Aleteia
Quinta-feira 22 Outubro |
São Moderano

Viúva, viúvo: como continuar a viver sem o outro?  

VEUF PLEURANT

© Shutterstock

Edifa - publicado em 11/10/19

Quando um ente querido nos deixa, uma grande e tristeza nos invade. E quando essa pessoa é nosso cônjuge, nosso mundo desaba. “Um único ser vivo não está mais lá e tudo se torna vazio". A vida parece inútil. Como viver o luto da partida da sua alma gêmea e ainda continuar a viver sem ela?   

Você não consegue viver o luto da pessoa que você perdeu? Isto não é incomum. Muitas vezes, levamos meses para perceber completamente que o outro não voltará mais. As semanas que se seguem são difíceis de viver, é um período em que a pessoa está rodeada de outros familiares e normalmente se recusa a admitir: “Não, ele(a) não me deixou…”. Mas chega o dia que é preciso enfrentar a cruel realidade: “Ele(a) não está mais entre nós e eu preciso assumir a solidão, sabendo que meus pais e meus amigos não se sentem mais obrigados a me apoiar”. Não é de admirar que, no momento que nos damos conta da irreversibilidade do drama, vivamos um sofrimento próximo ao desespero: “Não poderei me recuperar”.

O poder das lágrimas

Atreva-se a gritar! Para aqueles que são capazes de ouvi-lo, mas também para Deus. Faça como o salmista que não hesitou em gritar sua revolta ao Todo-Poderoso (Salmos 6, 13, 22…). É importante analisar e expressar emoções e sentimentos negativos sufocantes. Falar em alto e bom tom da sua angústia com o futuro, essa impressão de ter metade de si mesmo amputado, esse sentimento de abandono, a inevitável culpa diante do que não se fez e que – pensamos depois – deveríamos ter feito, esse terrível vazio da ausência, especialmente à noite. 

Dê a si mesmo o direito de chorar não apenas em solidão, mas também junto àqueles que entendem que as suas lágrimas são preciosas – “só é possível ver bem com olhos que choraram”. É então por fim possível iniciar esse processo indispensável de luto, porque o luto não é vivido para esquecer-se da pessoa amada, mas para mudar sua forma de apego para com o falecido.

Mas no fim, lá está a solidão. A falta da presença física é imensa. Até mesmo o carinho da família não preenche esse vazio. Mas é possível que pessoas estranhas que experimentaram um sofrimento semelhante possam trazer um certo conforto. Portanto, é bom que uma viúva ou viúvo não hesite em bater à porta de uma associação, pois isso pode ajudá-los. Muitos não querem aderir a essa ideia, pois temem entrar num “grupo de sofrimento’, ao mesmo tempo que têm dificuldade em aceitar o fato de terem se tornado viúvo(a). Por fim, se trancam nessa solidão que na realidade gostariam de fugir.

Um vazio fértil

Adicionado a isso é uma sensação de inutilidade. Contudo, essa viuvez pode se tornar um tempo de rara fertilidade. Primeiro, você pode começar a se lembrar daquilo que admirava no outro. As qualidades e talentos que ele possuía podem agora se tornar seus. Há uma herança espiritual que você é chamado a transmitir aos seus filhos, netos e àqueles que estão à sua volta. Algumas pessoas também continuam a atividade social ou de caridade do cônjuge falecido.

Existe ainda uma fecundidade que nasce da oração, em primeiro lugar ajudando seu marido ou esposa em sua caminhada em direção à Luz, e além disso, unindo a sua própria paixão ao sacrifício de Cristo durante a missa. Alguns fazem um caminho tão espiritual que finalmente passam a dedicar-se a Deus como um religioso ou junto a um movimento ou comunidade.

Somente a graça de Deus dá sentido a um grande amor que foi levado pela morte. E, neste caso, a paz pode retornar, a alegria também (e sem culpa!): afinal, não é esse o desejo daquele que já está na alegria da outra vida?

Padre Denis Sonet

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
CasamentoIdososMorte
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Char...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Ver mais