Aleteia
Quarta-feira 21 Outubro |
São Bertoldo de Parma

A receita de Luís e Zélia Martin para atravessar os momentos de provação

STS LOUIS,ZELIE,MARTIN

PD

Edifa - publicado em 07/05/20

Na situação sem precedentes que o mundo vive hoje, é normal nos sentirmos estressados, confusos ou sobrecarregados pelos eventos que assistimos. O nosso espírito pode entrar em real sofrimento. Mas que sentido essa imensa angústia pode ter? E como lidar com isso? Encontre a resposta com os santos Luís e Zélia Martin

O sofrimento faz parte da vida. Durante momentos desafiadores podemos recorrer aos santos, que podem nos ajudar a melhor compreender e atravessar as dificuldades. O padre Jean-Marie Simar, que foi por muitos anos reitor do santuário de Luís e Zélia Martin em Alençon, na França, revela o segredo do santo casal para permanecer firme na provação.

É preciso sofrer para ser santo?

Não. No céu seremos santos sem sofrer. Mas na Terra, santos ou não, acreditando ou não, quer gostemos ou não, todos enfrentamos o sofrimento uma vez ou outra. O cristão que quer ser santo aceita esse sofrimento e o oferece em união ao sofrimento de Cristo. Assim, ele se tornará semelhante ao Cristo.

Como o sofrimento pode ser “redentor”?

Somente os sofrimentos de Jesus oferecidos por amor são redentores, pois somente ele nos salvou. Mas Deus queria nos associar ao seu plano de salvação. É o que diz São Paulo: “Agora me alegro nos sofrimentos suportados por vós. O que falta às tribulações de Cristo, completo na minha carne, por seu corpo que é a Igreja” (Cl 1, 24). Podemos então falar, como fez o Papa João Paulo II, do sofrimento “corredentor”. O termo significa que, como a mãe das dores, unimos todo o nosso sofrimento, seja ele qual for (doença, dor…), com o de Cristo pela salvação do homem. Assim, nosso sofrimento assume um valor imensurável e indizível. Para fazer isso, basta dizer a Jesus: “Senhor, eu vos ofereço este sofrimento pela conversão do homem, pela paz no mundo…”

Santa Zélia Martin falou bastante sobre a resignação. Devemos nos resignar ao mal ou, pelo contrário, lutar contra ele?

Deus não deseja o sofrimento, ele nunca desejou, assim como nunca desejou sua causa, o pecado. Não é ele quem nos envia o sofrimento para nos punir, como às vezes pensamos. É por isso que podemos e devemos fazer tudo para prevenir, aliviar ou curar o sofrimento. Foi o que Zélia fez, orando por sua cura em todo o caminho até Lourdes. Mas, por outro lado, ela nunca se rebelou contra Deus, mas aceitou tudo e abandonou-se nas mãos do Pai, como vemos em sua carta adereçando-se à cunhada: “O melhor é colocar todas as coisas nas mãos do Bom Deus e aguardar os eventos com calma e abandono à sua vontade. É isso que vou me esforçar para fazer” (Correspondência Familiar 45). Assim, sua batalha foi render-se à vontade de Deus, e não lutar para escapar a todo custo do sofrimento.

O sofrimento pode levar à revolta contra Deus. E os santos Martin, não sentiram nem um pingo de revolta?

Luís e Zélia, pela sua oração e vida sacramental, por seu compromisso de viver de acordo com o Evangelho, viram seu amor por Deus crescer tanto que não havia mais espaço para revolta. Pelo contrário, eles estavam cheios de compaixão por todos os sofrimentos que Jesus e a mãe das dores sofreram por amor a nós. Eles sabiam que sofrer em união com eles era uma graça. Essa compaixão com o Crucificado levou-os a amarem mais o próximo e os pobres em particular.

Existe uma “receita Martin” para passar pelas provações?

Ao contemplar o Crucificado e sua mãe dolorosa, o casal Martin entendia o valor redentor do sofrimento trazido e oferecido por amor. Por isso, sem fazer perguntas, sem se rebelar contra Deus, eles aceitaram a cruz diária, tanto a menor quanto a mais pesada. Eles também extraíam forças da Santa Eucaristia e da comunhão diária, porque iam à missa todos os dias. E assim, o sofrimento foi se tornando uma bênção para eles e para seus filhos. Zélia, que sofria de câncer, disse um dia: “Se bastasse apenas o sacrifício da minha vida para que Léonie se tornasse uma santa, eu o faria de todo o coração” (Correspondência familiar 184).

Entrevista por Luc Adrian

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Coronavírussanta teresinhaSantosSofrimento
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
violência contra padres no Brasil
Francisco Vêneto
Outubro de cruz para padres no Brasil: um per...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Pe. Gilmar
Reportagem local
Padre é encontrado após três dias desaparecid...
CHILE
Reportagem local
Duas igrejas são incendiadas durante protesto...
Ver mais