Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 26 Fevereiro |
Aleteia logo
Cultura & Viagem
separateurCreated with Sketch.

3 Mosteiros africanos notáveis que você precisa conhecer

SAINT ANTHONY MONASTERY

Loris Romito CC BY-SA 3.0

Daniel R. Esparza - publicado em 15/12/23

Pode-se dizer que o monasticismo cristão é uma invenção africana. Desde os primeiros séculos, o cristianismo encontrou terreno fértil na África, evoluindo por meio de interações com tradições já existentes

O termo “monastério” tem suas raízes na palavra grega monasterion, derivada de monos, que significa solitário ou sozinho. Em resumo, um mosteiro é uma habitação isolada ou solitária onde os membros de uma ordem religiosa compartilham um estilo de vida contemplativo. Na maioria das vezes, esse estilo de vida implica solidão, oração, trabalho e vida comunitária, aderindo a uma regra monástica prescrita.

Os mosteiros desempenham diversas funções como retiros para reflexão espiritual, centros de crescimento intelectual e centros de trabalho manual rigoroso. Eles incorporam valores fundamentais como pobreza, castidade, obediência e estabilidade. Nesses espaços sagrados, as comunidades monásticas participam de orações litúrgicas, incluindo o Ofício Divino, e oferecem hospitalidade aos buscadores em busca de orientação espiritual ou de uma fuga do ritmo frenético do mundo externo. Esses santuários servem como refúgios para monges, freiras e indivíduos leigos, permitindo que levem uma vida dedicada a servir a Deus e a outros seres humanos.

O cristianismo africano, uma tapeçaria vibrante tecida por meio de diversas culturas e histórias, reflete a resiliência espiritual e a riqueza cultural do continente – e uma intensa vida monástica. De fato, pode-se dizer que o monaquismo cristão é uma invenção africana. Desde os primeiros séculos, o cristianismo encontrou terreno fértil na África, evoluindo por meio de interações com tradições já existentes. Desde as antigas comunidades cristãs no Egito até a disseminação do catolicismo (e, mais tarde, diferentes formas de protestantismo), o cenário cristão da África é marcado por um caleidoscópio de denominações.

As igrejas, tanto as tradicionais quanto as modernas, tornaram-se centros de adoração, preservação e geração de conhecimento, envolvimento comunitário e mudança social. Como o cristianismo africano continua a florescer, ele serve como uma expressão dinâmica de fé, fundindo tradição e modernidade nesse continente vasto e espiritualmente significativo. Aqui estão três notáveis complexos monásticos na África.

Mosteiro de Santo Antônio (Ortodoxo Copta)

Aninhado no coração do deserto oriental do Egito, o Mosteiro de Santo Antônio é um farol (se não o farol) da espiritualidade copta. Fundado no século IV, é um dos mosteiros cristãos mais antigos do mundo. Dedicado a Santo Antônio, o pai do monaquismo (e estabelecido por seus primeiros seguidores), esse local sagrado suportou séculos de desafios, incluindo invasões e desastres naturais. O complexo do monastério possui cinco igrejas, eremitérios esculpidos nos penhascos e uma biblioteca que abriga manuscritos de valor inestimável – na verdade, é basicamente um vilarejo autossustentável. Peregrinos e estudiosos se reúnem em St. Anthony’s, pois o mosteiro serve como um centro onde os cristãos coptas podem organizar e participar de retiros espirituais, programas para jovens e conferências religiosas.

Mosteiro de Tibhirine (católico)

Billal Bensalem I NurFoto

ALGERIA MASS

Situado nas escarpadas montanhas do Atlas, na Argélia, o Monastério de Tibhirine ganhou atenção mundial com o aclamado filme Of Gods and Men. Fundado por monges trapistas na década de 1930, o mosteiro tornou-se um símbolo de harmonia inter-religiosa.

Tragicamente, ele também ficou conhecido pelo sequestro de sete monges durante a Guerra Civil da Argélia em 1996. Apesar desse capítulo sombrio (ou talvez até por causa dele), o mosteiro permanece como um testemunho do compromisso dos monges com a oração, a simplicidade e a coexistência pacífica – de fato, os monges trapistas de Tibhirine foram beatificados em 2018). Hoje, o mosteiro restaurado, entregue à Comunidade Chemin Neuf, continua a receber visitantes.

Mosteiro Debre Libanos (ortodoxo etíope)

Empoleirado nos penhascos com vista para o desfiladeiro do rio Jemma, na Etiópia, o Mosteiro Debre Libanos é uma joia da ortodoxia etíope Tewahedo. Fundado no século XIII, o mosteiro é dedicado a Abune Tekle Haymanot, um venerado santo etíope – aquele que fundou o mosteiro. O complexo inclui igrejas antigas adornadas com murais vibrantes, bem como um museu que abriga manuscritos religiosos de valor inestimável. A igreja sobre o túmulo de Tekle Haymanot, construída na década de 1960, foi encomendada pelo próprio imperador Haile Selassie, o último imperador cristão.

Tags:
CulturaHistória da IgrejaViagem
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia