Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 26 Fevereiro |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

“Transição de gênero”: protegendo as crianças

GIRL SEES BOY IN MIRROR

Katya Rekina | Shutterstock

Pauline Arrighi - publicado em 24/11/23

As transições de gênero, agora apresentadas como um direito protegido por lei em alguns países, estão colocando as crianças em risco. "Uma menina infeliz não pode ser transformada em um menino feliz - isso é uma mentira descarada", diz Pauline Arrighi, autora do livro "Ravages du genre"

Um pôster na rua mostra um garoto de cerca de 15 anos com traços desenhados, olheiras e cicatrizes nos braços e ombros: ele se feriu por muito tempo. Ele também tem longas cicatrizes em seu peito. Certamente uma campanha para melhorar a saúde mental dos adolescentes? Um alerta? Pelo contrário, esse jovem seria um modelo a ser seguido. “Meu gênero, meu orgulho”, diz o cartaz. O garoto é, na verdade, uma adolescente que teve seus seios retirados por ser “do gênero masculino”. A campanha foi vista em Amsterdã, mas o fenômeno está espalhado pelo mundo.

Assim como esse cartaz, essa nova ideologia é constantemente reproduzida diante de nossos olhos: a palavra “gênero” substitui “sexo”, concorda-se que podemos mudar nosso gênero, os formulários pedem que assinalemos “outro” como se não pudéssemos ser nem homem nem mulher, e vários programas de televisão e redes sociais exaltam os benefícios da transição de gênero, às vezes até mostrando crianças que “finalmente se tornaram quem são” graças a uma transição.

Uma maioria de menores de idade

É uma onda que pode ser cansativa, mas não podemos perder de vista o fato de que esse fenômeno representa um perigo real para crianças e jovens. Não podemos nos dar ao luxo de ignorá-lo. Antes de 2010, e por muitas décadas, apenas um número extremamente pequeno de pessoas se submetia à mudança de sexo. Desde então, o número de solicitações aumentou dez vezes na França, por exemplo. Essas solicitações eram feitas por homens adultos. Agora, a maioria é de meninas menores de idade. Essas meninas se recusam a ser meninas, a se tornar mulheres, se autodenominam “homens trans”, “não binários” ou “agênero”, adotam um primeiro nome masculino e, pior ainda, trocam dicas entre si sobre como tomar testosterona, retirar os seios ou até mesmo remover toda a genitália.

Assim que uma criança se autodeclara “transgênero”, temos de atender a todas as suas exigências, mesmo as mais perigosas para sua saúde

A mídia e até mesmo o discurso institucional são unânimes: a transição ajuda os jovens que a exigem, até mesmo os salva do suicídio, quando uma criança ou um adolescente pede para ser considerado como se fosse do sexo oposto (ou “gênero masculino ou feminino”, para usar o neologismo atual) – então não devemos hesitar nem por um momento, nem tentar entender as causas de sua rejeição de si mesmos. Isso é o que agora é exigido na França pela lei de 31 de janeiro de 2022. Assim que uma criança se proclama “transgênero”, temos de ceder a todas as suas exigências, mesmo as mais perigosas para sua saúde.

De acordo com essa lei, as práticas destinadas a constranger a identidade de gênero de uma pessoa vão desde a recusa de uma mãe em chamar sua filha de “Eliott” – uma recusa agora descrita como “violência transfóbica” – até a recusa de um psiquiatra em autorizar uma mastectomia em uma adolescente na primeira consulta. Dizem-nos que, finalmente, após séculos de silêncio, as crianças estão ousando se chamar de “trans”, que isso é um progresso e que elas devem ser incentivadas. Gostaríamos de acreditar nesses contos de fadas pós-modernos, mas eles são mentiras perigosas.

Uma menina infeliz não pode ser transformada em um menino feliz – isso é uma mentira descarada

Nenhuma criança ou adolescente pode se comprometer conscientemente com uma mudança de identidade e com tratamentos médicos com consequências irreversíveis. Nunca é uma boa ideia chamar uma menina por um nome masculino, ou vice-versa, e assim criar uma dissonância entre seu corpo e quem ela imagina ser, em uma idade em que as crianças estão construindo sua identidade, quando precisam aprender quem são, e que é graças à imutável binaridade dos sexos que elas vieram ao mundo. Também não é uma boa ideia responder à angústia de meninas ansiosas por se tornarem mulheres mutilando-as e tornando-as irremediavelmente inférteis. Uma menina infeliz não pode ser transformada em um menino feliz – isso é uma mentira descarada. Ela poderá ser transformada em uma garota mutilada e estéril, reforçando o sentimento de estranheza em relação ao seu corpo. Além disso, com esses tratamentos desnecessários, essa jovem estará correndo riscos de saúde dos quais não tem conhecimento.

As necessidades reais de cada idade

É verdade que muitos jovens não estão indo bem e que os tempos em que vivemos são difíceis para eles, especialmente para as mulheres. Mas eles não estão sofrendo por causa de um professor que reluta em considerar um adolescente como sendo do sexo oposto, ou por causa de uma operação que não foi suficientemente rápida. O que é difícil para os jovens enfrentarem é o isolamento – o número de solicitações de transição aumentou dez vezes durante ou logo após o confinamento, o que não é coincidência -, a banalização da pornografia cada vez mais violenta, que incentiva as pessoas a rejeitarem a sexualidade e, portanto, o corpo sexual, e os distúrbios psicológicos ignorados por um serviço público falho.

As crianças e os adolescentes têm as mesmas necessidades que em qualquer outra época: estar cercados por seus colegas, descobrir os aspectos magníficos e gratificantes do amor e da sexualidade e saber a verdade sobre si mesmos, seus corpos e o imenso potencial do futuro.

Tags:
EducaçãoFilhosIdeologia de GêneroSaúde
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia