Aleteia

Brigas durante o noivado: sinais de alerta de uma separação?

BREAKUP
By Antonio Guillem | Shutterstock
Compartilhar

O tempo de noivado não é necessariamente uma jornada super-romântica que os casados às vezes falam com nostalgia. Brigas, hesitações, até rupturas momentâneas, tudo isso existe! Mas isso não significa que devemos pensar imediatamente no rompimento do noivado

Durante o noivado, os jovens amantes nem sempre caminham felizes na mesma direção. Estresses, discussões e dúvidas podem colocar pressão sobre o casal. E isso, por várias causas.

Discussões que obscurecem o tempo do noivado

As discussões entre casais de noivos podem ser devidas a diferenças de caráter, educação, cultura e religião. Mas na maioria das vezes, é simplesmente uma preocupação de cada um em proteger sua personalidade em um relacionamento que inevitavelmente exige certas renúncias.

Quando estamos apaixonados, podemos ter medo de ser engolidos pela personalidade forte demais do outro, de nos tornarmos dependentes dele.

Uma luta pelo poder, silenciosa ou aberta, pode ocorrer, apenas para testar o outro: “Preciso saber quem dá as ordens…”; “Você me ama? O suficiente para ceder primeiro às minhas demandas?”, e assim vai.

A tensão pode ser forte entre casais que os noivos estavam solteiros há muito tempo e se acostumaram a fazer tudo e tomar todas as decisões sozinhos.

Também não podemos subestimar, como fontes das discussões, causas externas ao casal. Antes de tudo, é possível que um dos noivos não seja tão aceito pelos sogros. Não é tão fácil quanto você pensa dar o seu filho querido a outra pessoa.

Gostaríamos que ele encontrasse o seu par perfeito! E daí surgem observações, advertências, da parte dos futuros sogros, sobre a escolha feita pelo outro, sobre as falhas do outro.

Inicialmente eles desejam apenas ser úteis, mas acabam colocando uma grande dúvida na cabeça dos noivos. Não deixe que eles deem conselhos imperativos, isso pode fazer com que o cordão umbilical nunca seja cortado, mesmo após o casamento.

Além disso, é possível que as duas famílias não concordem totalmente com a festa de casamento, uma sonhando com um casamento estonteante (e caro!), enquanto a outra prefere um casamento mais sóbrio.

E os preparativos, sempre mais trabalhosos do que pensamos, mais monopolizadores do que esperamos, são então um pretexto para discussões entre as famílias e também entre os casais de noivos.

Como gerenciar essas situações?

Primeiro devemos tentar entender se essas discussões são graves ou não. Se elas forem sérias, talvez um sinal de contraindicação ao casamento. Quantos casais se separam dizendo que já perceberam durante o noivado que estavam no caminho errado e que lamentam não ter tido a coragem de se separar!

O olhar de terceiros pode confirmar essa intuição. Os pais também podem ajudar no discernimento, desde que não se oponham a uma luz vermelha se necessário (porque o amor frustrado é o mais forte e o menos objetivo), mas uma humilde luz amarela.

Por outro lado, se as disputas têm causas menores, se o casal está brigando por coisas insignificantes, eles precisam entender que cada um é único. O outro é outro. E antes de se tornar um, é necessária uma adaptação. O outro não é perfeito. Inevitavelmente, chegamos ao ponto de conhecer os seus limites e será necessário fazer muitos ajustes, através de renúncias e concessões.

O amor verdadeiro só aparece na medida em que, deixando de idealizar o outro, paramos de sonhar e passamos a amar o outro como ele é, sabendo que com ele como ele é – dadas suas inegáveis ​​qualidades guardadas em outro lugar – uma rota maravilhosa é possível.

As discussões, uma oportunidade de implementar algumas adaptações

Ser adulto é gerenciar positivamente o imperfeito da condição humana. E as brigas do casal de noivos costumam ser apenas o estabelecimento da adaptação necessária.

Muitas vezes, após um noivado difícil, o primeiro ano de casamento é mais fácil de se viver, porque o “trabalho” de adaptação já foi feito de antemão.

Contudo, depois de um noivado romântico, o primeiro ano pode ser difícil, já que mais cedo ou mais tarde você precisa “desidealizar” o outro para alcançar o amor autêntico.

Por fim, é sábio manter-se na certeza de que o noivo perfeito é Cristo, de quem o noivo da Terra é apenas um anúncio e um caminho que conduz a Ele. Sabendo disso, é mais fácil aceitar a imperfeição do cônjuge, pois ele não é Cristo!

Além disso, o noivado evoca muito bem a vida terrena, onde, “comprometidos com Cristo no batismo” (2 Cor 11, 2), o cristão vive, nas dificuldades e renúncias da vida cotidiana, o tempo laborioso dos preparativos para o Casamento Eterno.

Denis Sonet

Boletim
Receba Aleteia todo dia