Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 01 Março |
Aleteia logo
Espiritualidade
separateurCreated with Sketch.

3 maneiras simples de dizer: “obrigado, Maria”

fete-des-lumieres-immaculee-conception-lyon

Philippe Lissac / Godong

Fête des Lumières le 8 décembre 2011, à Lyon.

Mathilde de Robien - publicado em 08/12/23

A festividade da Imaculada Conceição da Virgem Maria lembra os católicos do destino único de Maria, cuja alma sem pecado e seu "sim" levaram ao nascimento de Jesus. Neste Advento de 2023, aqui estão várias maneiras de agradecer a Maria por sua total entrega à vontade de Deus

Seu “sim” tornou possível a vinda do Filho de Deus. Para recebê-lo, Maria não poderia ter nenhum traço de hesitação ou recusa em seu coração. Deus precisava do dom de seu amor para encontrar uma fé perfeitamente pura, uma alma sem pecado. Desde o dogma promulgado pelo Papa Pio IX em 8 de dezembro de 1854, Maria foi declarada preservada do pecado original desde o momento de seu nascimento. Desde o início, ela era imaculada, ou seja, pura de todo pecado, preservada da separação de Deus que marca o homem desde o início de sua existência. Dizer “Obrigado, Maria” em 8 de dezembro é agradecer por sua entrega, há 2.000 anos, à vontade de Deus, mas também por sua presença protetora, seus benefícios e as bênçãos que recebeu ao longo do ano.

1
Acenda uma vela em sua janela

A tradição de celebrar Maria com luzes remonta à Idade Média na França. No século XVII, o povo de Avignon colocou velas em suas janelas no dia 8 de dezembro e organizou uma procissão em homenagem a Maria. A Igreja há muito tempo considera o dia 8 de dezembro como a data em que a Virgem Maria foi concebida.

Lyon reviveu essa tradição em 8 de dezembro de 1852. Essa data corresponde à inauguração de uma estátua de Maria na torre do sino da capela da Virgem de Fourvière. Inicialmente marcada para 8 de setembro do mesmo ano, essa celebração foi adiada pela primeira vez por motivos climáticos. Em 8 de dezembro, quando as condições haviam levado a um segundo adiamento, o tempo ficou subitamente mais claro e o povo de Lyon decidiu espontaneamente iluminar suas casas e participar da procissão.

As pessoas se cumprimentavam sem se conhecer, cantavam hinos, aplaudiam e gritavam “Vive Marie!

“De repente, linhas de fogo apareceram em algumas janelas desconhecidas… A cidade foi engolfada pelas chamas em um instante. Logo não havia mais janelas escuras na vasta extensão de cais, ruas, passagens desconhecidas e pátios invisíveis (…) As pessoas se cumprimentavam sem se conhecer, cantavam hinos, aplaudiam e gritavam: “Viva Maria! Os estrangeiros não acreditavam em sua surpresa, e os habitantes locais, cheios de alegria com essa celebração improvisada, se perguntavam como, em um instante, uma população de 300.000 almas poderia ter sido tomada pelo mesmo pensamento”, conta um cronista da época. A partir de então, a tradição de colocar velas na janela se espalhou por toda a França. É uma maneira fácil de dizer “Obrigado, Maria” e testemunhar a presença dela em nossas vidas.

2
Participe de uma vigília

Mais uma vez este ano, a associação Marie de Nazareth e diversas paróquias estão incentivando a organização de vigílias de oração em homenagem à Virgem Maria. Verifique em sua paróquia ou junto à sua comunidade. É uma oportunidade de confiar suas intenções, sofrimentos, tristezas e alegrias a Nossa Senhora e pedir graças a ela. Em termos práticos, você também pode colocar intenções de oração aos pés de uma estátua da Virgem. Ela as levará a seu filho e intercederá por você.

Como uma mãe benevolente, a Virgem Maria está pronta para conceder graças àqueles que lhe pedem. Essa é a mensagem que ela transmitiu a Santa Catarina Labouré durante suas aparições na rue du Bac: “Esses raios são o símbolo das graças que concedo àqueles que me pedem”, ela confidenciou a Santa Catarina em 27 de novembro de 1830, apontando para os raios que saíam de suas mãos abertas. Em seguida, acrescentou: “Mande fazer uma medalha com esse modelo. Aqueles que a usarem com confiança receberão grandes graças”.

3
Recite a oração favorita da Virgem Maria

Um dia, Santa Matilda, que amava muito a Virgem, tentou escrever uma bela oração em sua homenagem. Maria apareceu a ela, trazendo em seu peito a saudação angelical escrita em letras douradas: “Ave, Maria, gratia plena”. E ela lhe disse: “Minha filha, nenhuma oração que você pudesse compor me daria tanta alegria quanto a Ave Maria”. Nossa Senhora acolhe cada Ave Maria que lhe oferecemos com a mesma alegria com que ouviu a saudação do anjo Gabriel no dia da Anunciação. São Bernardo e muitos outros santos enfatizaram que Maria nunca se recusou a ouvir as orações de seus filhos na Terra.

“Minha filha, nenhuma oração que você pudesse compor me daria tanta alegria quanto a Ave Maria”

“Uma Ave-Maria dita mesmo sem fervor sensível, mas com desejo genuíno em um momento de aridez, tem muito mais valor para mim do que um rosário inteiro recitado em meio a consolações”, diz-se que a Virgem confidenciou à Irmã Benigna Consolata Ferrero (1885-1916), uma freira da Visitação italiana cujo processo de beatificação foi aberto em 1923. Portanto, hoje é a oportunidade perfeita para rezar essa oração com confiança, uma oração que não apenas satisfaz a Virgem, mas também, como São Francisco, a pessoa que a recita com fervor. “Quando recito a Ave Maria, os céus sorriem, os anjos se alegram, o universo se alegra”, disse o santo de Assis.

Tags:
MariaNossa SenhoraOração
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia