Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 30 Outubro |
Santo Angelo de Acri

Covid-19: Por que Deus não impediu a pandemia?

KORONAWIRUS

Halfpoint | Shutterstock

Edifa - publicado em 24/04/20

A crise do Coronavírus suscita muitas perguntas que às vezes podem abalar a fé cristã: Deus queria essa pandemia? Por que ele não põe fim a esta crise? Será que ele realmente nos protege? Quando somos confrontados com essas questões, é preciso lembrar o que realmente significa a vontade divina.

A atual situação global com o Covid-19 nos leva à uma questão bastante recorrente: por que Deus não impediu que tudo isso acontecesse? Ele poderia ter feito algo preventivamente: prevenir é melhor que remediar! Por que a morte se esconde tão perto de nós, como se Deus nunca nos protegesse dela? No entanto, continuamos a invoca-lo, implorando a sua proteção. Será que deveríamos apenas nos sentir ofendidos e concluir que a providência divina falhou? Esse é um dos problemas mais importantes da fé cristã. Sem querer exauri-lo ou responde-lo completamente, vamos tentar fornecer algumas chaves para essa questão.

Deus não prometeu afastar de nós o sofrimento e a morte

As escrituras nos ensinam que Deus nem criou e nem quis a morte. Ela é uma consequência do pecado original. Deus a venceu através da Cruz de Cristo, sem a abolir. A morte continua sendo uma regra em nossas vidas. Ninguém escapa da morte, essa é a única certeza impossível de contestar. Portanto, não devemos sonhar com um tipo de proteção divina que nos exima dela. Ninguém escapa e ninguém sabe o momento da morte, que pode ser bastante prematuro.

No entanto, permanece em nós o sonho da proteção divina de todo o perigo. Esse hábito vem de religiões pagãs antigas e entrou na fé cristã em forma de superstições inofensivas: “Que os deuses lhe sejam favoráveis!”. Esse sonho, no entanto, pode distorcer nossa visão da providência divina, uma vez que a proteção solicitada não ocorrer. Podemos pensar nesse momento que nosso Deus não cuida de nós. Jesus não prometeu tirar o sofrimento e a morte de nós. Ele prometeu a salvação de nossa alma no momento de nossa morte, se consentirmos, e nossa ressurreição, segundo a sua, mas no Juízo Final.

Precisamos rezar para ser protegidos? Sim, mas de coisas que refletimos muito pouco: o pecado, a morte espiritual. Essa proteção, que é graça de Deus, nunca falha se a aproveitarmos.

Thierry-Dominique Humbrecht

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
CoronavírusEducação dos FilhosFilhos
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais