Aleteia
Sexta-feira 23 Outubro |
São Paulo Tong Viet Buong

Será que as crianças devem pensar que o Pai Natal existe?

Skeeze - PD

Edifa - publicado em 13/12/19

Todos os anos, à medida que o Natal se aproxima, o Pai Natal é omnipresente: em supermercados, em embalagens de chocolate, em livros e desenhos animados. Mas devemos deixar os nossos filhos acreditarem na sua existência?

O Natal, como sabemos, não é o Pai Natal. E este personagem bastante amigável se torna pesado e assustador quando ele esconde a realidade do mistério do Natal. Os pais cristãos, portanto, têm muitas perguntas sobre o Santa Claus: que lugar ele deve ter na família?

Você nunca deve mentir para uma criança

Há uma grande diferença entre o deixar acreditar em uma lenda e ficar preso em mentiras quando a criança começa a suspeitar. Ou seja, uma criança pode contar a si mesma histórias – sobre o Santa Claus ou qualquer outra coisa (um amigo imaginário, por exemplo) – e gosta de conversar sobre elas com os pais como se fossem verdadeiras, mesmo sabendo no fundo que é um jogo. Mas quando ele faz uma pergunta direta porque quer saber a verdade, ele merece saber. Caso contrário, no dia em que o descobrir, compreenderá ao mesmo tempo que os seus pais lhe mentiram e que não pode confiar neles.

No que se refere ao Natal, se tentarmos provar a existência do Pai Natal fazendo mil mentiras, no dia em que a criança compreender a verdade, corre o risco de rejeitar, ao mesmo tempo que o Pai Natal, tudo o resto: o Filho da manjedoura e a Boa Nova que Ele nos vem trazer. Se falamos de Pai Natal e de Jesus com o mesmo poder persuasivo, por que a criança, não acreditando mais em um, continua acreditando no outro?

Nunca se esqueça do verdadeiro significado do Natal

Alexas_Fotos - Pixabay

Por muito simpático e divertido que o Pai Natal seja, ele nunca deve esconder ou diminuir a verdade do Natal. Por isso, é essencial reorientar sempre as crianças para a infantário: éno Natal que isso acontece. Tudo o que experimentamos no Natal, incluindo presentes, sófaz sentido através da manjedoura. É porque Deus se fez homem que somos felizes, éporque Ele veio para nos chamar ao amor que trocamos dons, sinais deste amor partilhado. Temos de o dizer às crianças vezes sem conta.

Devem ser capazes de o viver muito concretamente, preparando presentes, visitando uma pessoa isolada para partilhar com ela a alegria do Natal, enviando cartões de Natal para levar o calor do seu afecto a quem está longe, escolhendo alguns dos seus brinquedos para dar às crianças necessitadas, e preparando espiritualmente – pela oração, pelo espírito de pobreza e partilha – para acolher Jesus.

Devemos deixar os nossos filhos acreditarem no Pai Natal? 

“Retirar o Pai Natal? Nem pensar! Seria remover uma parte essencial do sonho de nossos filhos”, objetam alguns pais. Outros acrescentam: “Não fazer com que eles acreditem no Pai Natal seria marginalizar os jovens porque eles ouvem falar disso em todos os lugares, especialmente na escola.” Este último argumento é mais do que questionável: leva o problema ao contrário.Seria uma loucura, na verdade, se fosse a lenda a ter precedência sobre a realidade, sob o pretexto de que a maioria adere a um e não ao outro. Depende de nós, cristãos, dar a volta às coisas para que em todos os lugares a manjedoura esteja no centro da celebração do Natal. Se alguém é cristão ou não, não se pode negar o fato histórico do nascimento de Jesus ou o significado primário do Natal.

Quanto ao argumento de que a partilha do sonho é tão importante para as crianças, éverdade que muitas crianças, cujos pais sempre negaram a existência do Pai Natal, brincam a acreditar nele e falam dele “como se” fosse verdade. Podemos muito bem jogar seu jogo, com a única condição de que nunca falemos sobre Santa Claus e Jesus da mesma maneira. Porque o Evangelho não é um jogo, não é “como se”. A verdadeira história do amor de Deus por nós não é infinitamente mais bela do que todas as lendas?

Christine Ponsard

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Educação dos FilhosFilhosNatal
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Extremistas queimam igrejas no Chile
Francisco Vêneto
Por que queimam igrejas: Dom Henrique e Pe. J...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais