Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 22 Abril |
Aleteia logo
Cultura & Viagem
separateurCreated with Sketch.

A lenda do mosteiro que guardava os restos mortais de São Pedro

sant-pere-de-rodes-2.jpeg

Shutterstock

Daniel R. Esparza - publicado em 19/09/23

Uma lenda local afirma que os restos mortais de São Pedro (e de outros santos) foram levados para o topo desta colina por monges beneditinos para salvá-los de invasores

O mosteiro de Sant Pere de Rodes (São Pedro de Rodes) é um antigo mosteiro beneditino na província de Girona, na Espanha. Erguido no topo da acidentada Serra de Rodes (daí o seu nome), o mosteiro é, literalmente, repleto de lendas.

Ele foi construído no século IX, logo abaixo do antigo Castelo de Sant Verdera. Naquela época, o castelo protegia o mosteiro. Hoje em dia, apenas se encontram ali, no cume da Serra, algumas das suas ruínas nobres. Há registos de outro mosteiro próximo, Santa Creu de Rodes, que ficava perto de uma vila medieval com o mesmo nome – da qual resta apenas a igreja de estilo pré-românico dedicada a Santa Helena.

Ou seja, apenas o mosteiro de São Pedro ainda está de pé, como se as suas paredes maciças ecoassem o ethos monástico beneditino de estabilidade.

sant-pere-de-rodes-1.jpeg
O mosteiro de Sant Pere de Rodes (São Pedro de Rodes) é um antigo mosteiro beneditino na província de Girona, na Espanha. 

Estrategicamente situado com vista para o Mar Mediterrâneo, o mosteiro não era apenas um retiro religioso, mas também uma fortaleza que protegia das ameaças implacáveis ​​da pirataria, invasão e pilhagem. Mas, no seu interior, um claustro sereno convidava à contemplação – aliás, ainda convida. A sua elegância despretensiosa, longe de ser comum, obriga imediatamente os visitantes a refletir, meditar e contemplar.

No entanto, o que realmente diferencia São Pedro de Rodes é a lenda que cerca a sua fundação. Embora as verdadeiras origens do mosteiro não sejam conhecidas (nem registadas), a tradição local afirma que os restos mortais de São Pedro (e de outros santos) foram trazidos para este topo de colina por monges beneditinos para salvá-los da pilhagem, pois hordas invasoras estavam ocupando territórios de propriedade do Império Romano Ocidental no início do século VII. Passado o perigo, o Papa Bonifácio IV (que também era beneditino) ordenou que construíssem um mosteiro. Eles apenas mantiveram o nome do santo cujos restos mortais eles (supostamente) guardavam.  

No entanto, nada disso está devidamente documentado. O primeiro registro escrito da existência do mosteiro data de 878, quando ele foi mencionado como uma simples cela monástica consagrada a São Pedro. Estes tipos de células cenobitas únicas não são incomuns nas colinas catalãs – na verdade, quando os monges beneditinos da grande abadia de Cluny chegaram à área, ermidas, capelas e mosteiros floresceram na região. Somente em 945 foi fundado um mosteiro beneditino completo, liderado por um abade. Atingiu o seu máximo esplendor entre os séculos XI e XII, até à sua decadência final no século XVII. A sua crescente importância reflete-se no seu status como ponto de peregrinação. Na verdade, já foi um dos principais centros religiosos da regiã , e as pessoas subiam as colinas íngremes para visitar o local que (novamente, supostamente) outrora protegeu os restos mortais do primeiro papa.

O mosteiro foi declarado monumento nacional em 1930. Em 1935 foram iniciadas as primeiras obras de restauro. Hoje em dia, os visitantes podem passar o dia em passeios contemplativos, circundando o claustro, como antigamente faziam os monges.

Tags:
Viagem
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia