Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 01 Março |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Como podemos fazer com que os nossos filhos confiem em nós?

Mother, Child, Girl, Secret, Problem, Confidence

© fizkes

Edifa - publicado em 10/12/19

Os nossos filhos raramente nos contam as suas preocupações, perguntas ou esperanças. Eles falam de banalidades na nossa companhia, tendo o cuidado de esconder o que realmente importa para eles. Provavelmente não basta convidar os nossos filhos a falar para que ele o faça. Não pode ser decretado, mas pode ser aprendido com o tempo

Porque queremos que os nossos filhos confiem em nós? Para os ajudar, claro! Aconselhar, consolar, sentir as suas alegrias e tristezas. Mas será que não há também motivações menos claras e, francamente, menos gloriosas, como curiosidade ou possessividade? Estas são verdadeiras tentações: devemos estar conscientes delas e permanecer vigilantes.

Nossos filhos, mesmo os pequenos, não precisam nos contar tudo e isso se torna cada vez mais verdadeiro à medida que eles crescem. Se queremos que eles confiem em nós, devem ter a certeza de que preservaremos o seu jardim secreto. Mesmo quando eles abrem a porta para este jardim, seria um abuso de poder da nossa parte tentar penetrar ainda mais nele.

Confidências não são combinadas

Você tem que passar muito tempo com seus filhos para estar lá quando chegar a hora certa. Mas como manejar falar de problemas pessoais quando há sempre um irmão mais novo perto? Promover a privacidade é essencial! Em algumas famílias, os pais costumam levar uma das crianças de lado para passar um momento com ela (um restaurante, no cinema, às compras…). Estas oportunidades insubstituíveis para falar e para confidências não podem ser criadas no entorno familiar.

O que também atrai confidências é um coração que escuta. Mas escutar não basta, épreciso também saber guardar o que lhe foi confiado. Uma confidência é uma confidência, mesmo quando não está expressamente protegida pelo selo do segredo, mesmo quando vem de uma criança de três ou quatro anos de idade. Uma excepção pode ser feita se partilharmos entre os cônjuges o que as crianças nos disseram, a menos que as próprias crianças peçam que os seus comentários não sejam comunicados a um dos pais.

“Aos pais, não lhes podemos dizer nada, eles ficam furiosos imediatamente!”

Com razão ou erroneamente, alguns jovens sentem que estão sendo julgados antes de serem ouvidos. Sandra gostaria de ir de férias com os amigos, mas os pais acham que ela émuito nova: “Não é preciso falar sobre isso, não é não!”. . A sua decisão é definitiva e ditada por excelentes razões. É pena que não tenham aproveitado para falarem com ela.

Ela cresceu, mudou e parece que os pais dela não reparam. Para além do seu projecto de férias, ela precisava acima de tudo de ser ouvida. Aproveitemos para ouvir os nossos filhos antes de os admoestar. Muitas coisas bonitas podem fluir de uma discussão sincera.

Christine Ponsard

Tags:
EducaçãoFamíliaFilhos
Top 10
Ver mais