Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 12 Abril |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Como eu aprendi que Jesus não é meu chefe

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
office employment stress work jobs

tsyhun | Shutterstock

Rev. Alex Wyvill - publicado em 05/09/23

Muitas vezes na vida, somos informados de que devemos “dar o melhor de nós” e reter nossas verdadeiras fraquezas, mas com Jesus é diferente

Na minha época de faculdade, atuei como consultor residencial. Depois de um ano, fui entrevistado para uma promoção , e meu supervisor se ofereceu para me ajudar a me preparar com uma “entrevista simulada”.

Ele fez as perguntas habituais: “Qual problema você enfrentou no ano passado e como o resolveu?” “Qual é o seu programa favorito?”. Finalmente, ele fez a pergunta difícil: “Qual é a sua maior fraqueza?”

Fiz uma pausa e engoli nervosamente.  Aí comecei: “Bem… Suponho que minha maior fraqueza é falar demais quando fico nervoso.”

Imediatamente, meu chefe atacou. “Não! Não me diga qual é a sua maior fraqueza! Em vez disso, dê o seu melhor. Conte-me algo bom sobre você, mas disfarçado de fraqueza. Você sabe, tipo ‘Às vezes, eu trabalho tanto que fico estressado!’ ou algo nesse sentido.”

Muitas vezes na vida, somos informados de que devemos “dar o nosso melhor” e reter as nossas verdadeiras fraquezas.

Isto é apropriado num ambiente profissional, afinal nossos colegas de trabalho não existem para serem nossos orientadores! Com os amigos, porém, não precisamos dar o nosso melhor; podemos ser vulneráveis, podemos “descontrair”, podemos desabafar sobre as nossas frustrações, medos e preocupações, porque confiamos que eles nos apoiarão incondicionalmente.

Quando Jesus nos chama de “amigos”, será que acreditamos nele? Ou tratamos Jesus sutilmente como nosso chefe, disfarçando nossas fraquezas e dando apenas o nosso “melhor passo”?

A oferta de amizade de Jesus significa exatamente o oposto: a Ele podemos expor o nosso pior. Podemos confiar que ele nos apoiará incondicionalmente. Não precisamos impressioná-lo, ganhar seu amor ou atenção, nem esconder nada dele.

Jesus não é nosso chefe, e nosso relacionamento com ele não é uma entrevista de emprego! Em vez disso, você e eu podemos abordá-lo a qualquer hora, em qualquer lugar, em qualquer estado. Confiaríamos que nossos amigos mais próximos fariam isso por nós, e Jesus está mais próximo de nós do que nosso amigo mais próximo.

Quando nos aproximamos de Jesus desta forma – com as mãos vazias e admitindo honestamente a nossa necessidade dele – permitimos que ele se torne a nossa força precisamente onde nos sentimos mais fracos. Este é o significado da injunção bíblica de “nos unirmos” a Jesus.

Assim como, no tempo de Jesus, uma carroça seria puxada por dois bois, “tomar o jugo de Jesus” significa que você e ele carregam o fardo juntos. Onde você sentir que não tem força para puxar a carga, ele a puxará com você e por você.

Então, da próxima vez que você se sentir oprimido, irritado ou com medo, encorajo-o a tratar Jesus como seu amigo mais próximo. Não há necessidade de disfarçar a bagunça e “dar o seu melhor”; em vez disso, “coloque o seu pior na frente” e confie que ele o apoiará incondicionalmente.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos

Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia