Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 30 Outubro |
Santo Angelo de Acri

Como melhorar a relação entre pai e filho

OJCIEC I SYN

Rawpixel.com - Shutterstock

Edifa - publicado em 10/06/20

Não há nada melhor do que os ritos de transição para criar momentos particulares entre pai e filho para ajudar o garoto a seguir com sua vida adulta

Quanto tempo leva para se tornar um homem! Mesmo que a presença do pai seja desejável durante toda a adolescência, também existem momentos importantes que podem ajudar o jovem a atravessar as etapas de seu caminho para a vida adulta. Focamos na importância desses “ritos de transição”.

Ritos para marcar uma nova etapa na vida de um garoto

“Eu nunca fiz nada memorável com meu pai, que estava muito absorvido em seu trabalho, e isso estava faltando. Sim, tentei marcar a entrada de nossos filhos na adolescência com um ato iniciático”, diz Alain, pai de quatro garotos.

Assim, ele decidiu levar Étienne, seu filho mais velho, que então naquela época tinha 16 anos, para caminhar desde Le Puy-en-Velay até Conques (ambos na França), uma das saídas para Compostela.

“O caminho é simbólico. Jogo meu filho no caminho da vida, mostro-lhe a direção. Mas ele será o único a percorrê-lo, quem traçará seu caminho e terminará a peregrinação terrestre”, compartilha o pai.

Este momento privilegiado passado juntos revela uma necessidade hoje em dia, a de um pai-de-família diferente, valoriza Olivier: “Quando eu era criança, um pai ausente, sem dúvida, apresentava menos dificuldades do que hoje em dia. Em nossa sociedade onde a virilidade é turva, acredito que um pai que está realmente presente com seus filhos é mais necessário”.

Para ajudar o seu filho passar da infância para a adolescência, numa sociedade onde os ritos de transição desapareceram gradualmente, um pai pode criar momentos particulares cuja intensidade marca o jovem, cria uma memória comum e permite uma transição. E isso pode começar muito antes da adolescência.

“Quando eles têm 7 anos, convido-os a ir a um restaurante, os dois sozinhos, para marcar a idade da razão”, diz Guillaume, pai de uma família numerosa.

“Eu posso ter uma conversa verdadeira com eles. Falamos do que eles gostariam de fazer mais para frente. É uma etapa que se tornou num ritual. Os mais velhos conversam com os mais jovens sobre os próximos anos”.

Adquirir o hábito de compartilhar ou de criar cumplicidade para preparar-se para a adolescência

O pai também pode se apoiar nas tradições da família para criar uma intimidade com o seu filho.

“Todos verões, avós, pais e filhos nos encontramos na casa de alguém de nossa família”, diz Denis.

“Durante toda a semana, temos o hábito de fazer um passeio de vinte quilômetros na montanha. No ano passado, Gabriel de 7 anos de idade, passou por essa tradição pela primeira vez. Os avós estavam cansados e não nos acompanharam. Eu acho que meu filho entendeu que ele estava substituindo eles. Às vezes eu o imagino fazendo esse passeio com seus próprios filhos!”

“Saímos de madrugada e tivemos sorte de ver alguns animais: camurças, marmotas …. Para mim, esse passeio é uma maneira de induzir no meu filho à beleza da Criação, neste lugar que me faz pensar no paraíso. Isso me comove muito e eu acho que ele percebeu essa emoção. De fato, para ele, que é bastante falador e inquieto, senti-o imerso o dia inteiro num silêncio contemplativo”.

Este hábito de compartilhar ou criar cumplicidade prepara a chegada da adolescência e suas grandes questões. Começando com as da identidade sexual do garoto e os relacionamentos com as garotas.

Com os seus três filhos, Guillaume esperou o momento certo: “Quando sinto que eles estão totalmente entrando na puberdade, procuro uma ocasião para lhes contar sobre o amor, cara a cara. Falo do que acontece com seus corpos, de seus desejos. Lembro-me do que vivi com a mãe deles, converso com eles sobre a maneira de preparar-se para viver um amor verdadeiro, para ter um tratamento adequado com as garotas. Falo com eles de uma maneira sem dramatizar as coisas. Mas falo para eles que o homem é um guerreiro e que o autocontrole é uma das batalhas a serem enfrentadas”.

Essa conversa, mais ou menos simples dependendo da forma de ser de cada pai, ajuda a estabelecer os fundamentos da personalidade, mas não é suficiente.

