Aleteia

Já pensou em medir a temperatura do seu casamento?

Thermometer, Woman, Home, Sick
© goffkein.pro
Compartilhar

A Covid-19 exige que esteja atento à sua temperatura, sendo um dos sintomas da doença uma febre alta. Mas e a temperatura do seu casal? Não está infectado por maus reflexos que o sufocam ou arrefecem tanto a si como ao seu parceiro ao mesmo tempo?

“Está muito calor!” A expressão, utilizada no seu sentido figurativo, refere-se a uma situação erotizada por corpos que se despem por causa do calor e, por extensão, a uma atitude sugestiva.

Por uma alteração evocativa de significado, é utilizada para descrever uma situação difícil ou desconfortável, presumivelmente para significar o risco de queimadura ou derrame e, portanto, o carácter difícil de controlar um evento.

Tudo isto para dizer que o casamento pode ser difícil! De vez em quando, interrogarmo-nos sobre se está calor no casal pode ser um desafio a todos os aspectos da vida conjugal.

Fazer o diagnóstico correto

Todos somos sensíveis ao fato que ume pessoa seja calorosa ou fria. O frio, tal como o carácter sufocante de uma personalidade “sauna-hammam”, desestabiliza o nosso equilíbrio interior. Pode parecer uma banalidade, mas é interessante que nos escutemos a nós próprios e à outra pessoa, em que clima nos percebemos a nós próprios e se o percebemos da mesma forma.

o clima que eu penso que eu criou e o clima que o outro percebe. E há o clima que produzimos juntos. Muitas vezes este clima “fala” muito mais do que pensamos, porque fala de tudo aquilo que não exprimimos. Surpreende-nos, impressiona-nos, obriga-nos a reconhecer que aquilo que queríamos manter em silêncio se manifesta de forma diferente. Não é este o caso das tormentas? Uma explosão devido à acumulação de electricidade, humidade e calor.

Consiste em diagnosticar e deixar o outro saber o que está a criar frio em mim na sua atitude ou o que me está a sufocar, a queimar-me. O objectivo: frustrar o mecanismo! A nossa afectividade desenvolveu-se com a inevitável falta ou transbordo de calor, apesar de toda a benevolência da nossa família, e muitas vezes criamos um clima de reacção. É difícil reequilibrar um mau reflexo e, no entanto, é um desafio na vida de um casal.

Se compreender um ao outro… e trocar de atitude

Quando envio frio ou demasiado calor ao meu cônjuge, estou a tentar proteger-me de alguma coisa. Será que me sinto julgado? Desvalorizado? Estou demasiado desprovido de escuta ou de ternura? É-me difícil conseguir a atenção dele ou dela?

Em contrapartida, estarei eu dependente do seu estado de espírito, das suas opiniões, das suas escolhas? Será que tenho a minha dose de iniciativas? Sou limitado, controlado pelo outro? Será que tenho a sensação de que nunca consigo fazer o suficiente? Será que sinto que tenho de me adaptar, sem reciprocidade? O que tenho medo de faltar? De liberdade? Proximidade?

Depois de tentar se compreender um ao outro, vem o desejo de mudar ou melhorar a sua própria capacidade de criar um calor suave para o seu cônjuge. Posso agir ou me comportar de uma forma que responda a uma necessidade que ele manifestou. Também posso abrir os olhos, ou voltar a me dizer interiormente e lhe dizer tudo o que ele faz por mim e que me faz sentir bem.

Talvez alguém fique sufocado quando os seus actos de bondade não são reconhecidos, recebidos. Por isso, ele pensa que tem de acrescentar mais. Na verdade, por vezes não recordamos a nossa gratidão por tudo o que a outra pessoa nos dá e não olhamos para isso com precisão. É emocionante expressar ou receber palavras de gratidão por um gesto, um sorriso, um olhar, ou de perdão por uma indelicadeza ou um ressentimento, de alegria por um bom momento vivido conjuntamente.

Sophie Lutz

Boletim
Receba Aleteia todo dia