Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 25 Janeiro |
Conversão de São Paulo
home iconEstilo de vida
line break icon

Relacionamento: quando o mau humor mata o amor

ARGUE

LightField Studios | Shutterstock

Edifa - publicado em 14/10/19

Você costuma fazer cara feia para a sua alma gêmea? Você sabia que a longo prazo esse comportamento pode destruir o seu relacionamento, até mais rápido do que os problemas domésticos? Aqui vão alguns conselhos que o ajudarão a lidar com o mau humor do seu parceiro

Todo mundo, mesmo mesmo as pessoas mais “de bem com a vida”, é tentado uma vez ou outra a ficar de mau humor. O mau humor é um tipo de agressividade passiva e desejada. É um grave pecado contra a comunicação e contra o amor.

Se questione da forma certa

Primeiro, é importante tomar consciência do mau humor do seu parceiro. Às vezes é óbvio, às vezes é justificado e camuflado: “estou cansado”, “tenho muito trabalho”, “não tenho tempo para falar sobre esse assunto”. O mau humor é um fechar-se em si, contudo não devemos julga-lo. Em muitas pessoas, especialmente em um casal de noivos ele costuma ser uma proteção espontânea: não se abrir para não sofrer. Mas é preciso tomar consciência dele e colocar em prática todos os meios necessários para deixa-lo de lado.

Para isso, é bom fazer uma primeira pergunta, que diz respeito aquele que fica de mau humor: “O que fazer para me abrir e restaurar a comunicação perdida?”. As respostas podem ser variadas. Muitas vezes, os amantes se empobrecem face ao seu fechamento – eles sofrem e se sentem culpados, especialmente porque amam seu parceiro. Portanto, a experiência mostra uma atitude interna tripla que é muito útil: antes de tudo, é preciso colocar-se diante de Deus, aquele que é capaz de o fazer sair de si e de silenciar o seu processo de acusação – se o mau humorado está em silêncio no seu exterior, ele certamente fala muito por dentro. Depois, é preciso fazer um ato de abertura para com o outro. Isso demanda que nos recordemos que somos feitos para amar e não para nos proteger. Isso nos pede também humildade pois a reabertura demanda enfim, que renunciemos a nossa raiva e nossa atitude de “estar com a razão”.

Compreender, que ser compreendido

O mal-humorado é normalmente o rei da atuação. Para ele, restaurar a confiança é mais importante do que tentar esclarecer tudo. Isso não significa que o real problema será esquecido, mas é mais urgente restabelecer a comunicação e então, encontrar o momento e o tempo oportunos para uma conversa mais fluida sobre o assunto. Pode ser útil para o mal-humorado aplicar o quinto hábito mencionado pelo escritor americano Stephen Covey em seu livro Os Sete Hábitos das Famílias Plenas: “Procure primeiro compreender, depois ser compreendido”. Ou seja, compreender o outro sem julgar a maneira ele viveu a situação.

A segunda pergunta se relaciona diretamente à comunicação: “Quando você fica de mau humor, o que o outro pode fazer para ajudá-lo a sair do seu fechamento?” Aqui estão as respostas mais ouvidas: “Que ele (ela) aja com humor e dissipe as situações que eu costumo dramatizar”, “Que ele (ela) me deixe sozinho e volte para me ver em uma hora”, “que ele (ela) me abrace; caso contrário, eu me destruo pela falta de estima de mim e pela culpa”, “orar juntos” ou “me colocar diante de Deus”.

Conselho para as vítimas do mau humor

Não temos a chave para ajudar o outro, então o que podemos fazer é nos colocar humildemente ao seu lado. Como o escritor francês Tim Guénard disse uma vez: “É preciso estar constantemente ouvindo o estado do coração do outro, ousando perguntar ao outro como ele funciona”. Se eu não estou amando bem, se eu estou te incomodando, diga-me, para que eu possa mudar; se eu o amo como devo amar, diga-me também, para que eu possa continuar. Não hesite em dizer “eu te amo” em voz alta. E nos momentos onde não há crise ou mal humor, é importante então perguntar ao outro sobre como ele vê as coisas, como ele quer ser tratado e o que fazer para ele se reabrir.

Padre Pascal Ide

Tags:
AmorCasamentoFamíliaRelacionamento
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Aleteia Brasil
5 milagres que a ciência tentou, mas nunca conseguiu explicar
2
Larry Peterson
Ela se divorciou duas vezes, teve 8 filhos, virou freira e levou ...
3
FETUS
Francisco Vêneto
Abortos no mundo em 2021 já superam mortes por covid em toda a pa...
4
FAMILY PRAY
Philip Kosloski
Oração para manter as crianças longe do perigo
5
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fátima - e uma interpret...
6
Daniel Neves e Nossa Senhora dos Rins
Francisco Vêneto
Nossa Senhora dos Rins e a devoção de um menino que pede a graça ...
7
Aleteia Brasil
O testemunho de São Sebastião, o soldado mártir do Império Romano
Ver mais