Aleteia
Terça-feira 27 Outubro |
São Fulco

E se essa virtude guiasse toda a sua oração?

Woman, Closed eyes, Smile

© Olena Yakobchuk

Edifa - publicado em 04/02/20

O que podemos legitimamente pedir em nossa oração? O que fazer para que nossas orações não sejam auxiliares de nossas vaidades? Para aprender a canalizar os nossos desejos, precisamos nos voltar para a virtude da temperança

De acordo com uma certa etimologia latina (precaria, précaire, prière), rezar é expor a Deus a nossa precariedade: “Senhor, aquele que tu amas está enfermo” (João 11, 3). É dizer como disse o salmista: “Senhor, diante de vós estão todos os meus desejos” (Salmo 37, 10). Certamente, os desejos dos homens são confusos. No entanto, se são expressos, seja em fortes clamores ou sussurros humildes, eles chegam até Deus. As escrituras dizem: “Quando um homem pobre clama, o Senhor ouve” (Salmo 34, 6). Qualquer pedido do pobre, independentemente se é destinado a Deus ou não, faz nascer uma oração.

Em “Memórias do Além-Túmulo”, Chateaubriand (escritor francês) relata uma passagem de sua adolescência, quando abandonou toda a prática religiosa. A própria fé parecia tê-lo abandonado. “No entanto“, escreve ele, “orei porque sofri e os sofrimentos oram”. Contudo, mesmo se todos os desejos humanos chegam até Deus, nem todos eles são legítimos. “Pedis e não recebeis, porque pedis mal, com o fim de satisfazerdes as vossas paixões”, diz São Tiago (4, 3). Mas é através da virtude fundamental da temperança, que orientamos, purificamos e controlamos nossos desejos.

A temperança direciona corretamente nossa oração

É muito difícil saber o que pedir a Deus, porque é igualmente difícil saber o que é realmente bom para nós ou para os outros. Quem nos ensinará a fazer a triagem entre os desejos tortos que abrigamos secretamente no nosso interior e os desejos genuínos que vivem em nós? Ao dominar nossas paixões terrenas, a temperança guia corretamente nossa oração, porque a oração não consiste em curvar Deus aos nossos desejos ou em fazer Deus mudar de ideia. Deus é imutável. Não há nele “nenhuma mudança nem a sombra de uma variação” (Tiago 1:17). Portanto, nossa oração não é para mudar o plano de Deus, mas exatamente para obter o que Ele decidiu nos dar.

Podemos sugerir a seguinte imagem: Quem reza é como um homem num barco. Sua oração é como uma corda que ele lança para alcançar a rocha. Deus é essa rocha. O homem puxa a corda que está presa na rocha. Como se dá esse movimento? É o homem no barco que está se movendo, não a rocha! Portanto, nossa oração não transforma a Deus, mas transforma a nós mesmos. A oração nos aproxima de Deus como o homem no barco se aproxima da rocha enquanto puxa a corda. Somos nós que somos transformados durante as nossas orações e clamores a Deus.

O Pai Nosso, a escola do desejo

A oração não foi feita para ensinar a Deus, mas para nos ensinar. Nós não precisamos falar ao Pai sobre o que necessitamos, pois ele sabe muito melhor do que nós: “Vosso Pai sabe o que vos é necessário, antes que vós o peçais”, disse Jesus (Mateus 6: 8). Por outro lado, repetindo o Pai Nosso, reorientamos nossa vida na direção do que é genuinamente desejável, voltamos ao essencial e ficamos convencidos da imensa bondade de Deus que nos concede tudo o que o pedimos.

Santo Agostinho já dizia: “Se orarmos de maneira correta e adequada, não é possível dizer nada além do que já está contido nesta oração do Senhor“. No Pai Nosso está consagrado tudo o que podemos legitimamente desejar. Nesta breve fórmula, tudo o que podemos esperar de Deus está presente. É por isso que o Pai Nosso não é apenas uma oração perfeita a qual devemos ter como modelo, mas também, de certa forma, a mestra de toda oração. Ele endireita e retifica todos os nossos pedidos. “Nossa oração deve ser reta” dizia São Tomás de Aquino, isto é, deve fazer-nos pedir a Deus os bens que nos convêm. A retidão da nossa oração está ligada à retidão da nossa fé e da nossa vida: lex orandi, lex credendi, lex vivendi (o modo de orar, o modo de crer e o modo de viver se refletem mutuamente)!

Père Guillaume de Menthière

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
MeditaçãoOraçãoVirtudes
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
São Padre Pio de Pietrelcina
Oração de cura e libertação indicada pelo exo...
Ver mais