Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 17 Abril |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Precisamos conversar sobre a saúde mental das mães

młoda matka siedzi przy łóżeczku swojego dziecka skrywając twarz w dłoniach i przeżywa depresję poporodową

Arsenii Palivoda | Shutterstock

Theresa Civantos Barber - publicado em 01/09/23

Parece estranho querer saber como está a saúde mental da mãe de um recém-nascido. Mas isso é extremamente importante

Quando você pensa em uma mãe que acabou de dar à luz, talvez imagine coisas doces como o aconchego do bebê ou roupas adoravelmente minúsculas dos recém-nascidos. Parece chocante pular imediatamente para a pergunta: “Como está a saúde mental da mamãe?”

Mas superar a sensação de constrangimento é extremamente importante na atual crise de saúde mental materna.

Uma em cada cinco mulheres nos EUA, por exemplo, sofre de problemas de saúde mental ligados à maternidade (por vários motivos, entre eles a falta de apoio no pós-parto ). Isso inclui ansiedade e depressão pós-parto.

No primeiro ano após o parto, o suicídio e o uso de substâncias são as principais causas de mortes maternas. O suicídio é responsável por 9% da taxa de mortalidade materna.

Tragicamente, 75% das mulheres afetadas não recebem tratamento, embora 100% dessas condições respondam a intervenções e tratamentos precoces.

Persiste o estigma em torno da saúde mental pós-parto. A narrativa de que as mulheres devem “se recuperar” dessa enorme mudança física e emocional pode causar culpa e vergonha nas novas mães.

A corajosa história de Rachel

Uma jovem mãe está em uma missão para aumentar a conscientização sobre a saúde mental materna e incentivar outras mulheres a procurar ajuda. Rachel sofreu de depressão pós-parto grave depois que seus gêmeos nasceram, em fevereiro de 2021, quando seu filho mais velho tinha apenas um ano de idade.

O cuidado de três crianças com menos de dois anos de idade veio depois de uma gravidez de alto risco. Ela se afogou no modo de sobrevivência e apresentou todos os sintomas da depressão pós-parto, incluindo automutilação e ideias suicidas. “A angústia e a desesperança que eu sentia eram imensuráveis”, disse ela.

Felizmente, Rachel procurou ajuda e começou o tratamento. “Com a ajuda de meus médicos e terapeutas, consegui iniciar o longo caminho da recuperação e encontrar meu caminho de volta para mim mesma”, disse ela.

Hoje, dois anos e meio após o nascimento dos gêmeos, ela está feliz, saudável e totalmente curada.

Agora, Rachel está determinada a aumentar a conscientização e ajudar outras mamães, a fom de que elas não tenham que sofrer sozinhas.

Em agosto de 2023, ela correu a Captain Bill Gallagher e arrecadou mais de US$ 20.000 para uma fundação de apoio às mães.

race-run-runner
Rachel durante a corrida; arrecadação foi revertida para instituição que atende novas mães.

Mensagem de Rachel para novas mamães

Não apenas as novas mães, mas também as suas famílias e entes queridos podem preparar-se, aprendendo sobre a saúde mental pós-parto e os seus sinais de alerta. Rachel pediu às mães recentes:

“Não espere para pedir ajuda. Fale sobre o que você está vivenciando com quem quiser ouvir. Há tantas mães que sofrem silenciosamente sem saber que o que estão sentindo outras pessoas também já sentiram. Se não fosse por algumas das mulheres da minha vida que levaram a sério o que eu lhes disse, realmente, acho que não ainda estaria aqui hoje.”

Ela também encorajou parceiros, familiares e amigos de novas mães a se conscientizarem dos sinais de alerta para transtornos de saúde mental materna:

“Não cabe apenas às novas mães ficarem atentas às questões pós-parto. Depende também dos seus parceiros. Meu marido fez o possível para me ajudar da melhor maneira que pôde, mas, como tantos parceiros, não foi devidamente educado sobre questões de saúde mental materna. Pode ser assustador e alarmante, por isso estar preparado para o que esperar e quais passos tomar pode ser muito útil.”

Superando o estigma para obter ajuda

Embora a conscientização sobre a saúde mental tenha aumentado nos últimos anos, muito menos atenção foi dada à saúde mental materna e aos transtornos de humor perinatais. “Devemos ter tudo resolvido com nossos filhos e ainda assim conseguir agir como nós mesmas, como se nada tivesse nos mudado física e hormonalmente, e provavelmente virado nosso mundo de cabeça para baixo”, disse Rachel. 

Quando ela começou a compartilhar publicamente sua história, muitas mulheres estenderam a mão para agradecê-la, até mesmo mulheres que ainda não tiveram filhos, mas que desejam ter um dia. “É útil saber que elas não estarão sozinhas no que muitas vezes pode ser uma experiência muito opressora e intimidante para as mulheres”, afirmou.

Conhece uma nova mãe? “Verifique seu pessoal”, disse Rachel. “Eu não posso te dizer quantas vezes as pessoas me disseram o quão ótimo eu estava indo e eu apenas sorri e balancei a cabeça porque queria mostrar que estava tudo sob controle”, esclareceu Rachel.

Então quando um amigo ou familiar for dar as boas-vindas a um recém-nascido, que sejam os primeiros a perguntar à mãe: “Como vai você? Você está bem?”

Cada uma de nós pode ajudar a construir uma cultura de vida abundante que apoie e valorize as mulheres que se tornam mães.

Tags:
BebêsDepressão
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia