Aleteia

O que define o sucesso?

woman, success
Compartilhar

O sucesso pode vir à mente e nos levar a negar os valores do Evangelho. No entanto, devemos fugir sistematicamente dele para sermos bons cristãos? Não necessariamente, mas com a condição de tomar algumas precauções

Nossa sociedade pretende construir sobre o sucesso. Estilo, beleza, juventude, produtividade… Por essa razão, o sucesso sofre as repercussões de sua glória: ele é realmente um amigo falso, o Judas dos talentos recebidos?

Estar “no mundo” e ser “do mundo”

Duas razões evangélicas nos convidam a nos distanciar do sucesso.

A primeira vem do confronto de Jesus com o Diabo durante as tentações do deserto (Mt 4,1-11).

O príncipe deste mundo promete ao rei o domínio do universo das terras no sopé da montanha, se ele consentir em prostrar-se e adorá-lo.

É claro que o poder humano é o lugar de um combate espiritual contra aqueles que parecem dar em troca de uma alma vendida.

A segunda razão, que abrange e explica a primeira, é a distinção que Jesus faz entre estar “no mundo” e ser “do mundo”.

Essa distinção está longe de permanecer no abstrato. Todos sabemos que apela à decisões radicais em questões profissionais, sociais, familiares e espirituais.

Para dirigir nossa vida, existem critérios que são guiados por Deus e critérios que pertencem apenas ao mundo, no mau sentido da expressão.

As batalhas espirituais mais acentuadas estão localizadas no momento dessas escolhas: como vou viver meus relacionamentos emocionais, meu namoro e inclusive meu casamento? Como vou conduzir minha carreira e a parte que dou à vida em família? Dedico um tempo substancial à oração em minha vida pessoal, em nossa vida familiar, talvez inclusive em minha vida sacerdotal? O mundo então pode se desviar de Deus e é por isso que podemos denotar o sucesso negativamente.

Devemos assumir o disfarce de perdedor?

Se, então, em nome do Evangelho, não precisamos buscar o sucesso de acordo com os critérios mundanos, precisamos optar pelo fracasso comum, pela suposta mediocridade?

Não, não ter êxito ou limitar-se a realizações de baixo orçamento também não é um sinal de saúde evangélica e da igreja. “Ide, pois, e ensinai a todas as nações; batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo” (Mt 28,19).

Jesus Cristo nos convida a uma certa grandeza de propósito, justamente porque a evangelização é feita com Seus meios e não com os nossos.

Obviamente, a graça é invisível e permanece amplamente. Mas a humildade e a busca legítima da vida oculta não devem ser um pretexto para a renúncia, a preguiça ou, pior, a falta de imaginação ou de magnanimidade espiritual. Truque fundamental: Perder não é um sinal de sucesso. Então você tem que se recusar a assumir o disfarce de perdedor!

Certamente, os santos, sem mencionar o próprio Jesus, lembram-nos que os meios de Deus não são os do mundo, que o bem não faz barulho, que o essencial é invisível aos olhos.

No entanto, o intelectual São Tomás de Aquino ousou publicar suas obras, em vez de deixá-las apodrecer no sótão de seu convento, São João Bosco obteve subsídios de um ministro anticlerical e todo-poderoso; Santa Teresinha escreveu um livro.

Os meios de Deus passam pelo segredo da alma e pelo reconhecimento pessoal (e comunitário) das seduções do mundo, mas ele não se recusa a agir, em larga escala e de acordo com os intermediários adequados, no mesmo mundo.

Cuidado com os riscos de descarrilamento

Portanto, um cristão não está destinado ao fracasso sob o pretexto de ser cristão, nem apóstolo ao silêncio e inação sob o pretexto de ser apóstolo, nem humilde à mediocridade.

Obviamente, a diferença ocorre na verificação dos meios escolhidos, de acordo com quatro critérios: a Cruz, a Igreja, a oração e o discernimento.

Nós não fugimos deste trabalho real. Há orgulho, vontade de ter sucesso. É fácil invocar e denunciar, mas ainda assim bastante interessante de analisar. De fato, o orgulho é óbvio e a vaidade ridiculariza.

Há um perigo mais sutil, que é ficar congelado no personagem que o sucesso fez. A pessoa está presa pelo seu personagem. Rapidamente assumimos o hábito de ser elogiado, de estar no centro de tudo, de exercer sedução ou autoridade, de ser o único princípio de pensamento e ação de todo grupo humano, mesmo quando é para melhor.

No começo, você está servindo a pessoa. Num segundo momento, ele é canibalizado pelo personagem que se tornou. O inventor se identifica com a obra, o ser com o parecer, o espiritual com o Espírito Santo.

O risco de descarrilamento é ainda maior, pois nada mudou na aparência. Simplesmente, o que era forte se torna difícil, o que é brilhante, impressionante, o que era unificador se torna único, a intuição verdadeira consigo mesma, o que foi estilizado se torna simplista.

Para se proteger de um meio tão endurecedor, é simplesmente suficiente umas maneiras muito simples para fazer crescer o sucesso de acordo com Deus. Todos requerem as mediações necessárias.

Na teologia, as mediações da graça são: Cristo, a Igreja e os sacramentos. Elas realizam e distribuem a graça. No sentido comum, uma mediação é um revezamento, um testemunho, um juiz, talvez, enfim, um frente a frente.

Ousar colocar talentos em uso

Em suma, o sucesso não deve ser desmerecido. O próprio sucesso é a expressão de um talento reconhecido. Não devemos esquecer o tratamento excepcionalmente severo que Jesus reserva ao servo que enterrou seu talento (Mt 25,26-28).

Portanto, devemos colocar em prática nossos bons talentos! Mas, como em qualquer coisa, o modo de possuí-los e até mesmo oferecê-los deve ser purificado.

A mera voz da consciência não é suficiente. Uma olhada externa, amigável e exigente, mas bem diferente de nós, deveria permitir preservar nosso equilíbrio espiritual, moral e até mental.

Agora, em qualquer caso, você tem que ser ousado. Podemos ter ambição, entendida no sentido do desejo de fazer grandes e belas coisas para Deus e de acordo com Deus.

Iremos invocar o fracasso como o teste final do sucesso? Você precisa saber como viver um fracasso. É algo que é aprendido e não é fácil.

Mas não há nada mais lucrativo e mais verdadeiro do que integrar um fracasso a um sucesso conjunto e alcançar essa perspectiva positiva, levando uma perspectiva mais ampla por um período mais longo, a vida talvez, perspectivas cada vez maiores, à vida eterna em fim.

O fracasso momentâneo faz parte de uma vida de sucesso. Mas cuidado: um veneno assustador, o da teimosia e a justificativa do injustificável, podem escorregar para as lições de um fracasso (do qual se deve humildemente tirar proveito).

De tal maneira que o fracasso se torna um sinal da vontade divina, como se tudo tivesse acontecido bem!

Frei Thierry-Dominique Humbrecht

Boletim
Receba Aleteia todo dia