Aleteia

Como superar uma fase depressiva de uma maneira cristã?

HAND, WINDOW, SUN
AlexMaster | Shutterstock
Compartilhar

A depressão é frequentemente acompanhada por uma noite de fé. Portanto, pode resultar num verdadeiro sofrimento espiritual para a pessoa doente. Aqui estão algumas dicas para superá-la sem perder a fé

A depressão é uma doença e o cristão não está isento de adoecer. A fé salva, mas não cura; nem sempre, em qualquer caso. A fé não é um remédio, muito menos uma panacéia ou um antídoto mágico.

Por outro lado, oferece a quem concorda em abrir a possibilidade de viver esse sofrimento de maneira diferente e com um caminho de esperança, o que é muito importante, pois a depressão mina a esperança. Temos os conselhos do padre Jean-François Catalan, psicólogo e jesuíta, para superar essa difícil adversidade.

É normal duvidar da fé e até abandoná-la quando você sofre de depressão?

Muitos grandes santos passaram por densas trevas, essas “noites escuras”, como São João da Cruz as chamava. Sofreram, às vezes, até o desespero, o desânimo, a tristeza, a angústia, o tédio de viver … São Afonso de Ligório passou a sua vida nas trevas enquanto consolava às almas (“Sofro muitíssimo”, dizia ele às vezes), como o padre de Ars.

Para Santa Teresa do Menino Jesus, no final de sua vida, “um muro a separou do Céu”. Ela já não sabia se Deus e o Céu existiam. No entanto, ela viveu esse momento crítico no amor. Essa “depressão” não impediu que os santos se sustentassem à noite, graças a um ato de Fé. E eles foram santificados pela mesma Fé, à noite.

A depressão pode ser experimentada numa atitude de abandono à Deus. Nesse momento, o significado da doença muda; uma rachadura é aberta na parede, embora o sofrimento e a solidão não sejam suprimidos. É o fruto do combate constante. É também uma graça recebida.

Existem dois movimentos. Por um lado, você pode fazer o que pode, mesmo que seja mínimo e pareça ineficaz, mas, concordando em tomar os remédios, continuar com uma psicoterapia, se for necessário, tentando renovar os contatos de amizade – o que às vezes pode ser muito difícil, porque os amigos foram embora, os parentes estão muitas vezes desanimados … -. Por outro lado, temos essa graça de Deus que nos ajuda a não nos desesperar.

Você evoca os santos, mas para as pessoas comuns?

É verdade que o exemplo dos santos pode parecer distante. Muitas vezes vivemos mais na escuridão do que durante a noite … Mas experimentamos, como os santos, que toda a vida cristã é, de uma maneira ou de outra, uma luta. Uma luta contra o desânimo, contra as formas de se retirar para si mesmo, do egoísmo, da desesperança … Essa luta é diária e afeta à todos.

Cada um luta contra si mesmo, contra forças destrutivas que se opõem a uma vida verdadeira, sejam estas forças de origem físico (doenças, infecções, vírus, câncer …), psicológicas (todas as formas de processos neuróticos, conflitos pessoais, várias frustrações … ) ou forças de origem espiritual.

É preciso lembrar que, embora os estados depressivos possam ter causas físicas ou psicológicas, eles também podem ter causas espirituais. Na alma humana há tentação, há resistência, há pecado.

Não podemos permanecer calados diante da ação do Adversário, Satanás, que tenta “colocar pedras no nosso caminho” para impedir que progridamos em direção à Deus. Ele pode brincar e tirar proveito do estado de desamparo, de desolação, de depressão. O objetivo dele é desencorajar e desesperar.

A depressão pode ser um pecado?

De maneira nenhuma. É uma doença! Mas há uma certa forma de complacência na depressão que pode estar relacionada à resignação, à falta de fé, ao desespero, que pode ser da ordem do pecado. Os Pais do deserto chamaram essa demissão de “acedia”. Esse enfraquecimento espiritual do qual você é cúmplice, esse abatimento consensual, levam a uma profunda tristeza que pode provocar uma situação depressiva.

No entanto, com a devida proporcionalidade, aquela pessoa que sofre de depressão pode viver sua doença como uma forma de humildade. Ela está no fundo do abismo, perdeu suas referências, sente dolorosamente sua pobreza fundamental, sabe que não é todo-poderosa e que não pode se salvar…

No entanto, mesmo nas profundezas da aflição, ela continua sendo livre. Livre para viver sua depressão desde a humildade … ou desde o ultraje! Toda vida espiritual supõe uma conversão, mas essa conversão, pelo menos no começo, nada mais é do que uma conversão de perspectiva, esse movimento pelo qual olhamos para Deus, nos voltamos para Ele. E essa volta é a consequência de uma escolha e de uma luta. A pessoa deprimida não está isenta disso.

Esta doença pode ser um caminho para a santidade?

Certamente. Já mencionamos alguns exemplos de santos. Também estão todos os doentes, ocultos, que nunca serão canonizados, mas que viveram sua doença em santidade.

Acho estas palavras do padre Louis Beirnaert, psicanalista religioso, muito apropriadas: “Numa vida maltratada e miserável, a respiração secreta das virtudes teológicas (Fé, Esperança, Caridade) se manifestará.

Quanto aos neuróticos, sem juízo e às vezes obcecados, conhecemos alguns deles cuja simples fidelidade de segurar a mão divina à noite que eles não sentem é tão radiante quanto insuportável como a magnanimidade de um Vincent de Paul!”. O que ele diz sobre os neuróticos aqui se aplica, é claro, à todos os deprimidos.

Foi isso que Cristo viveu no Getsêmani?

Sim, de certa forma. Jesus viveu intensamente o desânimo, a angústia, o abandono, a tristeza de todo o ser: “A minha alma sente uma tristeza da morte” (Mt 26,38). São situações que a pessoa deprimida conhece. Ele até implorou ao Pai que retirasse “este cálice” (Mt 26,39). Que luta, que agonia! Até essa “conversão”, essa recuperação da aceitação: “Mas não faça a minha vontade, mas a sua seja feita” (Mt 26,39).

O desamparo absoluto culmina em seu “Meu Deus, por que você me abandonou?”. Mas o Filho diz, no entanto, “Meu Deus …”. É o último paradoxo da Paixão: Jesus tem fé em seu pai no exato momento em que seu pai parece abandoná-lo. O ato de pura fé, lançado à noite! Às vezes é assim que devemos viver. Com a sua graça. Suplicando: “Senhor Jesus, venha em nosso auxílio!”

Entrevista realizada por Luc Adrian

Boletim
Receba Aleteia todo dia