wayne, do Canadá

Sarah compartilha que gostou muito das palavras do Papa na cerimônia de boas-vindas, quando “ele disse que Deus nos ama com nossas falhas, que Deus nos ama com nossas misérias e que a Igreja é para todos. Essa é a verdade! Deus nos ama exatamente como somos”. O jovem de 25 anos está estudando teologia no Seminário Maior de Montreal. “Eu estudo o que amo, porque amo a Virgem Maria e amo Cristo”, disse Sarah com uma simplicidade comovente.

Vinda do Canadá, onde a maioria da população não se identifica com a Igreja, Sarah refletiu os sentimentos de muitos outros jovens presentes em Lisboa. “É bom ver que há outros católicos e que não estamos sozinhos”, destaca.

Tags:
JMJJovensPapa Francisco
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia