Aleteia
Terça-feira 27 Outubro |
São Fulco

O meu filho rouba: o que posso fazer para evitar que se repita?

Steal, Child, Girl, Sad, Mother

© Olimpik

Edifa - publicado em 06/01/20

Encontrou doces no bolso do seu filho que não lhe comprou ou um brinquedo que não lhe pertence? Não se preocupe, isso não faz dele um ladrão. Mas para o impedir de o fazer novamente, tem de compreender o que ele está a fazer e falar com ele muito claramente

É sempre um choque para os pais descobrirem este tipo de comportamento de repente. Especialmente quando se trata de um roubo fora de casa (na escola, no supermercado…). Eles se sentem literalmente desonrados e afetados em sua imagem de “bons pais”. Destabilizados, eles acham inexplicáveis tais gestos vindos de crianças aparentemente sem problemas e relativamente bem educadas. A esta vergonha vem se juntar ao medo do futuro: “Se continuar assim, onde vai parar?”.

Talvez seja melhor não dramatizar excessivamente primeiro. É importante não tornar as coisas enormes demais e, acima de tudo, não colocar uma etiqueta de “ladrão” nas costas da criança, da qual ela nunca se livrará. É verdade que os pequenos furtos podem levar a coisas maiores: “Quem rouba um ovo rouba um boi…”, daí a necessidade de tapar a brecha muito rapidamente. Mas, uma vez dito isto, não há nada em comum entre a delinquência juvenil e a adulta: o pequeno ladrão não se torna necessariamente num grande delinquente no futuro.

O roubo não tem o mesmo significado para a criança como tem para o adulto

É claro, a gravidade do voo deve ser destacada. No entanto, primeiro temos de recorrer à riqueza do vocabulário para traduzir uma realidade que, em última análise, é muito complexa. Se a apropriação ou o roubo se aplicam a comportamentos que são considerados altamente repreensíveis e vergonhosos, falaremos com maior ou menor indulgência de apropriação o de furto. É então compreensível que uma criança não distinga claramente a gravidade do roubo. A noção de propriedade, de bem que pertence a outros, não é inata: uma criança tem instintivamente a necessidade de se apropriar do que lhe parece ser bom. O roubo não tem para ele o mesmo significado que tem para um adulto, e ele nem sempre mede o valor do que ele pode roubar.

Também é bom que nos questionemos sobre o nosso próprio comportamento: na vida quotidiana, e diante dos olhos dos nossos filhos, será que alguma vez não somos perfeitamente honestos? E até, não mostramos demasiada admiração por aqueles que sabem “sobreviver” na vida? Elogiaremos as “manobras” do vizinho que tomou o comboio sem pagar, ou que equipou a sua casa com equipamentos recuperados do lugar onde trabalha… E não falemos de falsas declarações fiscais ou de seguros, que consideramos legítimas. A mídia também gosta de espalhar exemplos de corrupção ou outros escândalos financeiros de alto nível envolvendo enormes somas de dinheiro… e que às vezes terminam sem condenação.

Tentando entender a razão do seu gesto

Perante uma criança ladrão, a primeira coisa a fazer é tentar compreender porque o fez? Foi por divertimento, especialmente antes dos 8 anos de idade, ou para satisfazer um desejo irresistível? Quem, quando era criança, não tentou roubar um “pouco” de chocolate ou doces de uma caixa da avó? Nesta idade, pode até haver roubos “inspirados pela generosidade”, como o de uma menina que roubou uma maçã para dar à irmã mais velha, e que, quando é acusada de bandida, não entende por que está sendo castigada.

Quando a criança cresce, pode roubar para satisfazer uma necessidade material que a pobreza ou a dureza da família negam (“Nós não temos dinheiro para comprar isto para você”). É difícil não sonhar em frente a algumas montras, ou não ter o que as outras crianças gostam de exibir orgulhosamente no pátio da escola. A criança também pode roubar para “fazer como os outros”, para testar o seu valor ou a sua vontade de correr um risco, ou para mostrar aos amigos que é capaz de enfrentar um desafio.

Mas é bom descobrir se a causa não é mais profunda e se a criança não está sofrendo de um sentimento de frustração que então tenta compensar roubando. Talvez ela esteja a passar por uma situação difícil? O roubo será então um SOS. O que é que isso nos diz neste caso? Ela quer forçar o adulto a cuidar dela? Mas então, isto não é simplesmente um sinal claro de que a criança pensa – com ou sem razão – que não é amada? Portanto, um castigo demasiado forte só poderia reforçar esta crença, e a forçará a roubar para compensar ou chamar a atenção.

Após 7 anos, teremos de reagir, mas sem dureza…

Que conduta adoptar? Em primeiro lugar, ajude a criança a expressar as verdadeiras causas de suas ações. Mesmo que ela dê razões “excelentes” desde o início! Temos de a ajudar a se conhecer. Antes dos 7 anos de idade, você deve ensinar o significado de propriedade: “Você não gosta que lhe tirem as suas coisas? Bem, os outros também não! Você é responsável pelo mal que faz aos outros, pela dor que lhes causa. Agora você vai dizer à sua mão para não fazer mais isso, porque você não quer que isso aconteça a você.” Após 7 anos, você terá que reagir, mas sem dureza. Castigar, se necessário, mas não excessivamente. Faça descobrir o valor das coisas dizendo abertamente que estava errada e como ela pode corrigir a situação. Devolver? Talvez, tentando a ajudar a fazer essa tarefa difícil.

Se a criança receber uma mesada, terá de aprender a limitar os seus desejos. Há uma educação, progressiva, para a frustração, que prepara a criança para aceitar a imperfeição da condição humana. Acima de tudo, porém, os pais estarão preocupados em cercar a criança com mais afeto, em lhe dedicar tempo. Mais uma vez, a solução deve se procurar do lado do amor!

Denis Sonet

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Educação dos FilhosFamíliaValoresVirtudes
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
São Padre Pio de Pietrelcina
Oração de cura e libertação indicada pelo exo...
Ver mais