Aleteia

As reações certas a ter com um filho mentiroso

CHILD LIES
Shutterstock
Compartilhar

Como os adultos, as crianças nem sempre contam toda a verdade. Mas quando repetidamente praticam a mentira, isso traz a atenção dos pais: como lidar com isso e que atitude adotar?

“Ela inventa coisas!” Anna se lamenta na frente de sua filha de 4 anos que conta mentiras absurdas. “Eu já não sei mais distinguir”. Distinguir a verdade e a mentira é o que é difícil quando encaramos os pequenos arranjos com o real que os pequenos gostam tanto.

Mas não entre em pânico: nas crianças, mentir é muitas vezes mais uma manifestação da imaginação da criança do que uma intenção real de enganar os adultos.

De fato, até aproximadamente oito ou nove anos de idade, as crianças nem sempre sabem a diferença entre o imaginário e o real e muitas vezes são incapazes de se colocar no lugar de seu interlocutor e, portanto, incapazes de compreender plenamente o impacto de suas divergências com a verdade.

Ele vai então contar histórias malucas ou modificar uma história real para torná-la mais interessante. Mas e as mentiras repetidas?

Estas razões para a criança mentir

Muitas vezes é uma questão de chamar a atenção para a criança. A mentira repetida é muitas vezes um chamado: o último dos irmãos que nem sempre é ouvido, problemas familiares que dificultam a disponibilidade dos pais…

Mais tarde, quando a criança tem bem integrada a lei moral e as proibições que dela resultam, a mentira pode se tornar uma forma de sair de situações delicadas e evitar o castigo. “A culpa não é minha!”, “É ele que…”, “Todo mundo faz isso”: que pai não ouviu essas palavras?

Neste caso, é importante não se deixar enganar e trazer a criança de volta à realidade. Caso contrário, a criança será confortada em um processo de não assumir responsabilidade por seus atos e perder a confiança do adulto. Sancionar a mentira é permitir que a criança cresça.

Às vezes a criança mente para escapar de um pai que é visto como muito intrusivo. Este é o desafio da adolescência, onde aliar o respeito à autoestima do jovem com a presença legítima dos pais é uma linha dura de encontrar e exigente.

Outro caso, mentir pode ser um sinal de baixa autoestima: que melhor maneira de atrair amor e piedade do que inventar cenários em que você é o herói?

Reações benevolentes às mentiras de uma criança

Frente a tudo isso, como os pais devem reagir? Traga o filho de volta à realidade, lembrando que quanto mais mentiras “valem a pena”, mais provável é que elas se repitam.

A criança está à procura de atenção? Você tem que ser um pouco frio com o que ele está dizendo. Ele é conflituoso? A melhor coisa a fazer é não reagir. Os pais precisam insistir nos valores em que acreditam, em vez de mentir. A criança mente para se desresponsabilizar por um erro?

Os pais podem dizer aos filhos o que eles acreditam, mas não devem esquecer de enfatizar as consequências de estas ações: “Você diz que esses cigarros não são seus, mas eu não acredito em você. Eu acho que você está com medo de como eu vou reagir”. Mas como um erro admitido é meio perdoado, é melhor enfatizar sua coragem se ele disser a verdade.

Quanto à punição, é importante aplicar a consequência pretendida, mesmo que isso signifique ser acusado de ser injusto! No entanto, os pais devem empurrar a criança para emendar em vez de infligir um castigo sem sentido. No final, a criança nunca deve ser chamada de mentirosa. Também, de vez em quando, é uma boa ideia se fazer a seguinte pergunta: e eu, alguma vez minto para o meu filho?

Anne Gavini

Boletim
Receba Aleteia todo dia