Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Os seus filhos rejeitam a Fé? Pense em Santa Mônica

Stubborn - Girl - Stop - Mother
© lightwavemedia
Compartilhar

Nem sempre é fácil ser pais e especialmente pais cristãos. Às vezes, ficamos tão desencorajados ao ver nossos filhos se distanciando da Fé que começamos a desistir. Como podemos evitar cair no desânimo, a arma formidável do diabo nestas circunstâncias?

A educação dos filhos sempre foi difícil, mas é sem dúvida particularmente difícil numa época em que os pais cristãos são muitas vezes obrigados a remar contra a corrente: muitos se sentem sozinhos e desamparados diante das numerosas influências sobre os filhos, longe da Fé que gostariam de lhes transmitir.

O que devo fazer em frente da Juliette, que grita sempre que se trata de ir à missa ou à capelania? Que palavras podemos encontrar para falar de Deus com o Batista que zomba de tudo o que lhe dizemos? Como podemos transmitir a nossa esperança a Pascal, que está preso nas suas dificuldades? Qual é o sentido da oração familiar quando se torna ocasião de disputas e tensões? Como não nos sentirmos culpados quando os nossos filhos parecem rejeitar tudo o que procuramos partilhar com eles?

Confiar em Deus

A primeira coisa a fazer – e a fazer uma e outra vez – antes de procurar soluções e respostas às nossas perguntas é dar tudo ao Senhor com confiança: as nossas dúvidas, as nossas perguntas dolorosas, as nossas revoltas, os nossos remorsos, as nossas insónias, as nossas lágrimas e as nossas frágeis esperanças. A Ele confiemos especialmente estas crianças que são suas antes de tudo. Ele os ama ainda mais do que nós. Ele sabe o que é melhor para eles. Ele está sempre pronto para o perdão e de qualquer mal, ele sabe como fazer o bem.

O Senhor não age como uma varinha mágica: Ele nos respeita muito para que isso aconteça. Mas para Aquele que grita a Ele, Ele responde sempre. Se temos a impressão de que Ele não está nos respondendo, é porque não estamos prontos para receber Sua resposta, porque somos muito apressados, impacientes, ou porque estamos procurando a resposta que acreditamos ser correta, a que corresponde a nossos pontos de vista, esquecendo que nossos projetos não são necessariamente os do Senhor.

Não sentir culpa

Não somos pais perfeitos e às vezes cometemos erros que podem ser sérios. Mas não vale a pena cultivar a culpa: é uma planta tóxica. A culpa é uma arma do diabo. O que vem de Deus é contrição, a dor de quem feriu o amor.

A contrição não consiste em ruminar o remorso, ela nos coloca no caminho do retorno ao Pai, como o filho pródigo. O sacramento da reconciliação é feito para isso, para que Deus nos dê o seu perdão, nos acolha na sua misericórdia, nos levante e nos cure. E quando Deus perdoou, acabou: voltar atrás no seu pecado para ruminar seria duvidar do amor de Deus.

Pedir ajuda à família e amigos

Deus nos deu irmãos, especialmente todos aqueles irmãos que são outros pais, que se confrontam como nós com as dificuldades da educação. Evidentemente, cada caso é único e não se trata de compararmos com os nossos vizinhos, o que poderia nos desencorajar ou incitar a fazer julgamentos precipitados. Certamente, cada um está sozinho diante do sofrimento e haverá sempre uma parte das nossas dificuldades que não poderemos exprimir. No entanto, na maioria das vezes, se ficamos sozinhos para enfrentar nossos problemas, é porque não temos a simplicidade de os contar. Estamos tão envergonhados por não corresponder à imagem da “boa família cristã” que não ousamos revelar nossas dificuldades.

Temos tanto medo de serem julgados, incompreendidos ou rejeitados que preferimos ficar sozinhos na nossa angústia. E no entanto, que preciosa ajuda podemos ser um para o outro! Como você sabe, muitas vezes é suficiente ser capaz de falar sobre um problema para obter uma imagem mais clara. E nos momentos de angústia, geralmente são pequenas coisas que ajudam você a se recuperar: um sorriso, uma chamada telefônica de uma amiga, um gesto de carinho, etc. Mais que nunca, permaneçamos juntos, permaneçamos próximos uns dos outros, abertos, disponíveis, capazes de escutar sem impaciência e acolhedores sem julgar. É difícil, mas com Deus, é possível.

Santa Mónica, a protectora de todos os pais desencorajados

“O filho de tantas lágrimas não pode perecer.” Estas foram as palavras que confortaram Santa Mônica quando ela rezava e chorava por seu filho Agostinho, que via cada dia mais e mais longe de Deus. Quando ele partiu para Itália, ela pensou que ele estava perdido. Mas era quando o Senhor o esperava. “O filho de tantas lágrimas” não se perdeu, passou a ser o grande Santo Agostinho. Será que Santa Mónica seria a protectora de todos os pais desencorajados? Pedimos a sua força para aguentar. Então os santos ressuscitarão.

Christine Ponsard

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.