“Sem dúvida, parece-me importante conversar sobre isso com eles”, diz Édouard. “Mas as crianças também devem poder ouvir a mesma mensagem fora da família, na escola e com os escoteiros, por exemplo. De fato, o mais importante talvez seja a maneira como o pai se comporta em relação à esposa. Ele está com ela da mesma maneira que Jesus Cristo está com a Igreja? ”

O adolescente “atravessa uma linha vermelha”? Uma oportunidade para ser explicada

Além dessa troca séria e nem sempre fácil, os atos às vezes são mais fortes que as palavras. Daí a importância, no decurso da adolescência, de viver uma aventura comum.

“Toda vez que um dos meus filhos faz 15 anos, eu passo um fim de semana inteiro com ele”, diz Guillaume. “Eu o levo a um lugar surpresa, relacionado à sua personalidade. A ideia é deixar a casa da família para descobrir algo do exterior. Eu certamente vejo isso como um ritual de transição para a vida adulta. Por exemplo, levei um de meus filhos para nossa recém-adquirida casa que está localizada nas montanhas para passar as férias. Nós inauguramos ela juntos, foi como uma aquisição do território”.

Essa aventura comum às vezes oferece ao garoto a possibilidade de superar o pai, de marcar pontos, um sinal claro da transição em andamento. “Fomos toda a família juntos de férias num trailer. Quando tivemos um colapso, foi um dos meus dois filhos que descobriu o problema. O filho tem sucesso onde o pai falha, isso é ótimo!”, outro pai testemunha.

Existem grandes etapas que também podem ser atravessadas devido a uma crise, de uma saída do caminho do jovem. É a oportunidade para uma troca frutífera, inclusive até um novo começo.

“O primeiro erro grave de um adolescente é um momento importante. Então a reação do pai é crucial”, explica Gilles le Cardinal, professor de comunicação.

“Se o pai apenas censura e denuncia, corre o risco de semear desconfiança. Ao se lembrar das regras, você também deve tentar entender o adolescente. É também a ocasião dele reconhecer a si mesmo que ele não é perfeito. Nesse momento, o erro se torna oportunidade. O pai se revela como apoio e não como adversário”.

Foi isso que Philippe, pai de dois garotos, viveu. “Quando o meu filho mais velho tinha 17 anos, ele foi punido por causa que ele fez cola no colégio. Convidei-o para passear comigo e tivemos uma conversa acalorada, sem a mãe dele, que tem uma tendência fácil à punição. Eu queria responsabilizá-lo, fazendo-o refletir sobre seu ato. Caso contrário, você verifique que é somente você apenas pagar a dívida e ele pode cometer o mesmo erro. Eu acho que isso criou mais confiança entre ele e eu”.

Desde a adolescência até a idade adulta

Outro gesto que pode ter o valor de um ritual de transição é a entrega de um objeto. Embora oferecer um relógio não tenha necessariamente muito significado, exceto o de uma transmissão, outros objetos têm o valor de promover a autonomia e a responsabilidade. Desde que sejam dados no seu devido tempo.

Autonomia: claramente um dos principais temas da adolescência e a razão de ser da transição para a vida adulta. Contanto que não haja confusão! De acordo com o que diz Gilles le Cardinal, “durante a adolescência, há um deslocamento entre o momento em que os pais decidem tudo pelo filho e o momento em que o jovem tem a última palavra”.

Segundo ele, o pai deve corrigir dois grandes erros comuns em nosso tempo: “O primeiro é confundir liberdade com escolha. Ter escolhido significa deixar de ser livre. Devemos lembrar e transmitir que não há liberdade sem responsabilidade. Uma conversa entre pai e filho sobre esse assunto pode ser proveitosa”.

“O segundo erro é confundir autonomia com o fato de querer fazer tudo sozinho. Isso é independência! A autonomia, pelo contrário, é saber pedir ajuda e aconselhamento para realizar seus projetos.”

Um caminho no qual o casamento do filho pode ser uma forma de conclusão. O discurso do pai durante a recepção do casamento acaba sendo o último ritual da separação.

“O pai percebe que a separação está terminada”, explica Gilles le Cardinal. “Em seu discurso, o filho pode encontrar uma forma de mea culpa do pai por suas falhas, ao mesmo tempo que um reconhecimento dos talentos desenvolvidos pelo filho. Como uma releitura significativa do passado. Também pode ser uma maneira de dizer: isso é tudo que eu lhe dei, você não me deve nada”. Da família de origem à família fundada, uma testemunha passou a escrever outra história.

Cyril Douillet

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
FilhosPaternidadeValoresVirtudes
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais