Aleteia

A morte súbita de um ente querido: explicar o inexplicável às crianças

Child and Mother Upset
Shutterstock
Compartilhar

A morte súbita não deixa qualquer possibilidade de preparação. Ocorre sem aviso prévio e leva a mal-entendidos entre adultos e crianças. Como podemos lhes dar apoio em momentos de luto quando estão sendo torturados por muitas perguntas?

Há dramas que de repente transformam a vida de famílias inteiras: um pai que se mata num carro, um adolescente que cai nos montes, uma criança que se afoga no mar… E se o sofrimento sempre é insuportável, é ainda mais incompreensível quando cai de repente, sem aviso prévio.

Muitos “porquê” então surgem, especialmente na boca das crianças. E você se sente impotente para responder, em particular se você está em sofrimento ou em rebelião. Mas as crianças precisam de poder se questionar e nos interrogar, livremente, sem “tabus”… e só o poderão fazer se sentirem que estamos dispostos a acolher todas as suas perguntas.

Escutar a criança antes de responder às perguntas

Acolher as perguntas de uma criança não é, em primeiro lugar, responder a elas, mas, sobretudo, dar atenção. Isto é o que a criança precisa: que saibamos lhe escutar em profundidade, sem projetar nossas próprias perguntas sobre ela. No entanto, como sabemos, é muito difícil ouvir com atenção, especialmente quando você está sofrendo e está preso em sua dor ou ansiedade. Além disso, às vezes estamos tão preocupados em responder à criança que nos inquietamos mais com a resposta do que em ouvir realmente a pergunta.

Pois não só escutamos com os ouvidos, mas também com os olhos (a expressão da criança é tão eloqüente como as palavras que pronuncia, se não mais), com todo o nosso corpo (se fingimos escutar mas a nossa mente está noutro lugar, a criança o sente muito bem), com o nosso coração iluminado pela inteligência (a fim de discernir as perguntas não ditas que se escondem atrás daquelas que a criança expressa).

Não forneça uma resposta pré-fabricada.

Acolher as perguntas de uma criança não significa fornecer uma solução pré-fabricada, mas sim ajudar a criança a avançar para a “sua” resposta. Cuidado, a verdade não é relativa. Há uma Verdade e ela deve ser ensinada. Mas uma resposta que a criança não consegue assimilar não a ajudará. É como dar algo para comer que ela não consegue digerir.

Há tratados teológicos brilhantes sobre o Mistério da Redenção, mas, como sabeis, apesar de os ler aos vossos filhos, não responderiam às suas perguntas sobre o sofrimento. Ele precisa receber “sua” resposta, ou seja, aquela que corresponderá às suas profundas expectativas de acordo com sua idade, seu caráter, os acontecimentos que levantaram suas perguntas, etc.

Ajudar a criança a encontrar a “sua” resposta

Todas as perguntas da criança, por muito duras que sejam, merecem sempre ser respondidas com palavras reais. Às vezes, as crianças têm maneiras tão diretas de nos questionar, indo direto ao ponto, que podemos ser tentados a distorcer, a fingir não ouvir, a desviar a pergunta ou, pior ainda, a dizer mentiras que achamos credíveis. Mas só a verdade pode libertar. 

Ajudar a criança a encontrar a “sua” resposta é aceitar andar com ela, o que não é nada fácil. Dar uma resposta pré-feita não é muito exigente porque não o compromete. Mas procurar maneiras de responder à criança como ela é, requer ouvir atentamente, com amor e respeito. Isso nos conduz à compaixão, nos tornando vulneráveis ao seu sofrimento, preocupações e dúvidas. Às vezes não nos atrevemos a enfrentar as reações das crianças à infelicidade porque nos sentimos terrivelmente impotentes e vulneráveis: “Não posso falar sobre isso, caso contrário sei que vou começar a chorar e quero lhes dar a imagem de uma mãe forte”. Mas você pode ser forte e vulnerável ao mesmo tempo. É quando aceitamos nossa própria vulnerabilidade que o Senhor pode nos abastecer com Sua força.

Invocar a ajuda do Espírito Santo

O que nossos filhos mais precisam não é tanto de pais exemplares, mas de parentes próximos, “mansos e humildes de coração”. Porque todas as respostas às nossas perguntas sobre o escândalo do sofrimento e da morte só podem vir do Senhor. Só Ele pode nos dar a entender este mistério, só Ele pode nos dar a força para viver o intolerável, só Ele pode nos insuflar a alegria da Ressurreição no meio do tumulto. Por isso, ouvindo as perguntas dos nossos filhos, acolhendo os seus sofrimentos e revoltas, não podemos deixar de repetir incansavelmente: “Venha, Espírito Consolador!”.

Christine Ponsard

Boletim
Receba Aleteia todo dia