Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 16 Abril |
Aleteia logo
Espiritualidade
separateurCreated with Sketch.

Você quer receber a Divina Misericórdia? Ouça a São João Paulo II

Saint Jean Paul II

Rogelio A. Galaviz C. | Flickr CC by NC 2.0 Saint Jean Paul II

Edifa - publicado em 19/04/20

Há vinte anos atrás, São João Paulo II instituiu o Domingo da Divina Misericórdia, festejado no domingo seguinte à Páscoa. Também foi na véspera desta comemoração quando ele faleceu, no dia 2 de abril de 2005. A data de sua morte, de alguma maneira, lacraria seu testamento espiritual. Ele confiou o mundo à Divina Misericórdia. Mas como é recebido?

São João Paulo II havia escrito essas palavras para a festa da Divina Misericórdia no dia de sua entrada no Céu, no dia 2 de abril de 2005: “Para a humanidade, que às vezes parece perdida e dominada pelo poder do mal, o egoísmo e o medo, o Senhor Jesus ressuscitado oferece o presente de seu amor que perdoa, reconcilia e abre a alma à esperança. É um amor que muda os corações e traz paz. Quanto o mundo precisa entender e receber a misericórdia divina! ” Receber a misericórdia de Deus … mas como?

Reconhecer nossa miséria

São Filipe Neri repetia essa oração todos os dias: “Senhor, cuide de mim. Se você não me preservar sua graça, eu o trairia hoje e cometeria todos os pecados do mundo inteiro ”. São Francisco de Sales também dizia: “Reconhecer nossa própria miséria não é um ato de humildade em si, é somente não ser estúpido!”

A misericórdia não consiste, de fato, em banalizar o mal ou relativizar o pecado. Exatamente o contrário! Somente uma aguda consciência da gravidade do pecado nos torna capazes de entender a necessidade absoluta da misericórdia ao mesmo tempo que seu preço infinito: o sangue de Jesus Cristo derramado por nós. Entendemos então o que Jesus disse à Santa Faustina: “Quanto maior for o pecado, mais direito ele tem à minha misericórdia”.

Acredite no abismo infinito da misericórdia divina

Nossa miséria pode nos esmagar ou nos levar ao desespero. Somente a fé nas promessas da salvação pode nos reafirmar numa esperança invencível. Santa Teresa do Menino Jesus escreveu: “A santidade é uma disposição do coração que nos torna humildes e pequenos nos braços de Deus, conscientes de nossa miséria, mas confiados à ousadia em sua bondade como Pai”.

E Jesus disse à Santa Faustina: “Minha filha, fale ao mundo inteiro da minha inconcebível misericórdia. (…) Que nenhuma alma tenha medo de se aproximar de Mim, mesmo que seus pecados sejam tão escarlate. Minha misericórdia é tão grande que em toda a eternidade nenhum intelecto humano ou angélico a penetrará. Tudo o que existe saiu das entranhas da Minha misericórdia ”

Beber das fontes de misericórdia

“A humanidade não conhecerá a paz até que chegue à fonte da Minha misericórdia”, disse Jesus também à Santa Faustina. E acrescentou: “Olha, alma, para você eu instalei o trono da misericórdia na terra e este trono é o tabernáculo”. As fontes da misericórdia são, portanto, principalmente os sacramentos da Eucaristia e da Reconciliação, canais inesgotáveis de misericórdia na santa Igreja de Cristo.

Tenha piedade de nós

“Felizes os misericordiosos, porque eles obterão misericórdia” (Mt 5,7). Exercemos a misericórdia para recebê-la em nosso ambiente. Abrir nossos corações aos sofrimentos dos outros, perdoar àqueles que nos machucam; é assim que se vive essa bem-aventurança dos misericordiosos.

Padre Nicolas Buttet

Tags:
Divina MisericórdiaJoão Paulo II
Top 10
Ver mais