Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 20 Abril |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Neurociência confirma uma verdade que está no centro da nossa fé

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
cérebro

adike | Shutterstock

Cecilia Pigg - publicado em 06/09/23

Estudos científicos mostram como as interações e os relacionamentos humanos são essenciais para a nossa saúde e os sentimentos de realização

Até me casar, eu me considerava uma pessoa maravilhosa. Quando era solteira, era muito empática e gentil (e muito humilde, obviamente). Mas, lentamente, ao longo dos meus primeiros anos de casamento, comecei a ver o quão egocêntrica, impaciente e orgulhosa eu poderia realmente ser.

Quando eu conseguia amar outras pessoas em um momento e lugar convenientes para mim, e depois me retirar para meu próprio espaço e meus próprios interesses, eu parecia ser uma garota bastante generosa. É difícil perceber suas próprias falhas quando você não presta contas a outra pessoa. A maior parte do crescimento que experimentei na última década aconteceu no contexto do meu casamento e da minha criação.

Isso não deveria ser uma surpresa. Tudo na nossa fé aponta para o fato de que Deus nos criou para vivermos em comunidade. E acontece que a pesquisa em neurociência também tem acompanhado este fato 

Estou lendo o livro Wired to Connect, de Amy Banks, e tem sido fascinante aprender sobre estudos que mostram como as interações e relacionamentos humanos são essenciais para nossa saúde e sentimentos de realização.

Conexão

Na abertura do livro, Banks discute um estudo de 1998 que não se concentrou nas relações humanas, mas em uma determinada região do cérebro dos macacos. Quando um macaco estende a mão para agarrar alguma coisa, certos neurônios disparam nesta região do cérebro. Um dia, em um laboratório, um pesquisador pegou algo enquanto estava na frente de um macaco. O macaco estava imóvel, mas os mesmos neurônios dispararam em seu cérebro – e eles disparariam se o próprio macaco tivesse alcançado um objeto. Esse fato surpreendente levou o pesquisador e sua equipe a estudar o fenômeno do espelhamento.

Acontece que os seres humanos também possuem neurônios-espelho. A pesquisa mostrou o quanto estamos conectados, mesmo sem perceber.

Fomos criados para a conexão

Estamos inconscientemente imitando e captando tudo o que as pessoas ao nosso redor fazem o tempo todo. Durante algum tempo, esteve na moda acreditar que a saúde mental e a maturidade exigiam independência a todo custo (incluindo o corte de laços com os pais e a família ou a criação de limites fortes e inamovíveis). Mas o livro de Banks aponta para pesquisas mais atuais que revelam a nossa necessidade para a conexão, quer percebamos ou não. É assim que nossos cérebros estão programados; como fomos criados.

Este é um resumo muito geral de um assunto muito complexo, mas também tirei algumas conclusões pessoais do livro que gostaria de compartilhar.

Investir em relacionamentos

Embora os relacionamentos possam ser difíceis, investir mais nos meus relacionamentos diários me ajuda mais do que evitá-los. A beleza do meu casamento é que ele me impulsiona para um relacionamento que me ajuda a crescer com inúmeros desafios e oportunidades inerentes diários.

É claro que ainda existem muitas ocasiões em que prefiro evitar a interação em vez de fazer o trabalho de envolvimento – no meu casamento e com outras pessoas. A lição simplificada aqui é que a ciência acompanhou a forma como Deus nos criou. Nosso Criador nos fez amar outras pessoas; fomos feitos para a conexão.

Quando opto por não telefonar para um avô, quando evito fazer contato visual com o conhecido que vem andando em minha direção na rua ou quando decido que aquela pilha de louça suja é mais urgente do que ouvir as mais recentes percepções do meu marido sobre a política mundial, eu estou resistindo à necessidade de conexão que Deus me deu.

Em vez disso, quando paro e visito um vizinho por alguns minutos, quando preparo aquela xícara de café da tarde para meu ente querido ou quando paro e interajo com aquele morador de rua na esquina, estou fazendo aquilo para o qual eu fui criada.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos

Tags:
CiênciaRelacionamento
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia