Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 03 Março |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Onde guardar as cinzas dos entes queridos mortos?

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
vaso com cinzas e flores ao lado

VDB Photos | Shutterstock

Reportagem local - publicado em 13/12/23

As novas instruções do Dicastério para a Doutrina da Fé

O aumento da opção pela escolha da cremação deu espaço para uma dúvida: onde os fiéis católicos podem guardar as cinzas dos entes queridos mortos?

Essa mesma pergunta foi feita pelo arcebispo Matteo Zuppi, de Bolonha, Itália, ao Dicastério para a Doutrina da Fé. Na verdade, o cardeal Zuppi fez duas perguntas sobre o tema “cremação”. A primeira delas foi: “Levando em conta a proibição canônica de espalhar as cinzas de uma pessoa falecida – semelhante ao que acontece nos ossuários – é possível predispor um local sagrado definido e permanente para a acumulação e preservação comunitária das cinzas de pessoas batizadas falecidas, indicando para cada uma delas os dados pessoais?”. Já a segunda pergunta era: “Pode-se permitir que uma família guarde parte das cinzas de um familiar em um lugar significativo para a história do falecido?”

O prefeito do dicastério, Victor Fernandez, respondeu às duas questões. As respostas tiveram a aprovação do Papa Francisco em 9 de dezembro de 2023. O prefeito lembra que, de acordo com a Instrução Ad resurgendum cum Christo 2016 (nº 5), “as cinzas devem ser mantidas em um lugar sagrado (cemitério), e também em uma área especificamente dedicada a esse fim, desde que tenha sido designada para esse fim pela autoridade eclesiástica”. As razões para isso são a necessidade de “reduzir o risco de remover o falecido da memória e das orações dos parentes e da comunidade cristã” e evitar “o esquecimento e a falta de respeito”, bem como “práticas inconvenientes ou supersticiosas”, conforme publicou o Vatican News.

O dicastério também destaca que “as cinzas do falecido procedem de restos materiais que fizeram parte do percurso histórico vivido pela pessoa, a ponto de a Igreja ter um cuidado e uma devoção especiais pelas relíquias dos Santos. Esse cuidado e essa memória também nos levam a uma atitude de respeito sagrado” em relação às cinzas, que “guardamos em um lugar sagrado e adequado para a oração”.

Por isso, o dicastério afirma que “é possível predispor de um lugar sagrado, definido e permanente, para a acumulação e conservação comunitária das cinzas dos batizados falecidos, indicando para cada um os dados pessoais para não dispersar a memória nominal”.

Por fim, o dicastério ainda estabelece que, excluindo todo e “qualquer tipo de equívoco panteísta, naturalista ou niilista” e em conformidade com as normas civis, a autoridade eclesiástica “pode considerar e avaliar um pedido da família para preservar devidamente uma parte mínima das cinzas de seu parente em um local significativo” relacionado à história do falecido.

Com informações de Vatican News

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
DoutrinaIgrejaMorteReligião
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia