Aleteia
Sábado 24 Outubro |
São Maglório

Esta forma de viver o Natal vai fazer com que fique muito feliz

ŚWIĘTA

Yuganov Konstantin | Shutterstock

Edifa - publicado em 17/12/19

Os primeiros a contemplar o Menino Jesus foram simples pastores. Como eles, somos todos convidados a ir à manjedoura com as mãos vazias, todos pobres. Mas como é que o fazemos?

Todo o evangelho de Natal nos fala da pobreza. Pobreza de José e de Maria, humildes servos de um imenso mistério e que, longe de casa, nem sequer têm um tecto sobre a cabeça para o menino nascer. A pobreza dos pastores, assaltados pelo medo quando a glória do Senhor se manifesta por eles e que, ao contrário dos Magos, não têm nenhum tesouro para dar a Jesus. Pobreza do próprio Deus, cuja divindade está escondida na nossa humanidade e cuja onipotência se faz totalmente dependente; Deus que é o rei dos reis e que, no entanto, desde o nascimento, conhece a precariedade e, logo, a perseguição e o exílio; Deus que não obriga ninguém a recebê-Lo, nem nas hospedarias de Belém há dois mil anos, nem no nosso coração hoje.

Quando os presentes escondem o Natal

Vamos celebrar o Natal: mas de que forma? Pobremente? Mesmo que não sejamos ricos, nossas casas não se parecem com o presépio e para a maioria de nós, nesta noite de Natal, a mesa e os sapatos estarão bem cheios.

“Todos os anos”, diz Jean, pai de quatro filhos, “pergunto-me onde está o Natal em tudo isto. Finalmente, a refeição e a abertura dos presentes consome mais tempo e energia do que a Missa. É o mundo de cabeça para baixo.” A opinião de Marion é a mesma: “O dia de Natal, que deveria ser cheio de alegria e de paz, é muitas vezes marcado pelo aborrecimento dos mais jovens, pelo tédio dos mais velhos, tudo num contexto de mau humor devido à falta de sono”.

Sim, onde está o Natal em tudo isto? Às vezes começamos a sonhar com um Natal simples, despojado e pacífico, sem tensões familiares, sem preocupações materiais, onde sabemos transmitir aos nossos filhos o gosto de Deus e não o dos bens terrenos, onde podemos aproveitar para acolher a boa nova da Natividade e anunciá-la ao nosso redor como os pastores de Belém.

Que pobreza escolher?

Mas, na prática, as coisas não são assim tão simples. Mesmo que seja bom se questionar, para não se deixar aprisionar em pseudo-tradições que às vezes correm o risco de nos afastar do mistério do presépio, é necessário também ter em conta a realidade como ela é: certos costumes familiares são queridos por quem amamos, e não é necessariamente possível ou desejável eliminar. O Natal é muitas vezes uma oportunidade de se reunir em torno dos avós, para redescobrir rituais repletos de memórias, que algumas pessoas esperam de um ano para o outro. Seria paradoxal se, sob o pretexto de preservar o sentido do Natal, magoássemos o nosso cônjuge, os nossos pais, os nossos familiares.

Talvez possamos decidir simplificar algumas coisas, organizar a tradicional reunião familiar ou a refeição depois da missa de uma maneira diferente. Mas, para além do facto de que estaríamos errados se desprezássemos a dimensão carnal do Natal, não conseguiremos mudar os hábitos e costumes familiares de um dia para o outro. A menos que entristeçamos nossa sogra ou decepcionemos nossos filhos, teremos que ter em conta as necessidades, desejos e hábitos de cada um deles durante muito tempo. Bem-aventurados sejamos! Se estes constrangimentos nos incomodam, não esqueçamos que muitas pessoas isoladas gostariam de ter de fazer tais concessões, em vez de passar o Natal sozinhas com o seu ecrã. E, acima de tudo, exultemos de alegria por termos de desistir dos nossos sonhos ideais de Natal!

A verdadeira pobreza consiste em um desapego interior

De fato, esta pode ser a pobreza em que temos de viver: consiste menos num despojamento externo do que num despojamento interno. A verdadeira pobreza não é o resultado de uma escolha, mas de um consentimento. Celebrar o Natal pobremente é acolher o que nos é dado viver, e ceder com alegria às exigências familiares, aceitando sem amargura as dificuldades, imperfeições e fardos que fazem com que a celebração do Natal não corresponda realmente ao que se poderia esperar dele.

Provavelmente, não podemos decidir plenamente o contexto em que vamos celebrar o Natal, mas somos livres de escolher como o vamos receber. Livres de nos deixarmos despojar da nossa própria vontade, de procurar a nossa alegria na alegria dos outros e de nos maravilharmos com o que é em vez de sonhar com o que não é?

Christine Ponsard

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
FamíliaNatal
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Papa Pedro João Paulo II Bento XVI Francisco
Reportagem local
Pedro, João Paulo, Bento e Francisco: 4 Papas...
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais