Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Esta bem-aventurança revoluciona o significado da felicidade

© Shutterstock
Compartilhar

Leia as bem-aventuranças. Quantas é que você encontra? Nove, com certeza. E esta nona bem-aventurança, que muitas vezes é esquecida, é muito importante!

Desde os Padres da Igreja, tem sido costume contar apenas oito bem-aventuranças. São um compêndio do Evangelho, a “carta perfeita da vida cristã” (Santo Agostinho), o roteiro para a santidade, e o número oito parecia ser a forma mais apropriada de expressar tudo isto. Assim seu primeiro comentarista, São Gregório de Nissa, contou oito por razões de simbolismo bíblico, assim como Santo Agostinho. Ainda hoje, muitos exegetas e comentadores fazem o mesmo e vêem na nona bem-aventurança apenas uma repetição ou um desenvolvimento da anterior (a dos perseguidos pela justiça). Esta tradição é venerável, mas pode levar a esquecer esta bem-aventurança, o que seria uma pena porque talvez seja o ponto culminante de todas.

Uma bem-aventurança bem diferente das outras

“Bem-aventurados sereis quando vos caluniarem, quando vos perseguirem e disserem falsamente todo o mal contra vós por causa de mim. Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos céus, pois assim perseguiram os profetas que vieram antes de vós”. (Mt 5,11-12). Esta nona bem-aventurança não substitui as oito primeiras. Mas é diferente das anteriores, e não só porque é quatro vezes mais longa que as outras e tem uma estrutura mais complexa.

As oito primeiras estão no plural da terceira pessoa: “Bem-aventurados os…” e constituir um catálogo da santidade que somos chamados a viver, e a reconhecer em qualquer lugar onde elas se encontram, incluindo para além das fronteiras visíveis da Igreja. Mas a nona está na segunda pessoa: “Bem-aventurado sereis…”. Não é mais uma apresentação, mas uma interpelação: imagine que você está ouvindo uma conferência e de repente o orador aponta seu dedo para você e apóstrofa você: “Você, aí!”. Consegue sentir a diferença?

As primeiras oito bem-aventuranças estão no modo indicativo, o que reforça o seu carácter descritivo. Como em qualquer catálogo, existe a tentação de escolher apenas o que gostamos ou acreditamos corresponder às nossas possibilidades. Mas o nono é condicional: “Bem-aventurados sereis quando…”. Não há fuga possível: há uma condição para ser feliz e temos que passar por ela. E que condição! Ser insultado, perseguido… É muito mais exigente.

Uma bem-aventurança que revoluciona o significado da felicidade

É também única na qual Jesus se refere a si mesmo (“por causa de mim”). Portanto, ela concerne todos aqueles que se reivindicam do Seu exemplo, nós os cristãos. Além disso, anuncia o que Ele vai sofrer: insultos, perseguições, falsos testemunhos. Com respeito à grande recompensa no Céu prometida, não é para começar Sua Ressurreição e exaltação à direita do Pai? Esta bem-aventurança anuncia assim que o seu mistério pascal de sofrimento e vitória continuará nos seus discípulos.

É a bem-aventurança da alegria e da felicidade. Revela a possibilidade de sermos felizes, e mais do que isso, nas provas, no sofrimento ou na angústia, se os vivermos com e para Cristo. Esta revelação extraordinária, que revoluciona o significado da palavra felicidade, faz parte do núcleo da mensagem evangélica. E esta felicidade não é só para o além, Cristo nos a oferece imediatamente: “Alegrai-vos e exultai ».

Esta nona bem-aventurança anuncia as perseguições que a Igreja tem sofrido e continua a sofrer. Para todos aqueles que os sofreram ou ainda sofrem, é apoio e esperança: as Igrejas sofredoras são Igrejas vivas, e muito vivas. É de concluir que para um cristão não há outro caminho para a felicidade que não seja uma situação de perseguição? Se as palavras significam o que significam, isso seria enorme: e nós? Certamente vivemos em situações onde uma ou outra das outras bem-aventuranças pode ser aplicada, mas não somos perseguidos. Como escreveu o teólogo Romano Guardini: “O nosso bom senso é ofendido”. Ele acrescentou: “É melhor admitir e tentar explicar isso do que tomar as palavras de Jesus como banalidades piedosas”.

Será que esta bem-aventurança nos concerne?

Então, vamos tentar explicar. Antes de mais nada, sem as exagerar, não escondamos as dificuldades que existem hoje em pretender ser crentes e em querer seguir verdadeiramente o Evangelho. Quantos mal-entendidos e recusas na mídia, até no trabalho ou na própria família, que às vezes se transformam em ridicularização ou ódio. Há mais. O que esta bem-aventurança anuncia mostra que seguir Jesus é sempre um assunto sério. As perseguições visíveis que vêm de outros não são as únicas, ou mesmo necessariamente as piores. Toda vida cristã é uma luta essencialmente espiritual entre a carne e o espírito, o egoísmo e a caridade.

Além disso, sereis perseguidos “por causa de mim”: quando temos de sofrer, incluindo a tentação, aquela forma de perseguição menos visível mas não menos eficaz, não somos apenas nós que somos atacados, mas Cristo em nós. Esta bem-aventurança nos ajuda a compreender que se Jesus parece pedir muito de nós, é porque ele realmente conta conosco para continuar a sua obra de salvação em nós. Por isso não temos de escolher as provas que nos tocam, exteriores ou interiores, mas de as viver no espírito desta bem-aventurança, num amor livre e fiel a Cristo e às suas exigências, na certeza de que Ele as vive connosco e nos apoia

Finalmente, como esta bem-aventurança (e o testemunho daqueles que a vivem até ao martírio) é a da alegria e da felicidade, ela nos liberta do medo nas provações, sejam elas quais forem, e nos ajuda que as vivamos na esperança. Pois se “a única felicidade que temos é amar a Deus e saber que Ele nos ama”, como repetia o Santo Cura d’Ars, nada nem ninguém nos pode tirar isso.

Didier Rance

Boletim
Receba Aleteia todo dia