Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 24 Abril |
Aleteia logo
Em foco
separateurCreated with Sketch.

O cristão deve ler livros de autoajuda?

Man reading book at home

VGstockstudio | Shutterstock

Fotografija je simbolična

Mónica Muñoz - publicado em 13/09/23

O ser humano é sociável por natureza e precisa fortalecer seus relacionamentos para ser feliz, mas será que um livro pode realmente ajudá-lo a conseguir isso?

Todos vivemos em ambientes que nos obrigam a interagir com pessoas de diferentes tipos, razão pela qual o nosso comportamento dependerá da situação, que não será a mesma em casa, no trabalho, na escola, com os vizinhos… Mas, sem dúvida, sem dúvida, em cada situação estaremos tecendo redes de comunicação que no final nos permitem sentir-nos satisfeitos, seguros e felizes.

Porém, às vezes acontece que, de acordo com suas experiências, cada pessoa pode se sentir confortável ou insegura, tímida e até com medo de socializar. Talvez porque tenha sofrido abusos, e isso gerou feridas emocionais que as impedem de desenvolver alguns aspectos pessoais ou profissionais.

A questão dos livros de autoestima e autoaperfeiçoamento

As experiências negativas machucam as pessoas, começando pelas palavras e continuando com a forma como são tratadas. Por isso, segundo o Dr. Ricardo Castañon, especialista em psicologia clínica, é muito importante que os pais se dirijam aos filhos de maneira adequada, sem fazer comparações ou insultá-los, pois tudo o que lhes for dito irá gerar vestígios em seu cérebro.

Essas feridas fazem com que as pessoas tenham uma percepção ruim de si mesmas, resultando em baixa autoestima e desejos não realizados de serem reconhecidas e de pertencerem a grupos que as façam se sentir aceitas.

É por essa razão que os livros de autoajuda se tornaram ainda mais populares após a pandemia, de acordo com blogs e sites de psicologia, onde os títulos são recomendados por atacado.

O cristão deve consumir essa literatura?

A Aleteia consultou a psicóloga social Sandra Martínez sobre essa questão. Com base em sua experiência, ela compartilhou conosco que os cristãos “podem ler esses livros” e acrescenta que “eles ajudam”. No entanto, ela faz uma observação: “é preciso ter cuidado com os autores, pois eles podem confundir quem os lê, porque há alguns que se concentram na Nova Era e entram em algumas correntes distantes do cristianismo, o que faz com que percam o sentido de ajudar a pessoa e podem gerar confusão”.

Além disso, como católica, ela acrescenta que um cristão que tem uma fé bem fundamentada deve entender que precisa primeiro amar a si mesmo porque, diz ela, “ninguém ama o que não conhece”. E, para concluir, a psicóloga recomenda que, se alguém quiser ler algum desses títulos, que o faça, tomando o cuidado de absorver o bom e descartar o resto.

Tags:
CristãosLiteratura
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia