Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 24 Fevereiro |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Uma meditação sobre Jesus crucificado para encontrar o caminho da santidade

dimas

Le bon larron (Public Domain)

Edifa - publicado em 10/04/20

A Sexta-feira Santa relembra a crucificação e a morte de Jesus na cruz. Como o bom ladrão crucificado ao lado de Cristo, imploremos a sua misericórdia

É impossível entender em que consiste a santidade sem olhar para o único santo canonizado pelo próprio Jesus: o bom ladrão. Não sabemos quase nada sobre ele. Somente São Lucas relata o diálogo avassalador entre Jesus e os bandidos crucificados ao seu lado (Lc 23, 39-43). Quem foram os dois bandidos crucificados ao lado de Jesus? Criminosos comuns ou agitadores políticos? Ninguém sabe, mas o que São Lucas nos diz é suficiente para conhecer o essencial.

Porque desconhecemos os crimes praticados por ele e desconhecemos também o seu nome, “o bom ladrão” é, de certa forma, a representação de todos os criminosos, dos pobres, fora da lei, marginalizados de todo tipo. No fundo, ele representa a todos nós, mesmo que não tenhamos cometido provavelmente nenhum crime abominável, nós somos todos pecadores, grandes ou pequenos. Portanto, nesta Sexta-feira Santa, é esse bandido que nos ajuda a compreender em que consiste a santidade.

Aprendendo a olhar Jesus Crucificado

Das profundezas de sua miséria, o bom ladrão clama a Jesus. Completamente sem esperança em tudo o que é humano ou terrestre, ele coloca sua única esperança na Cruz de Jesus, esquecendo todo o resto. É isso que nos é pedido: colocar nossa esperança na Cruz de Jesus e somente nela. Não devemos colocar a nossa esperança em nossas riquezas, sejam elas materiais ou espirituais, ou em nossas boas ações, virtudes ou sucesso pessoal, não! Nossa esperança deve ser colocada apenas em Jesus. O Cristo crucificado.

O bom ladrão nos ensina a olhar para Jesus crucificado. A verdade é que não gostamos de fazer isso. Gostaríamos de pular a Sexta-Feira Santa e chegar diretamente à Páscoa! E, no entanto, porque não há outra fonte de santidade além de Jesus Cristo crucificado, não há também outro caminho de santidade senão o caminho da Cruz, a via estreita da Cruz. E aqueles que se afastam do caminho da Cruz se afastam também da santidade, pois se fecham automaticamente à sua única fonte, que é Jesus crucificado. Ao olhar para Jesus que morre por causa de nossos pecados, começamos a entender como somos pecadores e, portanto, o quanto precisamos de sua misericórdia! Ao mesmo tempo, entendemos que essa misericórdia nos é dada todos os dias, que Jesus nos salva e abre as portas do seu Reino para nós.

O pior não é ser pecador, mas recusar a ver os seus pecados

Não importa quão ruim, feio ou grave seja o nosso pecado, a santidade foi feita para nós. Jesus apenas pede que sigamos o caminho do bom ladrão. Ele teve a coragem de admitir suas falhas com humildade e, ao mesmo tempo, a louca confiança de reivindicar misericórdia. Não é o pecado por si só o problema, é duvidar da misericórdia, como se Jesus não tivesse morrido por todos os pecadores, mesmo os piores.

O pior não é ser pecador, mas sim recusar-se a ver seus pecados e nomeá-los como tais, por orgulho. O pior é crer-se justo, porque uma pessoa justa não precisa de misericórdia, ela não precisa que Jesus morra por ela, não precisa ser salva. Podemos ser bons em todos os aspectos, piedosos e fazer coisas bonitas, mas enquanto acreditarmos que somos justos, não poderemos ser santos.

Christine Ponsard

Tags:
Jesus
Top 10
Ver mais