Aleteia

Não se case sem se fazer estas três perguntas…

DEMANDE EN MARIAGE
© Shutterstock
Compartilhar

Antes de tomar qualquer decisão num assunto tão sério e delicado como um compromisso para toda a vida, é preciso questionar o corpo, o coração e a cabeça! 

A cabeça, na nossa organização interior, deve se comportar como o chefe do conjunto. O chefe é o comandante a bordo. Se ele for bom, o chefe começa por interrogar os seus subordinados. Tomar uma decisão sozinho é obra de maus líderes. E também são os maus líderes que deixam os seus subordinados fazer tudo o que querem. 

O que diz o meu corpo? 

O chefe começa entrevistando o chefe adjunto encarregado dos assuntos materiais: o seu papel é muito importante, mas ele não tem uma visão geral. Ele deve, portanto, ser muito dócil, caso contrário todo o edifício poderia pegar fogo ou afundar, e ninguém será capaz de reagir. Este subchefe é o corpo. O que diz o meu corpo quando entra em contacto com esta pessoa? Está feliz ou não? Tenho que prestar atenção às suas reacções. Por mais que não deva permitir que ele esteja no comando, tenho de prestar atenção ao que ele diz. Sendo o casamento uma aventura espiritual que se encarna, a opinião do corpo é crucial. Se o corpo está feliz: gosto dele (ou dela), estou feliz com ele (ou dela), me sinto bem, etc., podemos passar para o próximo nível. Caso contrário, tenha cuidado! 

O que diz o meu coração? 

O chefe deve então entrevistar o chefe adjunto dos assuntos sentimentais. Este subchefe é o coração. A opinião dele não é menos importante. Seria muito penoso se não fosse considerado, pois é ele quem decidirá a questão decisiva: eu a amo? Assim como o coração não deve ser deixado a decidir por si mesmo, pois tem uma grande capacidade de se entusiasmar e cegar, assim também nada pode ser feito sem ele. Não se pode se comprometer pela vida com alguém sem o amar, todos concordarão. E para que seu coração seja capaz de medir o que está em jogo e informar utilmente a cabeça, ele próprio deve ser muito cuidadoso. Então cada um deve se conhecer a si mesmo para não tirar conclusões falsas do que seu coração diz. A pessoa sentimental não reagirá como o hesitante perpétuo. Aquele que, por enquanto, precisa mais de uma mãe do que de uma esposa não reagirá como aquele que ama apenas a solidão e foge de toda a sociedade. Aquele que ruboriza ao primeiro piscar de olhos não vai reagir como aquele que se apaixona dia sim, dia não. Há toda uma educação do seu coração que se deve fazer e que não se pode fazer sozinho. Se o coração concordar, podemos seguir adiante. Mas nada está ganho ainda. 

O que diz a minha cabeça? 

Há mais um exame para passar, e esse é o papel da cabeça. O homem é uma criatura dotada de razão, capaz de compreender situações, de discernir o que é bom ou mau para ele à luz do que a experiência, o Evangelho, a prudência, etc., lhe dizem. O homem razoável percebe que nem tudo à sua volta está a correr bem. Ele vê um certo número de desastres nas famílias, e não tem vontade nenhuma de naufragar. Ele vai, portanto, tentar colocar o maior número possível de chances a seu favor. E é possível! Antes de se comprometer, ele deve fazer a si mesmo uma série de boas perguntas, e não ser surdo se não gostar da resposta. Não vou listar aqui todas as boas perguntas, cabe a cada um fazer a sua própria lista, mas para dar um ou dois exemplos, me parece muito imprudente se comprometer com alguém cujas convicções religiosas sejam desconhecidas. Não sorria, conheço muitos casais que não abordaram o assunto, nem antes nem durante o seu noivado. Todos sabemos que o casamento é, antes de tudo, uma aventura espiritual. Só funciona se estiver enraizado em crenças religiosas, apoiado por rituais, expressos numa linguagem comum. Deve ter um propósito que afasta a mera gestão da vida quotidiana. E para nós, é Cristo, Aquele a quem João Batista chama de “o noivo”, que assegura a solidez do vínculo conjugal. Fora dele, ninguém pode resistir. Se há uma diferença de opinião tão grande que pode muito rapidamente se tornar insuperável, a cabeça deve medir se é prudente se comprometer. Talvez seja melhor perceber isso a tempo e não seguir o caminho. Mesmo que seja doloroso, é melhor romper do que seguir por um caminho previsível de disputas e de desagregação, a ponto de não desejarmos mais ficar juntos. 

Não há vergonha em ser razoável! 

Outra área é o contexto social e cultural. Também aqui, a experiência confirma que é muito insensato se envolver sem fazer a pergunta. É verdade que há muitas respostas possíveis, mas não falar disso pode levar a sofrimentos que não se podem dizer imprevisíveis. Quando duas pessoas de origens culturais demasiado diferentes se juntam, qual delas irá impor a sua marca à outra? E a outra encontrará o seu lugar? No início, sempre dizemos que o amor será o mais forte e que nos respeitaremos uns aos outros. Se fosse assim tão simples, não faríamos romances com isso! E por isso há muitos critérios objetivos que precisam de ser considerados. Esse é o papel da razão. É a cabeça que vai dizer, será razoável entrar em casamento com esta pessoa, dado o que o meu corpo sente, o que o meu coração me diz, o que vejo na área do comportamento, carácter, situação, linguagem, atitude para com o dinheiro, laços familiares, visão de futuro, desejo de ter filhos, crenças religiosas, etcetera…? 

Se o candidato passou todos estes testes, se está pronto para dar o seu acordo, antes de dizer o grande sim, resta um último cheque a ser feito e que é indispensável: verificar se a reciprocidade é verdadeira! Porque são precisos dois para se casar… e que ambos cheguem às mesmas conclusões. Se este é o caso, então você tem a resposta para o seu problema: é ele, é ela, é você. E não pense que o que é descrito aqui acontece como um questionário de uma administração. Tudo é mais simples e mais confuso. Mas se você confiar no Senhor, e em verdadeiros amigos, tudo vai bem. Ainda assim, é necessário ter uma casa bem ordenada, com um líder que comande e sub-líderes que desempenhem o seu papel em seu lugar. A razão deve guardar a casa! 

Frei Alain Quilici 

Boletim
Receba Aleteia todo dia