Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 04 Agosto |
São João Maria Vianney
home iconEstilo de vida
line break icon

A importância de brincar com os filhos

ZABAWA Z RÓWIEŚNIKAMI

Shutterstock

Edifa - publicado em 04/12/19

Os nossos filhos precisam de nos ouvir dizer, não só: "Vai brincar!", mas também "Venham brincar!". . Passar tempo a brincar com os seus filhos é muito importante. Apesar das aparências, até é um dos pontos essenciais da educação

Para muitos adultos que estão convencidos da seriedade da vida, o jogo é muitas vezes sinónimo de distracção, diversão, futilidade ou infantilidade. Para outros, os jogos implicam automaticamente a ideia de prémios ou de uma corrida para o sucesso (jogos de TV, Lotto…). No entanto, o jogo não é nenhuma dessas coisas. Não é fútil nem útil. É ao mesmo tempo livre e sério. Brincar é inútil… mas é essencial.

Para uma criança, brincar é essencial

Ao brincar, a criança aprende e constrói. Ele precisa jogar, não apenas para estar ocupado ou entretido (até que ele tenha idade suficiente para finalmente se envolver em atividades mais importantes). Na realidade, é o adulto que joga por diversão e entretenimento, enquanto a criança joga porque é a sua forma de aprender, de se conhecer e de descobrir o mundo. O jogo toma toda a sua atenção e monopoliza toda a sua energia. Jogar muito, com total comprometimento, é um privilégio da primeira infância, mas pode durar muito além disso. E isso é louvável!

Saber brincar – realmente brincar – é um grande trunfo, não só para as crianças pequenas, mas também para os mais velhos… e para os pais. Porque não basta respeitar esta necessidade de brincar nas crianças, também é necessário brincar com elas.

Jogar para crescer melhor!

Muito mais importância é frequentemente atribuída – erradamente – ao trabalho escolar e à aprendizagem “útil” (fazer a cama, lavar a roupa, etc.) do que brincar, enquanto que tudo o que uma criança precisa de aprender pode muitas vezes ser aprendido através da brincadeira. Jogar é um estado de espírito. Brincar com seus filhos, permitir que eles cresçam através da brincadeira, é se recusar a buscar a eficiência acima de tudo. É permitir uma parte de gratuidade, de tempo (aparentemente) perdido na sua vida. Significa estabelecer uma cumplicidade com seus filhos pelo mero prazer de estar com eles.

Através do jogo, podemos ajudar uns aos outros a superar uma pequena ou grande falha: saber perder e vencer com a mesma simplicidade, estar atento, esperar pela sua vez, saber tomar o seu lugar numa equipa sem necessariamente ter o primeiro papel, aprender a partilhar a vitória com esta mesma equipa. E depois, enquanto brincamos, podemos descobrir que o pai pode fazer uma corrida a pé coxinho ou que a mãe não consegue se esconder quando joga às escondidas… Tudo isso não são apenas memórias incomparáveis, mas também, e sobretudo, oportunidades para crescer e progredir.

O que isso tem a ver com a educação para a fé?

Os pais que tomam tempo para rezar com os filhos, para os fazer descobrir a Palavra de Deus, para lhes permitir viver os sacramentos da Igreja e receber sólidos ensinamentos catequéticos, e que pensam que é opcional brincar com eles, não compreendem plenamente a sua missão de educadores cristãos. É verdade que a Fé não é um jogo, mas não é alheia a ela.

Primeiro, a Fé, tal como o jogo, é “inútil” em termos de rentabilidade e eficiência. Em segundo lugar, porque exige que estejamos totalmente empenhados no seu cumprimento. Finalmente, porque, para fazer santos, Deus precisa de seres saudáveis. Claro que nada é impossível para o seu Amor e os seres profundamente feridos, perturbados e desequilibrados podem viver uma autêntica santidade. Mas nosso dever como pais é ajudar nossos filhos a se construírem de maneira harmoniosa para que a graça neles floresça plenamente.

Aproveitemos, portanto, o tempo para brincar com os nossos filhos, convencidos de que o que importa não é tanto o conteúdo do jogo (os chamados jogos “educativos” não são necessariamente os mais formativos, mesmo quando têm temas religiosos), mas a forma como jogamos.

Christine Ponsard

Tags:
EducaçãoEducação dos FilhosFilhos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
Gritos levam polícia à casa de dois idosos, que choravam copiosam...
2
Sintomas da depressão
Reportagem local
8 sintomas físicos da depressão: fique atento a si mesmo e ao seu...
3
Philip Kosloski
Mesmo com ouro e glória, Michael Phelps foi ao fundo do poço – ma...
4
Pe. Edward Looney
Padre revela: por que sempre levo água benta comigo ao viajar
5
MAN
Reportagem local
Oração da noite para serenar o espírito e pacificar a ansiedade
6
sacerdotes
Reportagem local
Suicídio de sacerdotes: desabafo de padre brasileiro comove as re...
7
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
Ver mais