Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 26 Fevereiro |
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

O gesto que transformou dois inimigos em irmãos

FRANZ STIGLER AND CHARLIE BROWN

Public Domain

Theresa Civantos Barber - publicado em 21/12/23

Os destinos de um piloto alemão e de um piloto americano entrelaçaram-se em dezembro de 1943. A vida de Charles Brown estava por um fio, mas o gesto de humanidade de Franz Stigler mudou tudo

Esta é a verdadeira história de Charles Brown e Franz Stigler, o primeiro piloto de bombardeiro americano e o último, piloto alemão durante a Segunda Guerra Mundial. 

Poucos dias antes do Natal de 1943, Charles Brown, um jovem de 21 anos, estava em sua primeira missão e nada saiu como planejado. Seu avião voava sobre a Alemanha e o fogo inimigo crivou seu bombardeiro e quase o destruiu. Metade de sua tripulação ficou gravemente ferida e o metralhador caiu morto no chão.

De repente, Charles Brown viu a única coisa que poderia piorar a situação: um caça alemão Messerchmitt a um metro da asa de seu avião. A situação parecia desesperadora e sem esperança: Brown pensou que era o fim.

Uma virada inesperada

A certa altura, os olhos dos dois pilotos se encontraram, então o piloto alemão acenou com a cabeça para Brown e, contra todas as probabilidades, começou a voar abaixo da aeronave americana para que os artilheiros antiaéreos alemães no solo não abatessem o lento e indefeso bombardeiro.

O piloto alemão escoltou o bombardeiro sobre o Mar do Norte, longe da fronteira alemã e fora de perigo. Ele deu uma última olhada no piloto americano e voltou para a Alemanha.

“Boa sorte, você está nas mãos de Deus”, disse Franz Stigler, o piloto alemão. Na verdade, esse homem vinha de uma família anti-nazista e havia estudado para ser padre antes da guerra. A princípio, ele se recusou a se alistar no exército e só o fez para treinar outros pilotos. Porém, após a morte de seu irmão August, também piloto, durante a guerra, Stigler finalmente concordou em ir para o front, motivado pela raiva e pela vingança.

Naquele dia, porém, algo mais profundo tomou conta dele. Ao ver os olhos aterrorizados do piloto americano e perceber que não conseguiria se defender, sabia que não derrubaria seu avião: “Para mim foi como se eles estivessem em um pára-quedas. Eu os vi e não consegui derrubá-los”, explicou. “Existem coisas piores que a morte, e uma delas é perder completamente a sua humanidade.”

Tocando no rosário que tinha no bolso, Stigler traçou outro plano, em detrimento dos seus próprios interesses. Ele não era um piloto de caça qualquer: ele era um piloto de elite e tudo o que precisava era de uma vitória que lhe valesse a Cruz de Cavaleiro, a mais alta condecoração alemã. Além disso, na Alemanha nazista, se alguém o denunciasse, ele seria executado. É por isso que ele não falou com ninguém sobre isso por muitos e muitos anos.

Em busca do piloto alemão

Após a guerra, os dois homens deixaram o exército, casaram e formaram suas famílias. Porém, esse episódio, ocorrido anos antes, ficou gravado em suas memórias. Charles Brown continuou a ter pesadelos com isso e, décadas depois, decidiu procurar o alemão que salvou a vida dele e a da sua tripulação.

Após extensa pesquisa em arquivos militares, Brown colocou um anúncio em um boletim informativo alemão para ex-pilotos, perguntando se alguém conhecia o piloto.

Em 18 de janeiro de 1990, Charles Brown finalmente recebeu uma carta:

“Caro Charles, durante todos esses anos estive me perguntando o que aconteceu com o B-17. Ele teria sobrevivido ou não?”

50 anos após o acontecimento que mudou suas vidas, Franz Stigler e Charles Brown se conheceram na Flórida.

De inimigos a irmãos

Os dois homens tornaram-se amigos muito próximos: visitavam-se frequentemente, viajavam juntos, iam pescar… As suas esposas também se tornaram amigas. Eles se visitavam regularmente e conversavam mais de uma vez por semana. Eles até contaram sua história em escolas e reuniões de veteranos.

Um dia, Charles Brown quis mostrar ao amigo a extensão de sua gratidão e organizou uma reunião com os ex-membros sobreviventes de sua tripulação e seus familiares, tendo Stigler como convidado de honra.

A profunda amizade deles durou 18 anos, até que morreram com alguns meses de diferença em 2008. A história deles foi amplamente divulgada nos Estados Unidos. Uma dedicatória de Franz Stigler em um livro sobre aviões de combate alemães foi encontrada na biblioteca de Charles Brown. Ele havia escrito:

“Em 1940, perdi meu único irmão combatendo à noite. No dia 20 de dezembro, quatro dias antes do Natal, tive a sorte de resgatar um B-17, um avião tão danificado que foi um milagre ainda estar voando.

O piloto, Charlie Brown, tornou-se tão valioso para mim quanto meu irmão.

Obrigado, Charlie

Seu irmão,

Franz.

A Segunda Guerra Mundial levou o irmão de Stigler, mas deu-lhe outro irmão, cinquenta anos depois, de uma forma que ninguém poderia imaginar.

Tags:
AmorGuerra
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia